Skip to Content

This cache has been archived.

p@Che: Afinal de contas nunca tinha fitas e não...

More
<

Queima das Fitas

A cache by the_Ateam Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 05/01/2008
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Queima das Fitas 

História

A Queima das Fitas, de acordo com a forma que hoje possui, só parece ter surgido em Coimbra a partir de 1919. No entanto, os alicerces que lhe deram origem remontam a 1899, com a realização do Centenário da Sebenta que pretendia ser uma réplica dos centenários comemorados entre 1880 e 1898. A intenção destas festividades seria a de homenagear várias personalidades e acontecimentos.
No Porto, a Queima das Fitas não é muito mais recente que em Coimbra. Já anteriormente a 1920 se festejava a Festa da Pasta na Faculdade de Medicina.
Esta Festa da Pasta tratava-se da passagem da pasta e do grelo dos que acabavam aos que entravam então na etapa final do curso. Dava-se também por esta altura a emancipação dos caloiros. Tendo aparentemente sido iniciada pela Faculdade de Medicina, a Festa da Pasta era também realizada nas outras faculdades, mas individualmente.
Só a partir de 1943 é que se começa a utilizar a denominação Queima das Fitas, muitas vezes paralelamente à expressão Festa da Pasta.
A prova de que a Queima das Fitas do Porto é a continuação da Festa da Pasta é que a transição de uma para a outra se deu naturalmente, sem interrupções. Em 1943, a Festa da Pasta era uma só para todas as faculdades. A Queima das Fitas desenrolou-se naturalmente em Coimbra até 1969, altura em que foi decretado luto académico e as actividades praxísticas ficam suspensas.



 

No Porto, a Queima das Fitas aguentou-se até 1971/ 72, altura em que cessou a Praxe na Invicta.~As condições políticas da época levaram a que os estudantes tivessem medo de usar a Capa e Batina devido a possíveis retaliações. As correntes políticas mais activas de então consideravam as Tradições Académicas como reaccionárias, daí a oposição à Praxe e às suas manifestações.
Em 1978, um grupo de estudantes, num acto de coragem, resolveu organizar-se e saiu para a rua um cortejo que recebeu o nome de Mini-Queima.Foram-lhes atiradas pedras e fruta podre, mas não desistiram.

Em 1979, tentou-se alargar a iniciativa mas existiam duas comissões organizadoras. Só uma delas conseguiu avançar pois a outra seria movida por ideais políticos e não teve sucesso.

Assim, prevalecia uma comissão denominada Secretariado da Queima das Fitas Tradicional, integrada por estudantes das Faculdades de Medicina, Engenharia, Farmácia, Escola Superior de Medicina Dentária (actual Faculdade de Medicina Dentária) e Biomédicas (ICBAS).
E em 1979 saiu para a rua um cortejo com poucos carros, mas convictos de recuperar as Tradições Académicas portuenses, um legado cultural de que todos os estudantes do Porto são herdeiros legítimos. Até hoje, a Queima das Fitas nunca mais parou e de ano para ano vê o seu cortejo aumentar de grandiosidade.


Significado Histórico e cultural

Inicialmente, a Queima das Fitas não era mais que a finalização de um curso. Com o decorrer do tempo foi sendo gradualmente alargada a outros anos.
Estas comemorações têm um significado simples: Após queimar as suas fitas, o estudante entrega-se à boémia durante uns dias, a fim de se divertir antes de entrar na época final de exames.

É durante a Semana da Queima que se usa a Cartola e Bengala, brincando com a situação do pré «Sr. Dr.».

Queima das Fitas destinava-se apenas aos finalistas que estavam prestes a terminar o curso. Pouco a pouco, estas festividades académicas foram sendo alargadas a outros anos, pois todos se queriam divertir antes dos exames finais. Estas manifestações, os principais visados são os grelados, que vão por as fitas, e os finalistas, que vão por cartola e bengala.
De acordo com a tradição, apenas os novos fitados podem ir nos carros do Cortejo e os cartolados vão a pé, a abrir o Cortejo.
 


Queima das Fitas é:

a) uma oportunidade de todos os estudantes da Academia conviverem lado a lado, de um modo salutar;
b) dar à Academia um espaço cultural através das várias manifestações académicas ( Sarau Cultural, Festivais de Tunas, Ciclos de Cinema, Exposições, etc.);
c) oferecer à população do Porto um espectáculo visual da massa viva, forte e pujante que são os seus estudantes.


Manifestações da Queima das Fitas

a) Monumental Serenata

Tradicionalmente realizada no átrio da Sé do Porto, ao badalar da meia-noite, é com ela que abre oficialmente a Semana da Queima. É uma boa oportunidade para ver a Sé coberta por um manto negro, composto pelas capas de milhares de estudantes que aí se concentram. Não se batem palmas. A única forma de aplaudir é através da agitação das pastas, exibindo os grelos e as fitas. Normalmente, as Serenatas Monumentais são compostas por seis fados e duas variações.

b) Missa de Bênção das Pastas

Trata-se de uma bênção para a vida profissional que se aproxima, pois esta época representa o intermédio entre a vida estudantil e a profissional. Nesta cerimónia a pasta é benzida (depois de assinada) para ser guardada como recordação da vida académica. É ela que acompanha o antigo estudante nas reuniões de antigos alunos e no carro dos antigos alunos, caso queira integrar o Cortejo.

c) Imposição das Insígnias

Os professores escolhidos como padrinhos põem a cartola e bengala aos finalistas e passam-lhes simbolicamente as fitas pelo fogo saído de um penico. Estes põem as fitas aos novos fitados e estes, por sua vez, põem o grelo aos novos grelados. Em circunstâncias normais, a mesa é constituída por professores da mesma instituição de ensino.

d) Serrote

Trata-se de uma sequência de «sketches», em forma de crítica ou de elogio, normalmente alusivos aos professores e à vida académica. Desde que sejam feitos com o devido respeito e de forma inteligente, normalmente nenhum professor leva a mal. Pelo contrário, até acham piada.

e) Cortejo

É através desta manifestação que a Academia anda de braço dado com a cidade do Porto. Milhares de estudantes saem para a rua mostrando o orgulho que têm em pertencer à Academia do Porto. Dezenas e dezenas de carros alegóricos desfilam pela cidade com os seus fitados lá dentro. Os cartolados seguem à frente de todos os carros, a pé. A abrir o Cortejo vão os carros dos antigos alunos.Os restantes alunos devem seguir atrás dos carros das respectivas instituições.

f) Sarau Cultural

É o auge cultural da Queima das Fitas.

g) Baile de Gala

Apesar de ser criticado por ter um «sentido elitista», esta manifestação perdura pelo seu carácter de «despedida em grande». As «estrelas» são os finalistas e a primeira valsa é sempre dedicada a eles. Apenas devem ser permitidos vestidos de baile, para as senhoras, e traje académico a rigor, casaca ou smoking, para os cavalheiros.

h) Rally Papper

Esta é uma realização mais moderna da Queima das Fitas. O automobilismo tem bastante sucesso entre a juventude e o Rally Papper consegue mobilizar muitos estudantes que querem provar a sua perícia ao volante.

i) Garraiada

É uma ocasião em que o estudante aproveita para medir forças junto ao touro, aproveitando para se divertir um pouco.

j) Chás dançantes

Quem disse que tudo que é festa de estudantes tem de ser barulhenta? Esta manifestação é uma forma tradicional de festa em que predomina a calma num ameno chá.

l) Fim de Festa

O último sopro de folia da Queima das Fitas. É aqui que se aproveita a ocasião para proceder à entrega dos prémios respectivos aos concursos realizados.

Além destas, realizam-se muitas mais manifestações no âmbito da Queima das Fitas, sendo as mais variadas de instituição para instituição.
 


 

A Cache

A cache foi colocada no Parque da Cidade, nas traseiras do "Queimódromo" que acolhe os festivais da festa da Queima das Fitas no Porto. O passeio até ao local é agradável de se fazer, seja onde for que deixe o carro. A cache é de tamanho regular envolta num saco preto, certifique-se que a deixa da mesma forma, segura, e pronta para novas visitas.

Ao longo deste ano de Geocaching temos vindo a recolher uma serie de fitas nas caches que visitamos e surgiu então a ideia de criar uma cache temática, onde o visitante pode efectuar troca de fitas. Convidamos então a deixar uma e a levar consigo outra, não deixando na cache qualquer outro tipo de objectos.

Por favor não leve o titulo a peito - não as queime!

Boa "Cachada" !!!
 

Additional Hints (Decrypt)

Cbe geáf qn crqen - Fcbvyre

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.