Skip to Content

This cache has been archived.

ajsa: Apesar das indicações existentes sobre qual o melhor acesso a fazer para alcançar a cache, as pessoas insistem em optar pelos caminhos incorrectos.
Como já não tenho paciência para aqui estar sistematicamente a explicar o que já foi explicado, acho que chegou a altura de cortar o mal pela raiz.

Arquive-se.

Tentarei lá passar nos próximos meses para recolher o contentor.
Obrigado a todos, até sempre!

More
<

Aljustrel

A cache by ajsa & golfinha Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 08/08/2008
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Aljustrel
           
         Quem pensa numa localidade Alentejana imagina um povo que vive da exploração agrícola e pecuária. Aljustrel, bem no coração do Baixo Alentejo, foge um pouco a este cenário e diferenciou-se dos restantes concelhos alentejanos através da sua tradição mineira, que remonta à época romana.

         Em Aljustrel existem diversas explorações de óxidos de ferro e manganês representadas por pequenas cortas e galerias abandonadas. A ocorrência deste tipo de explorações é algo esparsa e está representada pela existência de hematite (Fe2O3) e pirolusite (MnO2) claramente associadas a níveis de jaspes, chertes, xistos borra-de-vinho e xistos siliciosos da Formação do Paraíso do topo do Complexo Vulcano-Sedimentar. As zonas de oxidação e de enriquecimento supergénico destes jazigos foram exploradas essencialmente durante o séc. XIX por pequenas companhias de carácter familiar. Na região de Aljustrel este tipo de actividade levou entre 1869 e 1873 à constituição das seguintes concessões mineiras: abeço do Moinho, Herdade de Monte Ruas, Serra dos Feitais, Cerro da Cabeça do Homem, Malpique, Nossa Senhora do Castelo, Moinho Velho, Penedões, Mangancha, Moinho de Vale S. João e Sto. Antão.

         Ricas em filões de pirite, as minas foram exploradas ao longo dos séculos com o intuito de extrair cobre, enxofre e outros metais. Do conjunto de explorações, destacam-se as minas de São João do Deserto e dos Algares, como as mais antigas, e as de Feitais e do Moinho, as mais recentes.

         Aljustrel não é apenas terra de mineiros, existem à sua volta cerca de 15 moinhos de vento que apesar da grande maioria encontra-se ao abandono, existe um numa elevação a sul do centro da povoação com panorâmicas sobre a vila e o seu complexo mineiro que se encontra em bom estado de conservação – o Moinho do Maralhas.

             Anyone who thinks about a village from Alentejo imagines farmers that live from agriculture and livestock. Aljustrel, right between the heart of the Lower Alentejo, falls off a little bit from this scenario and differed from other Alentejan counties through its mining tradition, dating back to Roman times.

         In Aljustrel exists several explorations of oxides of iron and manganese represented by small and short abandoned galleries. The occurrence of such holdings is somewhat sparse and is represented with the presence of hematite (Fe2O3) and pirolusite (MnO2) clearly associated with levels of jaspes, chertes, schists-of-wine lees and siliceous schists from the Formação do Paraíso from the top of the Complex Vulcano-Sedimentar. The zones of oxidation and supergetic enrichment of these deposits have been exploited mainly during the nineteen century by small family companies. In the Aljustrel region this type of activity took place between 1869 and 1873 and led to the establishment of following mining concessions: Cabeço do Moinho, Herdade de Monte Ruas, Serra dos Feitais, Cerro da Cabeça do Homem, Malpique, Nossa Senhora do Castelo, Moinho Velho, Penedões, Mangancha, Moinho de Vale S. João e Sto. Antão.

         The mines, really riches in pyrite lodes, have been exploited over the centuries in order to extract copper, sulphur and other metals. From the group of explorations, we highlight the mines of São João the Deserto and the Algares, as the oldest, and the Feitais and the Windmill, as the most recent.

         Aljustrel is not only land of mining, there are around it about 15 windmills in that despite the vast majority has been abandoned, there is one in an elevation south of the center of town with panoramic views of the town and its mining complex which is in good repair - the Windmill of Maralhas.

           
ATENÇÃO     ATTENTION
           
Por favor, deixem a cache bem camuflada.     Please, leave the cache well hidden.

Additional Hints (No hints available.)



Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.