Skip to content

This cache has been archived.

touperdido: ...

More
<

Os 3 Pastorinhos - TP25 [Fátima]

A cache by touperdido Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 05/13/2007
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Francisco Marto

Nasceu em 11 de Junho de 1908, em Aljustrel. Faleceu santamente no dia 4 de Abril de 1919, na casa de seus pais. Muito sensível e contemplativo, orientou toda a sua oração e penitência para "consolar a Nosso Senhor".
Os seus restos mortais ficaram sepultados no cemitério paroquial até ao dia 13 de Março de 1952, data em que foram trasladados para a Basílica da Cova da Iria, lado nascente.
O Francisco nasceu no dia 11 de Junho de 1908. Filho de Olímpia de Jesus Marto e de Manuel Marto, era irmão de Jacinta e primo de Lúcia, as outras videntes, Segundo as conversas de Lúcia com a Senhora do Rosário, Francisco seria levado para o céu, em tenra idade. Assim sendo o pequeno pastorinho julgava-se dispensado da escola e durante esse tempo ia para a igreja fazer companhia ao Jesus escondido.
Em Outubro de 1918 o vidente adoece contagiado pela pneumónica ou "gripe espanhola". Mesmo doente, o Francisco continuou a oferecer sacrifícios para consolar Jesus ofendido por tantos pecados. Durante este período manifestou a vontade de não morrer sem antes Comungar. No dia 4 de Abril de 1919 acabaria por falecer às 10 horas da manhã. O seu corpo foi sepultado no cemitério de Fátima onde permaneceu até dia 13 de Março de 1952, altura em que os seus restos mortais foram trasladados para o lado nascente da Basílica, na Cova da Iria.

Jacinta Marto

Nasceu em Aljustrel a 11 de Março de 1910, com a mesma filiação do Francisco. Era dos três Pastorinhos a mais nova.
Durante as Aparições via e ouvia mas nunca falou nem com o Anjo, nem com Nossa Senhora. Dos três videntes, Jacinta, talvez por ser a mais nova nunca resistia a contar as Aparições e todas as novidades à sua mãe. Tal como o Francisco, não se poupava a sacrifícios, sobretudo depois da "visão do Inferno", renunciando a beber água no verão, torturava-se com uma corda atada à cintura.
No dia 20 de Fevereiro de 1920, cumpriu-se o que Nossa Senhora lhes havia dito na segunda Aparição: "Virei e Levar-te-ei comigo para o Paraíso". Morreu santamente no Hospital de D. Estefânia, em Lisboa, depois de uma longa e dolorosa doença, oferecendo todos os seus sofrimentos pela conversão dos pecadores, pela paz no mundo e pelo Santo Padre. Foi sepultada no jazigo da família do Barão de Alvaiázere, no cemitério de Vila Nova de Ourém.
A 12 de Setembro de 1935 foi solenemente trasladado o seu cadáver para o cemitério de Fátima, e colocado junto dos restos mortais do seu irmãozinho Francisco. No dia 1 de Maio de 1951, efectuou-se, com a maior simplicidade, a trasladação dos restos mortais de Jacinta para o novo sepulcro preparado na Basílica da Cova da Iria, lado poente.

Lúcia de Jesus

Lúcia de Jesus, nasceu a 22 de Março de 1907, em Aljustrel, paróquia de Fátima, filha de António dos Santos e Maria da Rosa.
Foi a principal protagonista das Aparições. Via, ouvia e falava com o Anjo e com Nossa Senhora. Como era a mais velha dos três videntes, tornou-se o principal alvo das gentes da aldeia e a pressão a que esteve sujeita foi tal que chegou a renunciar ao encontro marcado com Nossa Senhora, no dia 13 de Julho de 1917. Não fora a determinação da Jacinta e do Francisco em convencê-la, a sua decisão de não ir à Cova de Iria, esteve eminente.
A 17 de Junho de 1921, ingressou no Asilo de Vilar (Porto), dirigido pelas religiosas de Santa Doroteia, por decisão do Bispo de Leiria, debaixo de algum secretismo, na medida em que estava a ser submetida a interrogatórios constantes. Foi depois para Tuy, em Espanha, onde tomou o hábito com o nome de Maria Lúcia das Dores. Fez a profissão religiosa de votos temporários a 3 de Outubro de 1928 e, a 3 de Outubro de 1934, a de votos perpétuos. No dia 25 de Março de 1948, transferiu-se para Coimbra, onde ingressou no Carmelo de Santa Teresa, tomando o nome de Irmã Maria Lúcia de Jesus e do Coração Imaculado. No dia 31 de Maio de 1949, fez a sua profissão de votos solenes.
A Irmã Lúcia veio a Fátima várias vezes depois das Aparições: a 22 de Maio de 1946; a 13 de Maio de 1967, por desejo do Papa Paulo VI e aquando à sua visita na mesma ocasião para a celebração das Cerimónias do Cinquentenário das Aparições; em 1981, para dirigir depois no Carmelo, um trabalho pictórico sobre as Aparições; a 13 de Maio de 1982, durante a primeira visita do Papa João Paulo II ao Santuário, um ano após ter sofrido o atentado na Praça de São Pedro, no Vaticano; a 13 de Maio de 1991, por ocasião da segunda visita do Papa João Paulo II, no 10º aniversário do seu atentado e, por último, a 13 de Maio de 2000, data da 3ª e última visita do Papa João Paulo II ao Santuário de Fátima, quando proclamou “beatos” os videntes Francisco e Jacinta Marto.
A Irmã Lúcia de Jesus e do Coração Imaculado veio a falecer no dia 13 de Fevereiro de 2005. No dia 15, após as cerimónias fúnebres na Sé Catedral de Coimbra foi sepultada da forma como viveu, em clausura, de acordo com as normas da Família Carmelita, no Convento de Santa Teresa, para aí permanecer durante um ano. Foi vontade da Irmã Lúcia, que o seu corpo ficasse sepultado no claustro do convento, pelo menos um ano, para agrado das Irmãs, antes de ser levado para a Basílica de Fátima, cumprindo o seu desejo de ficar sepultada junto de Francisco e Jacinta, “(…) agradecendo a Deus e Nossa Senhora mais esta graça de que queiram Eles, levar-me a dormir o meu último sono sobre a terra, no Seu Santuário a Seus pés. Por tudo o meu hino de acção de graças”, escreveu a Irmã Lúcia ao Reitor do Santuário em 03 de Fevereiro de 1994.
A cerimónia de transladação do corpo da vidente para a Basílica de Fátima acontece a 19 de Fevereiro de 2006, um dia antes da Festa Litúrgica dos Beatos Francisco e Jacinta, que se celebra a dia 20 de Fevereiro, aniversário da morte da Beata Jacinta Marto.

As 3 Aparições do Anjo

Na Primavera, Verão e Outono de 1916, um Anjo apareceu três vezes aos Pastorinhos, em jeito de preparação dos videntes para as Aparições de Nossa Senhora, um ano depois. Os fenómenos que viriam a acontecer, não eram de todo fáceis de compreender, daí a importância daquele mensageiro em conduzir as três crianças no sentido de melhor compreenderem e difundirem uma mensagem que todos pudessem entender e interpretar com o significado que se pretendia transmitir.

Primeira Aparição do Anjo

A primeira Aparição do Anjo teve lugar na Loca do Cabeço, um local dos arredores de Aljustrel. Era um dia chuvoso naquela primavera de 1916. Na Loca do Cabeço haviam umas pequenas grutas, que ainda hoje se podem visitar, onde os Pastorinhos se abrigavam. Ao acalmar-se a tempestade os Pastorinhos saíram da gruta e foi quando se levantou um vento forte. A pouca distância dos Pastorinhos, no meio do olival, depararam-se com uma figura que tinha "A forma de um jovem de 14-15 anos, mais branco que a neve e transparente como o cristal atravessado pelos raios do sol, e muito belo", segundo palavras de Lúcia. Aproximou-se deles e disse "Não tinhais medo. Eu sou o Anjo da Paz. Rezai comigo". Ajoelhou-se e inclinando o rosto até ao chão pediu para rezarem três vezes "Meu Deus, eu acredito, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão pelos que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam". Depois levantou-se e disse "Orai assim. Os corações de Jesus e de Maria estão atentos à voz das vossas súplicas". Dito isto o Anjo mais branco que a neve deixou as três crianças.
Durante o resto do dia as crianças sentiram-se tão bem, que nem eram capazes de comentar o sucedido entre eles. O Francisco rezou de acordo com aquilo que ouviu dizer às suas companheiras, na medida em que via o Anjo mas não o ouvia.

Segunda Aparição do Anjo

A Segunda Aparição teve lugar cerca de dois meses mais tarde. O local escolhido desta vez não foi a Loca do Cabeço, mas o poço situado atrás da casa dos país da Lúcia. Era hora de sesta e tudo estava calmo, apenas as crianças brincavam nas traseiras da casa quando de súbito se deparam novamente com a imagem do Anjo que disse: "O que fazem? Rezai, Rezai muito. Os corações de Jesus e de Maria têm sobre vós desígnios de misericórdia. Oferecei constantemente ao Altíssimo orações e sacrifícios". A Lúcia perguntou ao Anjo como se deveriam comportar. "De tudo o que puderdes, oferecei um sacrifício ao Senhor em acto de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores".
Os Pastorinhos começaram então a fazer sacrifícios e a rezar a oração que o Anjo lhes ensinou.

Terceira Aparição do Anjo

No Outono do mesmo ano encontravam-se os Pastorinhos a rezar a oração que o Anjo lhes ensinara, no local onde acontecera a primeira Aparição, na Loca do Cabeço quando de súbito o Anjo lhes aparece novamente. Esta Aparição teve a particularidade de o Anjo se apresentar com um Cálice na mão esquerda e uma Hóstia na mão direita sobre o Cálice e da qual caíam pingas de sangue. O Anjo ajoelhou-se ao lado dos Pastorinhos, deixando o cálice e a Hóstia suspensos no ar, enquanto lhes pedia para rezarem três vezes a seguinte oração: " Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do seu Sacratíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores".
O Anjo levantou-se, tomou com ele o Cálice e a Hóstia que tinham ficado suspensos, deu a Hóstia à Lúcia e o conteúdo do Cálice ao Francisco e à Jacinta dizendo: "Tomai e Bebei o Corpo e o Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolai o Vosso Deus".
O Anjo ajoelhou-se de novo, rezando três vezes a mesma oração com os Pastorinhos, para depois os deixar com a sua missão já cumprida.

Informações retiradas de www.rt-leiriafatima.pt

Cache

O local onde está escondida a cache, foi o local onde o Anjo apareceu aos Pastorinhos duas vezes. É um local muito bonito e calmo. Peço que façam silêncio. A cache é fácil de encontrar e como desapareceu a primeira versão, peço que SEJAM DISCRETOS. Este local é-me conhecido porque quando estudava em Fátima, todos os anos vinhamos a este local.

Additional Hints (Decrypt)

qrageb qn byvirven

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.