Skip to Content

<

Talasnal

A cache by almeidara & X Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 09/23/2007
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

 

A cache não se encontra no muro ou nas ruínas da casa.
Não vale a pena tirar pedras de lá!


Localiza-se na Lousã, primeira montanha da Cordilheira Central Ibérica. É zona fortemente sulcada por rede ramificada de vales profundos verdejantes e ribeiras cristalinas, salpicadas de seculares moinhos. Geologicamente predominam os xistos com raros afloramentos quartzíticos.A aldeia situa-se a média altitude, aí ser mais favorável a actividade agricola.

A Cordilheira Central formada há cerca de 500 a 600 milhões de anos (primário) resultou dos chamados movimentos ercinicos que trouxeram para quotas muito superiores as camadas sedimentares como xistos, posteriormente cavados já no período ordoviliano ou silúrico (cerca de 100 a 150 milhões de anos) por pequenos rios que deram lugar aos vales que hoje apresentam e origem à fértil bacia da Lousã.

A aldeia confunde-se com o fraguedo encrespado. As casa de xisto empoleiram-se nos rochedos sem necessidade de outra função. A madeira de toda a construção é o castanho oriundo dos muitos soutos da região, que ainda hoje é a árvore ex-libris desta zona montanhosa, a par com o carvalho e o sobreiro cada vez mais raro. São o que resta da outrora densa floresta lusitana. Os telhados cobrem-se de ancestral telha canuda (dita serrana), por sua vez protegida dos fortes ventos de Inverno, com pesadas placas de xisto resultantes da compressão dos movimentos tectónicos e chamadas lousas.

A cantaria é inexistente pois o xisto não a permite, mas os vãos são habilmente vencidos por traves (ditas padieiras) na mesma madeira de excepção que é o castanho. as paredes erguem-se aprumadas com pedra toscamente aparelhada e consolidada com o barro que a terra deu.

O clima é ameno rondando a temperatura média anual os 13 a 14 graus centígrados. As vertentes envolventes da aldeia outrora cultivadas em pequenos sulcos arduamente mantidos, davam o centeio, a cevada, o milho, a batata, o feijão e a oliveira. Mas a base alimentícia por excelência foi a castanha seca e pilada por todo o ano nos caniços em cima das lareiras que cada casa não dispensava. O animal doméstico é a cabra, a única a adaptar-se ao meio agreste e também única fonte de proteínas para além do porco. A cabra dava leite fresco e queijo e quando já não paria deu a chanfana, por já não ser possível cozinha-la de outra forma se não à custa do vinho para amaciar a dura carne.

O pastor migrante encontrou condições para a sua fixação neste local (de que não registo escrito desde o século XVI), mas que seguramente desde época anterior é habitado.

O manto vegetal inclui azereios, azevinhos, fetos reais, folhados, heras, luendros, loureiros, mendroeiros e pinheiro bravo. Os javalis espreita, por entre a densa vegetação a par com corsos e veados. As raposas esgueiram-se fugidias, assim como os gatos bravos, enquanto as águias rondam os céus.

Fazendo parte de um imenso e invejável património natural que a par com o construido vale seguramente a pena visitar...

in folheto turístico, visite também este link


Cache

Pode chegar a 200m da cache de carro, embora nos últimos quilómetros tenham de andar por estradão de terra batida, nada que qualquer carro consiga fazer.

Esta opção pode começar em Lousã seguindo indicações de "aldeias serranas". Mesmo de carro passarão perto das piscinas naturais e a cache GCVN3W - Moutain Shrine.

Ou então podem, como eu, fazer um pequeno percurso. Começando junto ao Castelo (wp=INICIO), sigam a indicação de percurso pedestre ou Central Hidroeléctrica da Ermida.

No wp=EDP encontrarão uma pequena central e o fim da estrada de terra batida, a partir daqui o caminho torna-se mais acentuado e estreito. O caminho encontra-se bem marcado e não há nada que enganar. Quando a vegetação começar a abrir devem começar a caminhar por entre muros de pedra. à chegada à aldeia, a uns 200m, poderão procurar a cache.

Continuem a subir e entrem no Talasnal. Caso tenham trazido farnel almocem no largo da aldeia, perto do wp=PARQUE. Se não, existem alguns restaurantes abertos aos fins de semana.

À volta chegando ao wo=BIFURC podem escolher o caminho da esquerda e regressar por outro caminho que voz leva às piscinas naturais e à cache GCVN3W - Moutain Shrine.

 

 

Additional Hints (Decrypt)

qronvkb qnf crqenf tenaqrf rapbfgnqnf ab zheb

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

643 Logged Visits

Found it 603     Didn't find it 11     Write note 18     Needs Archived 1     Publish Listing 1     Needs Maintenance 7     Owner Maintenance 2     

View Logbook | View the Image Gallery of 358 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.