Skip to Content

Multi-cache

Villa Romana da Tourega (Roman Villa of Tourega)

A cache by Coiote Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 10/4/2008
In Évora, Portugal
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Atenção: Não procure nas ruínas para não as danificar, a cache não está la... mas está perto! Entregue a chave antes de ir procurar a cache final.

NÃO É PRECISO SALTAR NENHUMA VEDAÇÃO!

 

Attention: Don't search in the ruins to avoid damaging them, the cache isn't there... but is close! Deliver the key before you go search for the final cache.

IT'S NOT NECESSARY TO JUMP ANY FENCE!

 

A Villa Romana de Tourega está situada na freguesia de Nossa Senhora da Tourega, pertencente ao histórico concelho de Évora, na imensa planície Alentejana.

Esta é uma região de ocupação humana desde remotos períodos, com diversos vestígios megalíticos nas redondezas, e terá sido uma importante “villa” Romana com um amplo complexo termal, ocupada desde meados do século I até finais do século IV d.C.
Esta Villa estava situada no importante território de Ebora Liberalitas Julia, , junto à estrada romana para Salacia (Alcácer do Sal), e teria sido património de uma classe senhorial ligada à exploração da terra.
Já no século IV a villa ocuparia uma área de cerca de 500 m2, com termas duplas, para ambos os sexos, com salas e tanques de banhos frios e quentes. Restam hoje três tanques de banhos, de planta rectangular, construídos por muros de argamassa, tendo o mais largo 24,5 metros de comprimento e sobre 4,6 metros de largura.

Os anos de 1985, 1986 e 1987, foram de grande importância para este sítio devido a terem sido retomadas as intervenções arqueológicas. A partir de 1988 e até 1996, foi elaborado o "Projecto de Investigação da Villa Romana de Tourega" da Universidade Lusíada e da Fundação Calouste Gulbenkian. Os trabalhos levados a cabo centraram-se na zona das termas onde foi encontrado um corredor que dava acesso a um edifício com salas e tanques para banhos frios ou quentes e um outro de maiores dimensões para armazenamento de água.

A escavação do edifício principal pôs a descoberto três fases diferentes de construção. Na primeira fase, situada a norte, pode-se observar apenas um hipocausto e a respectiva fornalha. Crê-se que esta fase corresponda a meados do séc. I D.C. ou posterior a este. Sobre esta primeira fase foram construidos vários tanques, uma sala com mosaicos e uma fonte e ainda outras salas com piscinas e os respectivos canos de leva e escoamento das águas. Os registos arqueológicos apontam para a hipótese de estas salas terem sido decoradas com mármore resultando num espaço amplo e funcional, possivelmente a parte nobre das termas aqui referidas. Uma outra sala foi descoberta sem qualquer ligação às outras salas. Esta sala era um tepidarium que conduzia a um caldarium mais a sul. Actualmente perdeu-se a continuação deste segundo complexo, pois construiu-se por cima uma nova sala. Esta fase de construção (finais do séc. III D.C. ou princípio do IV D.C.), mostra dois conjuntos independentes de termas, ou seja, termas duplas. O problema consiste em saber a quem eram destinados. Um destinado aos homens e outro às mulheres? Ou um pertencente à familia do proprietário e o outro aos seus dependentes? Uma questão pertinente que aqui fica lançada.

Novas salas e tanques foram construídas a oeste e a sul durante o séc. IV D.C. Este período corresponde à 3ª fase. Neste ponto coloca-se uma nova questão: o que aconteceu durante este período à parte norte das termas? Provavelmente mantiveram-se ambas em actividade. A leste do edifício existe um grande tanque cuja principal função seria o armazenamento de água para abastecer os tanques das termas.

Os trabalhos de conservação e informação proporcionam uma visita agradável. Estes trabalhos contribuiram para restaurar o valor que Tourega tivera outrora.

 

 

A cache

 

A cache indicada nas coordenadas situa-se no interior do recinto sendo esta uma micro-cache que contém as coordenadas do logbook!

Para se chegar até à micro-cache tem que se pedir uma chave para abrir a porta que dá para as ruínas. A chave pede-se na única casa ali existente habitada por pessoas idosas. Logo esta cache não pode ser feita durante a noite por motivos óbvios. Mas não se acanhe, as pessoas são bastante simpáticas e comunicativas. Espero que goste deste sitio! :)

POR FAVOR esconda bem as caches pelos motivos que já deve saber!

 

 

The cache

 

The cache indicated in the coordinates is inside the villa being this a microcache that contains the coordinates of the logbook!

To reach it you have to ask for a key to open the door that leads to the ruins. The key is asked  in the only existing house inhabited there by aged people. So this cache cannot be made during night for obvious reasons. But don’t be shy, the people are very nice and communicative. I hope you enjoy this place! :)

PLEASE, hide carefully the caches for the reasons you already know!

 

 

 

 

 

 

 

 

free counters

Additional Hints (No hints available.)



 

Find...

141 Logged Visits

Found it 125     Didn't find it 7     Write note 8     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 67 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 11/15/2017 3:38:51 PM (UTC-08:00) Pacific Time (US & Canada) (11:38 PM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page