Skip to Content

This cache has been archived.

eniel: Mission Accomplished!

More
<

Ad Majorem Dei Gloriam

A cache by eniel Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 12/09/2007
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
1 out of 5

Size: Size: not chosen (not chosen)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Esta cache pretende dar a conhecer um pouco da história da Companhia de Jesus em Portugal.

A história dos jesuítas (Companhia de Jesus) em Portugal está dividida em quatro períodos: 1540 a 1759, 1829 a 1834, 1848 a 1910, e do exílio à actualidade.

PRIMEIRO PERÍODO ( 1540 a 1759 )

A vinda dos jesuítas para Portugal deve-se ao rei D. João III a quem Diogo de Gouveia indicara a existência de um grupo de clérigos capazes de converter a Índia. Então Inácio de Loyola enviou para Portugal o navarro Francisco Xavier e o português Simão Rodrigues.
O primeiro partiu no ano seguinte para a Índia enquanto que o segundo ficou encarregue de criar a Província de Portugal, que foi criada em 1546 tendo sido a primeira província da Ordem.

Foi graças a alguns benfeitores, com especial destaque para a família real, que o crescimento da Companhia de Jesus em Portugal se deu de uma maneira extremamente rápida. Em 1542, foi fundado o Colégio de Jesus em Coimbra que tinha como objectivo a formação dos membros mais novos da Ordem.

 

Sé nova de Coimbra

Foi no entanto em Lisboa no ano de 1553 que foi inaugurado o primeiro Colégio no qual os jesuítas deram aulas públicas: O colégio de Santo Antão. Em 1559, foi fundada pelo Cardeal D. Henrique a Universidade de Évora e entregue à Companhia de Jesus.

Universidade de Évora

Com o decorrer do tempo, a acção pedagógica dos jesuítas foi-se espalhando a outras cidades do país. Em 1560 os jesuítas eram 400 e em 1759 eram 789.
Os jesuítas em Portugal chegaram a dirigir cerca de 30 estabelecimentos de ensino que formavam a única rede escolar orgânica e estável do País. O ensino era gratuito e aberto a todas as classes. Em meados do século XVIII, o número total de alunos rondava os 20000 numa população de 3000000 de habitantes.
Mas, em Portugal, os jesuítas não estavam só ligados à educação. Também se entregavam às obras de caridade. Ocupavam-se dos presos, visitavam hospitais, assistiam os condenados à morte e, indiferentes aos perigos, excediam-se em generosidade por ocasião de epidemias e calamidades.
Uma das prioridades da Companhia de Jesus era a actividade missionária. Assim, à medida que os portugueses foram chegando cada vez mais longe, os jesuítas acompanharam a sua expansão. Em 1542, Francisco Xavier desembarcou em Goa com dois companheiros e, depois de percorrer várias regiões da Índia, esteve em Malaca e nas Molucas, chegando ao Japão em 1549. Veio a falecer em 1552 quando estava prestes a entrar na China. Apesar disso, as missões continuaram e os jesuítas chegaram a Macau, ao império do Grão Mogol, à China, a Pegu, a Bengala, à Cochinchina, ao Cambodja, ao Tibete, a Tonquim, ao Sião e ao Laos. Em África, os jesuítas estiveram no Congo, em Angola, na Etiópia e em Moçambique. Mais tarde iniciaram uma missão que passava por Cabo Verde e que os levaria depois à Guiné e à Serra Leoa. A primeira expedição ao Brasil deu-se em 1549 e, a partir daí, verificaram-se numerosas levas de missionários.  
Toda esta actividade foi bruscamente interrompida por decisão do Marquês de Pombal em 1759 ao decretar a expulsão dos jesuítas de todos os territórios portugueses. A Companhia de Jesus constituía um obstáculo à implementação do seu projecto político iluminista e centralizador. O Marquês de Pombal iniciou uma campanha anti-jesuítica tendo feito uma série de acusações contra os jesuítas que foram espalhadas por toda a Europa.

SEGUNDO PERÍODO ( 1829 a 1834 )

Em 1814 a Companhia de Jesus foi restaurada pelo Papa Pio VII. No entanto, os jesuítas só regressaram a Portugal em 1829. Por intermédio do rei D. Miguel, chegaram a Lisboa oito jesuítas que traziam como superior o belga P. Filipe José Delvaux. Abriram um noviciado e iniciaram actividades apostólicas entre a população de Lisboa e dos arredores. Em 1832, D. Miguel entregou-lhes o Colégio das Artes, em Coimbra, mas devido à guerra civil as aulas só se iniciaram no ano seguinte. Em 1834 o exército liberal ocupou Coimbra  e os jesuítas foram presos e escoltados até Lisboa tendo ficado presos no forte de S. Julião da Barra donde partiram para Itália. 
Nesta curta passagem por Portugal, o número de jesuítas foi de 24 e para além de terem retomado as actividades escolares, estiveram também empenhados em dar assistência aos feridos da guerra civil e às vítimas da epidemia de cólera que ocorreu em 1833.

TERCEIRO PERÍODO ( 1848 a 1910 )

O principal responsável por este regresso a Portugal foi Carlos João Rademaker, que tinha entrado para a Companhia de Jesus em Itália, em 1846. Rademaker veio para Portugal com o intuito de restaurar a Província de Portugal. Em 1858, deu início ao Colégio de Campolide, tendo tido a colaboração de mais dois jesuítas, um português ainda dos tempos de D. Miguel e um espanhol. Em 1863, foi constituída oficialmente a Missão Portuguesa que teve como primeiro superior o italiano P. Francisco Xavier Fulconis.
No início de 1880, a Missão contava nove comunidades com 137 jesuítas. Estavam reunidas então as condições para ser restaurada a Província de Portugal da Companhia de Jesus.
Os dois Colégios, Campolide e S. Fiel, além de outros importantes estabelecimentos de ensino, foram locais de intensa actividade científica.
Em relação à actividade missionária, os jesuítas tiveram uma difícil missão na Zambézia para onde foram enviados entre 1880 e 1910. Os jesuítas da Província de Portugal estiveram também presentes na Índia, Macau e Timor.
Em Outubro de 1910 a Companhia de Jesus foi pela terceira vez expulsa e espoliada dos seus bens em Portugal. O governo provisório da República restaurou a lei pombalina de 1759.

QUARTO PERÍODO ( DO EXÍLIO À ACTUALIDADE )

Depois de consumada a expulsão, a política seguida teve duas vertentes: em primeiro lugar, conservar na Europa o núcleo central da Província de Portugal, constituído pelas casas de formação e algumas residências. Em segundo lugar, reforçar as missões na Índia que, por se encontrarem em território inglês, podiam ser mantidas e, simultaneamente, procurar novos campos de actividade, principalmente no Brasil.
Depois de temporariamente se terem instalado na Holanda e na Bélgica, as principais casas estabeleceram-se em Espanha: o noviciado, o juniorado e filosofado em Santa Maria de Oya, na Galiza, o Colégio para os alunos portugueses em La Guardia, no lado espanhol do rio Minho, a Escola Apostólica em S. Martinho de Trebejo e a redacção da revista Brotéria e do Mensageiro do Coração de Jesus em Pontevedra.
Apesar do exílio, a Província de Portugal aumentou os seus efectivos. A partir de 1923, abriram algumas residências em Portugal. A Constituição de 1933 aboliu as leis de excepção por motivos religiosos, e o decreto de 12 de Maio de 1941, que reconhecia a Companhia de Jesus como corporação missionária, permitiram normalizar a situação jurídica dos jesuítas em Portugal.
Durante os anos quarenta e cinquenta, os principais centros da presença dos jesuítas adquiriram o estatuto que ainda mantêm. Nos anos setenta, apesar de terem diminuído o número de efectivos, aumentaram a sua presença a Sul do Tejo, principalmente em zonas pobres e pertencentes à classe operária.

A Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura, resultou da colaboração entre a editorial Verbo e as instituições culturais da Companhia de Jesus.

Em relação à actividade missionária, os jesuítas estiveram sempre presentes na Índia portuguesa, até à anexação pela União Indiana, em 1961 de Goa, Damão e Dio. Expulsos da Índia, os jesuítas foram para Macau, Moçambique, Timor e Angola. A descolonização abalou profundamente a actividade missionária tendo muitos missionários, vítimas de inúmeras perseguições, tido que regressar à Europa.

Este texto é uma versão adaptada do encontrado na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

 

A Cache

A cache encontra-se nas imediações da Basílica do Sagrado Coração de Jesus, na Póvoa de Varzim.

Basílica - Frente  Basílica - Lado Sul
(fotos: Humberto Borges)

Esta Basílica, e respectiva casa, foi a primeira a ser reocupada pelos Jesuítas em 1932 no regresso do último exílio.

 A Basílica do Coração de Jesus, começada a construir a 31 de Agosto de 1890, foi dada por terminada na parte externa em 30 de Outubro de 1948. O templo tem 30,10 mt. de altura (encimada por uma estátua de 4,50 mt.), 50 mt. de comprimento, e 17,60 mt. de largura. Tem uma capacidade média estimada em 2.000 pessoas. A origem desta Obra esteve numa missão que em 1883 os Padres José Bacelar e José de Oliveira realizaram aqui na Póvoa.

É extremamente importante ser-se discreto para garantir a sua continuidade.

É necessário levar um utensílio de escrita. E, mais uma vez, sejam discretos.

Additional Hints (Decrypt)

an rfdhvan qb zrgny. [Cuidado com os muggles]

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

149 Logged Visits

Found it 128     Didn't find it 7     Archive 1     Temporarily Disable Listing 4     Enable Listing 4     Publish Listing 1     Needs Maintenance 2     Owner Maintenance 1     Update Coordinates 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 11 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.