Skip to Content

This cache has been archived.

Blue_Trekkers: Já lá estamos para ir há muito tempo mas nunca dá jeito, isso aliado à necessidade constante de manutenção desta cache dita que deixemos o local a quem tenha mais disponibilidade para lá manter uma cache.

Para quem teve dificuldade em encontrar ou não teve oportunidade de o fazer, o container era um caracol magnético (uma casca a sério mesmo).

More
<

Trafaria - terra de pescadores

A cache by Blue Trekkers Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 12/16/2008
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Trafaria - terra de pescadores



A história da Trafaria

Antiga povoação piscatória situada na margem esquerda da foz do rio Tejo, Trafaria foi desanexada da freguesia da Caparica a 7 de Outubro de 1926, e elevada a sede da freguesia por Dec. Lei, passando à categoria de vila em 9 de Julho de 1985. Em 2001, esta freguesia tinha cerca de 5940 habitantes. Ao que tudo indica a origem da Trafaria remonta a um pequeno aglomerado de pescadores, sendo hoje aliás uma das actividades da população da Trafaria, se bem que em número reduzido.

Muito embora ainda não esteja bem definida a origem da etimologia da palavra Trafaria, várias hipóteses têm sido levantadas por alguns historiadores e investigadores.

Frei João de Sousa, na sua obra "Vestígios da Língua arábica em Portugal", afirma que a palavra Trafaria é oriunda do vocábulo árabe Tarifa que significa “cousa extrema", final ou última.

Outra hipótese é alvitrada por A. Baldaque da Silva que, em seu entender, Trafaria foi em tempos o principal porto de pesca da margem Sul, sendo a principal arte piscatória no Tejo, nessa época, a Tarrafa. Como este meio de pescar era muito lucrativo, vinham bastantes pescadores de Setúbal apanhar pescado para este local, os quais, com o seu sotaque característico de carregar no "R", diziam: - Vamos A Tarrafa à ria" daí, segundo ele, a origem de Trafaria.

Conseguindo conservar o seu aspecto de terra de gente humilde e trabalhadora ao longo dos anos, Trafaria era considerada, em tempos passados, como uma das mais importantes zonas de veraneio e lazer da outra margem do Tejo.

No ano de 1901, a rainha D. Amélia (esposa do rei D. Carlos I) deslocou-se à Trafaria com o objectivo de inaugurar a primeira colónia balnear que existiu em Portugal.

Possuidora de uma agradável praia, esta viria, porém, a decair na preferência dos veraneantes em meados dos anos 40, altura em que as praias do mar da Costa de Caparica passaram a ser mais atractivas e preferidas.

Em 1565 (7 de Agosto), o cardeal D. Henrique, mandou edificar na Trafaria um Lazareto destinado às quarentenas.

O forte da Trafaria

Situado entre o extremo oeste da arriba e o pequeno ribeiro da Raposeira, este edifício militar foi erigido em meados de 1683, durante o reinado de D. Pedro II. Não sendo possuidor de grande história militar, desempenhou, contudo, para além de fortificação de defesa da costa marítima da barra do Tejo, as funções de Lazareto, hospital de quarentena até ao ano de 1820, altura em que foi desocupado. Beneficiando entre os anos de 1829 a 1831 de obras de reparação, o forte da Trafaria passaria a presídio militar até ao fim das lutas liberais. Mais tarde foi novamente reocupado pelo Estado e, durante o reinado de D. Manuel II, sofre sucessivas obras de adaptação a presídio militar. É nessa altura que a sua ermida, dedicada a Nª Sª da Saúde, é restaurada, não se tomando mais em salão de culto. Encontrando-se, presentemente, em constante degradação, conservando, porém, ainda o seu aspecto exterior. Mais tarde, sob administração da Marinha, o forte passaria a desempenhar funções de presídio militar, transitando, depois, para a tutela do Exército.

O incêndio de Janeiro de 1777

Entre os vários eventos históricos que ocorreram nesta pitoresca povoação do concelho de Almada, conta-se o celebre incêndio da Trafaria, em 23 de Janeiro de 1777. Corriam em 1776 rumores de guerra entre Portugal e a Espanha, verificando-se um grande recrutamento por parte do Governo. Nessa época consta-se que a Trafaria representava um importante centro de refúgio de malandragem e desertores que procuravam escapar aí à Lei. Ao saber desse facto, o Marquês de Pombal mandou sob sua ordem e mando o famoso intendente Pina Manique, com 300 soldados, ao cair da noite, cercar e pôr fogo à povoação e prender todos os fugitivos. Este acto de grande crueldade, continua, ainda hoje, passados tantos anos, envolto em muitas contradições históricas.

A Cache

A cache vai leva-lo num passeio pela Trafaria na recentemente requalificada zona ribeirinha, onde pode encontrar os mais famosos restaurantes da zona.

Deste local pode contemplar a baía da Trafaria e todas as embarcações de pesca tradicional aí existentes. Infelizmente, e apesar da pressão dos habitantes, os silos ainda laboram provocando imensa poluição acústica.

Sejam muito discretos na busca da cache já que estão sempre pescadores na zona.

Additional Hints (Decrypt)

fragn-gr ab nygb r ncerpvn n ivfgn - znf cebphen cbe onvkb;
fvg ng gur gbc naq rawbl gur ivrj - ohg frnepu oryybj

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

157 Logged Visits

Found it 105     Didn't find it 28     Write note 9     Archive 2     Unarchive 1     Temporarily Disable Listing 3     Enable Listing 2     Publish Listing 1     Needs Maintenance 1     Owner Maintenance 3     Post Reviewer Note 2     

View Logbook | View the Image Gallery of 15 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.