Skip to content

This cache has been archived.

AnakinPt: O local final da cache agora estava com uma cerca e por isso foi arquivada. Brevemente irei colocar uma nova cache para poderem apreciar esta aldeia.

More
<

Passeio por Peraboa

A cache by AnakinPt Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 09/12/2008
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Peraboa

A dezasseis quilómetros da sede do concelho, a freguesia de Peraboa encontra-se na margem esquerda do rio Zêzere. É composta pelos lugares de Castanheira de Baixo, Castanheira de Cima, Lomba do Freixo, Peraboa, Quintas da França e Quintas da Serra.

A freguesia foi um priorado da apresentação do cabido da Sé da Guarda. Aliás, a Sé da Guarda, pode-se dizer, que esteve na génese da criação de Peraboa. É que os primeiros artistas que, na povoação, partiram pedra e trabalharam para a construção daquela catedral, foram os mesmos que se responsabilizaram pela edificação das primeiras habitações de Peraboa. Assim, começou a desenvolver-se a terra cujo povoamento tinha começado muito antes.

Ou seja, durante o período neolítico. Deste, foram achados alguns vestígios arqueológicos, que comprovam de forma efectiva as afirmações produzidas.

Em relação à toponímia e segundo um licenciado em história ligado a Peraboa será Pera - pedra antiga, milenária e Boa - pedra sagrada, e virá da presença na região dum dólmen ou anta que dá o nome à Quinta da Anta. Pelo que o nome Peraboa virá de pedra antiga sagrada. A versão popular, no entanto, é bem diferente deste. Na crença do povo, Peraboa provém da pedra boa, a tal que foi utilizada na Guarda. Outra opinião, mas de Alexandre Carvalho Costa, estudioso deste fenómeno, aponta o fruto - as pêras - como estando na base do nome que foi dado à freguesia.

Quanto aos outros lugares de Peraboa, é evidente o sentido vegetal de grande parte delas, Castanheira é óbvio, Lomba do Freixo tem a ver com um acidente orográfico do terreno de Peraboa, Freixo com a respectiva planta, Quintas da Serra tão óbvia como a primeira.

Ficou tristemente famosa, em Peraboa, uma terrível tempestade que aqui ocorreu na segunda metade do século passado. Os mais velhos, que hoje já não estão cá para contar o que viram, transmitiram ainda, durante várias gerações, os tremendos acontecimentos daquela época.

À falta de depoimentos directos, recorremos a Pinho Leal, que na obra "Portugal Antiga e Moderna" conta em pormenor como tudo aconteceu: "No dia 24 de Agosto de 1869, pelas duas e meia horas da tarde, passou sobre esta freguezia e a de Caria, uma furiosíssima e medonha trovoada, que aterrou todas as povoações circunvizinhas.

Foi um verdadeiro cyclone terrestre. Tomou depois a direcção da serra da Estrella, passando sobre a Covilhan, deixando atraz de si a desolação e a ruina.

Na frente d'aquella negra e immensa aglomeração de nuvens, grandes bandos de pássaros, acossados pela tempestade, fugiam espavoridos, em columnas cerradas. As casas tremiam desde os alicerces; a chuva de pedra, impellida pelo vento, derrotou vinhas, pomares, searas, olivaes, hortas, arvoredos, etc., causando prejuízos de muitos contos de réis, e deixando muitas famílias reduzidas à miséria.

Quasi todos os vidros das janellas foram esmigalhados, pois que a saraiva era do tamanho de ameixas, chegando, na sua maior parte, a passar cinco oitavas cada pedra.
O Zêzere cresceu repentinamente, e na fúria da sua impetuosa corrente, arrebatou noras, gados, e searas de milho e legume, sem deixar vestígios de sementeira. As pombas e outras aves, que andavam no ar, cahiam como fulminadas.

Em Peraboa, um redemoinho de vento arrebatou um homem, levantando-o, e arremessando-o a 100 metros de distancia, sem que, como tudo, elle sofresse outro incomodo, alem do susto".

Em termos de património, que ao que parece não foi afectado por tamanha tempestade, refere-se em primeiro lugar a capela dedicada a Nossa Senhora das Preces. Totalmente talhada em cantaria, foi oferecida à paróquia pelos seus primitivos proprietários, os Duques de Lafões. Quanto à igreja matriz, é grande e de imponente prospecto exterior. Construída na época dos Filipes (finais do século XVII/inícios do século XVIII), tem um altar-mor em talha riquíssima e dois retábulos em pedra. Encima a porta principal uma imagem da Senhora do Cabeço, à volta da qual circula uma curiosa lenda. Este templo sofreu obras de beneficiação há cerca de 30 anos, e mais recentemente no fim do ano de 1997.

Actualmente, os habitantes que vivem na freguesia, quase toda a população activa trabalha fora, na Covilhã e outras localidades mais próximas.

Na agricultura, só os grandes lavradores ou então lavradores idosos que tratam os seus próprios terrenos. No que respeita às culturas produzidas, destaca-se a vinha e o azeite, na pecuária, o gado ovino e bovino. A indústria vai crescendo, com diversificação, e o comércio serve como pode a sua população. Peraboa assume-se, assim, como uma terra de prosperidade, a prova é o seguinte excerto de uma determinada homenagem à terra num jornal local recente: "Peraboa é uma aldeia ignorada por muitos, mas amada por todos os seus filhos, que poderá ser próspera e risonha, se todos se unirem numa só fraternidade".

in "Câmara Municipal da Covilhã"

A Cache

Esta cache vai levá-lo a passear pelas ruas de Peraboa permitindo assim conhecer esta pequena aldeia. Irá passar pelos locais principais da aldeia.

O ponto inicial está no largo da Junta de freguesia onde podem deixar o carro. O trajecto pode ser facilmente efectuado a pé, podendo demorar mais ou menos 30 minutos.

A cache é de tamanho Pequeno e continha no início um logbook e um lápiz.

Como chegar

Do norte

Devem vir pela A23 na direcção Guarda-Lisboa e sair na saída para Caria. Depois é só entrar na vila e seguir essa estrada até aparecer a indicação para Peraboa (mais ou menos 6 KM entre Caria e Peraboa)

Do Sul

Devem vir pela A23 na direcção Lisboa-Guarda e sair na primeira saída para a Covilhã. Na saída devem seguir as indicações Tortosendo/Fundão (sim, andar para trás, mas pouco) e depois seguir as indicações para Ferro/Peraboa.

Qual o número da porta?
Resposta: A
Coordenada para o Ponto 2:
N 40º15.4(A-6)(A-5)
W 007º23.2(A-5)(A-1)

Additional Hints (Decrypt)

[PT]Ab zheb rz seragr nb cvyne prageny.
[EN]Va gur jnyy va sebag bs pragre cbyr.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.