Skip to Content

Traditional Geocache

Viriatus eram prognatus hic [Lusitania]

A cache by almeidara Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 10/29/2007
In Guarda, Portugal
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size: small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


De Lusis a Lusitanos

Depois do fim da civilização Tartéssica, a Peninsula Ibérica encontrava-se dividida entre várias tribos bárbaras com limites pouco definidos. A metade atlântica têm influência céltica enquanto a mediterrânica tem origem non-indoeuropeia (provavelmente povos resitentes às várias invasões celtas, a última das quais por volta de 600 aC) e uns punhados de colónias gregas e cartaginesas. Dentre estas tribos as mais influentes são os Celtíberos no interior e os Lusitanos na costa Oeste. 

Com a origem envolta nas brumas da memória, os Lusitanos são provavelmente os Lusis descitos em "Orla Maritima" ou melhor, o resultado da sua celtização. Este poema composto por Rufio Avieno no séc. IV dC, relata a aventura de um navegador grego de Massália (Marselha) nos finais do séc. VI aC. Neste poema  é relatada a existência de etnias iberas da fachada atlântica, herdeiros da cultura megalítica, aparentemente responsáveis pelo comércio com o atlântico norte, e a existência de povos de origem continental (invasão indo-europeia). Desta junção de tribos iberas e celtas, resultaram as diversas tribos, que juntaram o carácter agrário dos invasores da Europa central, à vocação marítima dos primeiros habitantes.


fig 1. Quando os romanos chegam à Peninsula encontram-na assim retalhada

A invasão romana da península Ibérica iniciou-se durante a Segunda Guerra Púnica (218-201 aC), quando as legiões romanas para ali se movimentaram taticamente, a fim de atacar pela retaguarda os domínios de Cartago na região. Com a destruição de Cartago e o fim da Terceira Guerra Púnica em 146 aC, as Romanos passam a dominar definitivamente a costa mediterrânica (Hispânia Ulterior e Citerior).No entanto,  o dominio do resto da peninsula não se dá sem conflitos com as tribos nativas. Conflitos esses que ficaram conhecidos como Guerra Lusitana.

Viriato

As batalhas entre tribos lusitanas e o império romano tiveram início cerca do ano 193 a.C. Supõe-se que Viriato, filho de Comínio, terá nascido em Lobriga, depois chamada Lorica pelos romanos, actual Loriga, nos Hermínius, actual Serra da Estrela, e que terá tido de algum modo acesso a vários aspectos culturais e experiências, para além das actividades de pastor de rebanhos e caçador, que lhe permitiram desenvolver a guerra de guerrilha, com estratégias e tácticas sofisticadas, chegando mais tarde a dialogar positivamente com os representantes de Roma, e alcançando inclusive a designação de “Amicus Populi Romani”, ou seja, aliado em paz com Roma.

Viriato aparece na História quando, em 147 aC, se opõe à rendição dos lusitanos a Caio Vetílio, que os tinha cercado no vale de Betis, na Turdetânia. Viriato lembra aos seus companheiro a traição anterior de Galba. A fama como guerreiro e estratega foi crescendo entre as várias tribos lusitanas, o que lhe permitiu vir a tornar-se o líder efectivo de uma coligação de tribos lusitanas, pela primeira vez na história unidas por um objectivo comum. Derrota os romanos no desfiladeiro de Ronda, que separa a planície do Guadalquivir da costa marítima da Andaluzia, fazendo nas fileiras inimigas uma espantosa chacina, tendo sido morto o próprio Vetílio.

No entanto, já sem Cartago a impedir-lhe os movimentos, Roma lança um ataque massivo em todas as frentes, inclusivé na Ibéria, desta vez com o general Cipião. Face ao avanço do general romano, Viriato vê-se obrigado a enviar três emissários para negociar a paz - Audax, Ditalco, e Minuro -, que são aliciados com enormes quantidades de ouro para assassinarem o chefe luso. Viriato é assassinado durante a noite na sua própria tenda, por aqueles em quem confiava. No seu regresso ao acampamento romano, os três traidores ouviram da boca do próprio Cipião que "Roma não paga a traidores".

Viriato ficou para a História, a par de Espártaco, como um dos poucos que conseguiu pôr Roma de joelhos enquanto travava uma guerra justa pela liberdade do seu próprio povo. E esteve quase a consegui-lo! Após a morte de Viriato, o exército lusitano agora comandado por Tautalo sofre uma última derrota a sul do Tejo, vendo-se obrigado a negociar a paz, fixando-se por este meio alguns lusitanos no sul do actual território português.

Loriga

A Vila de Loriga fica situada na Serra da Estrela, a cerca de 770 metros de altitude, como que protegida por duas sentinelas vigilantes e altivas que parecem tocar no céu, e que são a Penha do Gato com cerca de 1800 metros e a Penha dos Abutres com mais de 1800 metros. Uma estrada serpenteante e magnifica para o turismo, bem lançada em audaciosas curvas pelas encostas da serra onde a engenharia moderna pôs todos os seus recursos, leva-o a Loriga onde ao chegar contemplará embevecido o casario branco para, de imediato, lhe dar a impressão de que assenta sobre um trono onde a Natureza parece ser soberana num verdadeiro reino de esplendor. Estes montes que a circundam e lhe ornam a fronte, oferecem aos visitantes surpreendentes paisagens, ao mesmo tempo o abismando na miragem dos cerros íngremes, cortados a pique, ou na ondulação caprichosa de vales e montes, onde a água cristalina brota e desliza, como cantando numa rumorejante melancolia por todo o lado e, as suas ribeiras, de braços abertos essas águas recebem para oferecerem aos rios e estes as levarem ao mar. Loriga é uma das terras serranas mais formosas, bem digna da visita dos turistas, onde, entre os mais diversos predicados naturais e artísticos, decerto encontrará também o descanso e a paz de que necessita. A gente desta Vila é hospitaleira, simpática e, acima de tudo, amiga desse seu torrão. A evindenciá-lo, é estarem dispersos pelas ruas da vila, marcos fontanários e outras recordações que atestam bem o vincado amor desse seu povo à terra natal.

in www.loriga.de

Cache

Esta cache pretende levar-te a onde se pensa que este grande heroi, Viriato, nasceu. O percurso recomendado (ver waypoints abaixo) levam-te a percurrer pouco mais de 300m da via romana, incluindo uma bem conservada ponte romana. Não deixem de visitar o Caixão da Moura, no outro extremo da vila na continuação da calçada romana.

This is a traditional cache, just go to the listed coordinates. You will pass a roman road and a roman bridge.

 

 

Additional Hints (Decrypt)

qrvkr pbzb rapbagebh: rfcreb dhr qronvkb qnf crqenf dhr rfgnb qronvkb qn pnehzn.
yrnir vg unf lbh svaq vg: V ubcr, haqre fbzr fgbarf, haqre cvar gerr yrnirf.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

  • caixão da moura
  • no comments
  • SPOILERCuidado! Se estiverem a ver a cache deste lado precisam de asas.
  • stone house
  • Troço de via Romanaligava Lorica a Egitânia (Idanha-a-Velha),Talabara (Alpedrinha),Sellium (Tomar),Scallabis (Santarém),Olisipo (Lisboa) e a Longóbriga (Longroiva),Verurium (Viseu),Balatucelum (Bobadela),Conímbriga (Condeixa-a-Velha)e Aeminium (Coimbra).

164 Logged Visits

Found it 142     Didn't find it 15     Write note 6     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 41 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 11/15/2017 3:33:45 PM (UTC-08:00) Pacific Time (US & Canada) (11:33 PM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page