Skip to Content

This cache has been archived.

touperdido: Homens ofendem por medo ou por ódio.

Maquiavel

More
<

Auto da Barca do Inferno Volume II [Rio Maior]

A cache by touperdido Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 02/28/2009
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
4 out of 5

Size: Size: small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


 A data de nascimento de Gil Vicente não é muito certa, no entanto pensa-se que a data mais provável para o seu nascimento tenha sido em 1466, Sabe-se que casou com Branca Bezerra, de quem nasceram Gaspar Vicente (que morreu em 1519) e Belchior Vicente (nascido em 1505). Depois de enviuvar, casou com Melícia Rodrigues de quem teve Paula Vicente (1519-1576), Luís Vicente (que organizou a compilação das suas obras) e Valéria Borges. Presume-se que tenha estudado em Salamanca.

O seu primeiro trabalho conhecido, a peça em sayaguês Auto da Visitação, também conhecido como Monólogo do Vaqueiro, foi representada nos aposentos da rainha D. Maria, consorte de Dom Manuel, para celebrar o nascimento do príncipe (o futuro D. João III) - sendo esta representação considerada como o marco de partida da história do teatro português. Ocorreu isto na noite de 8 de Junho de 1502, com a presença, além do rei e da rainha, de Dona Leonor, viúva de D. João II e D. Beatriz, mãe do rei.

A obra de Gil Vicente transmite uma visão do mundo que se assemelha e se posiciona como uma perspectiva pessoal do Platonismo: existem dois mundos - o Mundo Primeiro, da serenidade e do amor divino, que leva à paz interior, ao sossego e a uma "resplandecente glória", como dá conta sua carta a D. João III; e o Mundo Segundo, aquele que retrata nas suas farsas: um mundo "todo ele falso", cheio de "canseiras", de desordem sem remédio, "sem firmeza certa". Estes dois mundos reflectem-se em temas diversos da sua obra: por um lado, o mundo dos defeitos humanos e das caricaturas, servidos sem grande preocupação de rigor histórico.

Auto da Barca do Inferno

Embora o Auto da Barca do Inferno não integre todos os componentes do processo dramatico, Gil Vicente consegue tornar o Auto numa peça teatral, dar unidade de acção através de um unico espaço e de duas personagens fixas " diabo e anjo".
A peça inicia-se num porto imaginário, onde se encontram as duas barcas, a Barca do Inferno, cuja tripulação é o Diabo e o seu Companheiro, e a Barca da Glória, tendo como tripulação um Anjo na proa.

Apresentam-se a julgamento as seguintes personagens:

- um Fidalgo, D. Anrique;
- um Onzeneiro (homem que vivia de emprestar dinheiro a juros muito elevados naquela época);
- um Sapateiro de nome Joanantão, que parece ser abastado, talvez dono de oficina;
- Joane, um Parvo, tolo, vivia simples e inconscientemente;
- um Frade cortesão, Frei Babriel, com a sua "dama" Florença;
- Brízida Vaz, uma alcoviteira;
- um Judeu usurário chamado Semifará;
- um Corregedor e um Procurador, altos funcionários da Justiça;
- um Enforcado;
- quatro Cavaleiros que morreram a combater pela fé.

Cada personagem discute com o Diabo e com o Anjo para qual das barcas entrará. No final, só os Quatro Cavaleiros e o Parvo entram na Barca da Glória (embora este último permaneça toda a acção no cais, numa espécie de Purgatório), todos os outros rumam ao Inferno. O Parvo fica no cais, o que nos transmite a ideia de que era uma pessoa bastante simples e humilde, mas que havia pecado. O principal objectivo pelo qual fica no cais é para animar a cena e ajudar o Anjo a julgar as restantes personagens, é como que uma 2ª voz de Gil Vicente.
A presença ou ausência do Parvo no Purgatório aquando do fim da peça acaba por ser pouco explícita, uma vez que esta acaba com a entrada dos Cavaleiros na barca do Anjo sem que existissem quaisquer outros comentários do Anjo ou do Parvo sobre o seu destino final.

Cache

As coordenadas são da entrada, no entanto devido à vegetação deverá haver um erro de 5 metros. A cache encontra-se à esquerda da entrada, junto ao chão. Não existe acesso definido até à cache, no entanto sugiro deixar o carro no estacionamento recomendado, passar o ribeiro (que dependendo da altura do ano poderá ser passado a pé) e subir a encosta, passar por baixo da ponte e seguir em direcção à cache. Dependendo do acesso utilizado existe uma grande probabilidade de encontrar lixo junto à ponte, se não se sentir confortável com isso é melhor fazer outra cache. Depois de encontrar a cache siga em frente mais 20 metros para ver mais uma interessante formação.

Advertências:

- Em situação alguma tente aceder à cache através da estrada nacional, é perigosa , muito movimentada e não tem bermas
- Com chuva, o terreno fica muito escorregadio e propício a quedas
- Não é necessário saltar vedações
- Leve roupa velha, porque certamente se romperá ou ficará suja
- Leve água e barras energéticas
- Deixe a cache exactamente da mesma forma que a encontrou


Sobre a cache com referência à obra.

"Feito, feito! Bem está! Vai tu muitieramá, e atesa aquele
palanco e despeja aquele banco, pera a gente que virá."

"Vai ou vem! Embarcai prestes! Segundo lá escolhestes,
assi cá vos contentai.
Pois que já a morte passastes, haveis de passar o rio."

"Não se embarca tirania neste batel divinal."

"Não vindes vós de maneira pera entrar neste navio. Essoutro
vai mais vazio: a cadeira entrará e o rabo caberá e todo vosso senhorio.
Ireis lá mais espaçoso, vós e vossa senhoria, cuidando na tirania do pobre
povo queixoso. E porque, de generoso, desprezastes os pequenos, achar-vos-eis
tanto menos quanto mais fostes fumoso."

"Ó barca, como és ardente! Maldito quem em ti vai!"

"Venha a negra prancha cá! Vamos ver este segredo."


Additional Hints (Decrypt)

à rfdhreqn qn ragenqn, whagb nb puãb

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

99 Logged Visits

Found it 88     Didn't find it 3     Write note 6     Archive 1     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 67 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.