Skip to Content

<

Zum, zum, zum, sou uma abelha... (CP03)

A cache by CPTeam Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 06/03/2009
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size: large (large)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:





This cache is about bees and beekeeping. If you wish to visit the cache, e-mail me and I will send you this page translated. Enjoy.


... Sempre em busca do mel!

Palavras agradáveis são como favos de mel: doces para a alma e medicina para o corpo.

(Provérbios 16:24)

 


Apicultura
é a ciência, ou arte, da criação de abelhas. A criação racional de abelhas para o lazer ou fins comerciais, pode ter como objectivo, a produção de mel, própolis, geleia real, pólen, cera e veneno. Além disso, as abelhas são importantes polinizadoras, pelo que são muitas vezes requisitadas por produtores de fruta para aumentar a sua produção de forma natural e ecológica.

Abelha é a denominação comum de vários insectos pertencentes à ordem Hymenoptera, da superfamília Apoidea, subgrupo Anthophila, aparentados das vespas e das formigas. O representante mais conhecido é a Apis mellifera, originária da Europa e é hoje a mais utilizada em todo o mundo para produção em larga escala. São insectos sociais que vivem em colónias e conhece-se a sua existência há mais de 40.000 anos.

Insecto laborioso e disciplinado, a abelha convive num sistema de extraordinária organização: em cada colmeia existem cerca de 80.000 obreiras, algumas dezenas de zangãos e uma única rainha. Esta é personagem central e mais importante da sociedade e é a única fêmea com capacidade de reprodução. O seu tamanho é quase o dobro do das obreiras, e sua única função do ponto de vista biológico é a postura de ovos. Nasce de um ovo fecundado, e é criada numa célula especial - diferente dos alvéolos hexagonais que formam os favos - numa cápsula denominada alvéolo real, na qual é alimentada pelas obreiras com a geleia real, produto riquíssimo em proteínas, vitaminas e hormonas. A geleia real é o alimento único e exclusivo da rainha, durante toda sua vida. A partir do nono dia, ela já está preparada para realizar o seu vôo nupcial, onde será fecundada pelos zangãos.

Os zangãos podem entrar em qualquer colmeia ao contrário das obreiras e a sua única missão é fecundar a rainha. A rainha voa o mais que pode e é fecundada pelo macho que conseguir ir ter com ela. No fim do verão, ou quando existe pouco mel na colmeia, as obreiras barram a entrada da colmeia e deixam os machos morrerem ao frio e à fome.

ANATOMIA

Pernas - A abelha, como todo o insecto é hexápode, ou seja, tem três pares de pernas. Utiliza o primeiro para limpar as antenas, protegendo-as da poeira. O segundo serve de apoio para o seu corpo e o terceiro par é chamado de pernas coletoras, e servem para transportar pólen. Na tíbia das pernas coletoras fica o reservatório para o pólen, chamado de corbícula, ou espécie de cesta. Ainda no terceiro par fica o esporão, com o qual a abelha recolhe o pólen e, cruzando as perninhas, deposita-o com a esquerda na corbícula direita e com a direita na corbícula esquerda.

Língua - A língua move-se num canal formado pelas maxilas e os palpos labiais, terminando num tufo de pêlos que, como uma esponja, absorve o nectar da flor.

Mandíbula e maxilar - São os órgãos responsáveis por amassar as escamas de cera que a abelha expele do abdomen, utilizadas depois para construir os favos. Têm também a função de abrir as anteras das flores para extrair o pólen, varrer a colmeia e mutilar os inimigos.

Antenas - Os órgãos do olfato e do tacto são extremamente sensíveis. As abelhas, farejando com as antenas na escuridão, são capazes de construir favos perfeitamente geométricos.

Ferrão - O ferrão serve para injectar o veneno no corpo do inimigo. Na fuga, a abelha quase sempre deixa o ferrão na vítima, morrendo algum tempo depois. Elas estão cientes deste facto, e por isso, o ataque despropositado é  evitado, sendo usado somente para sua protecção, da colónia e da sua rainha.

Abdomen e tórax - São os órgãos que contém os aparelhos digestivo (faringe, esófago e o estômago), o circulatório e o respiratório. O sangue é incolor e circula com as contrações do coração, pela aorta e pelo vaso dorsal. Há ainda os estigmas - orifícios por onde respiram os insectos. Nos zangãos existe ainda o aparelho de reprodução masculino e a rainha tem o respectivo aparelho de reprodução feminino.

Órgãos da visão - Os olhos compostos são dois grandes olhos localizados na parte lateral da cabeça. São formados por estruturas menores denominadas omatídeos. Possuem função de percepção de luz, cores e movimentos. As abelhas não conseguem perceber a cor vermelha, mas podem perceber ultravioleta, azul-violeta, azul, verde, amarelo e laranja (Nogueira Couto & Couto, 2002). Os olhos compostos - um de cada lado da cabeça de superfície hexagonal, permite uma visão panorâmica dos objectos afastados, aumentando-os 60 vezes. Os olhos simples ou ocelos são estruturas menores, em número de três, localizadas na região frontal da cabeça formando um triângulo. Não formam imagens. Têm como única função detectar a intensidade luminosa.

Asas - As asas são formadas por duas membranas superpostas, reforçadas por nervuras ramificadas. Os pares traseiros são menores e munidos de ganchinhos, com os quais a abelha, durante o vôo, prende as duas asas formando uma só.

SISTEMA DE DEFESA E APITOXINA

A obreira, preocupada com sua própria sobrevivência é encarregue da proteção da colmeia como um todo. Possui um ferrão na parte traseira para ataque em situações de suposto perigo. Ferrão esse que tem pequenas farpas, o que impede que seja retirado com facilidade da pele de alguns animais.

Quando uma abelha se sente ameaçada, utiliza o ferrão no animal que estiver por perto. Depois de dar a ferroada, tenta escapar e, por causa das farpas, a parte posterior do abdómen (onde se localiza o ferrão) fica presa na pele do animal e a abelha perde uma parte do intestino, morrendo posteriormente. Já ao picar insectos, a abelha muitas vezes consegue retirar as farpas da vítima e ainda sobreviver.

A ferroada da abelha no ser humano é muito dolorosa, e a sensação instantânea é semelhante à de levar um choque de alta voltagem. O seu ferrão é unido a um sistema venenoso que faz com que a pele da vítima inche levemente na região (cerca de 2 cm ao redor), podendo ficar avermelhada, dorida e com comichão por até dois dias.

Apesar disso, o veneno (baseado em Apitoxina) não causa maiores danos. Este veneno é produzido por uma glândula de secreção ácida e outra de secreção alcalina embutidas dentro do abdômen da abelha obreira. O veneno, em concentração visível, é semi-transparente, de sabor amargo e com um forte odor. Pode ser usado com valor terapeutico e tem alguns efeitos positivos na região em que for injectado. O veneno pode ser também um perigo grave ou mortal em grande quantidade para quem é alérgico à sua composição.

COLMEIA

Colmeia é o nome dado a uma colónia de abelhas ou, mais vulgarmente ao abrigo construido para e pelas abelhas.

Desde tempo remotos, são utilizados materiais diversos como é o caso da palha e barro crú, no antigo Egipto, até troncos de àrvore escavados, como é o caso dos paises latino-americanos. Nos paises nórdicos eram usadas colmeias de verga.

Com o aumento da procura de produtos apícolas, houve uma evolução natural na forma como eram construidas as colmeias. Hoje em dia, uma colmeia moderna consegue produzir mel a um ritmo muito superior ao das suas antecessoras pelo simples facto de os favos serem reaproveitados. Estes favos estão colocados num quadro de madeira e devidamente arrumados dentro de uma caixa, também de madeira para permitir a eficiente circulação de ar. Existem algumas medidas standard, mas os modelos mais utilizados em Portugal são a colmeia Lusitana e a Reversível. A grande vantagem destes sistemas, para além do reaproveitamento dos quadros é o facto de ser possível aumentar o tamanho da colmeia à medida das necessidades, bastando para isso colocar outra "caixa" por cima. Assim, a necessidade de espaço da colónia, que varia com o nivel de floração existente, pode ser satisfeita alargado o espaço disponível, evitando deste modo a enxameação, que ocorre quando a população excede os limites máximos da colmeia e a rainha parte com cerca de metade das abelhas à procura de outro local para estabelecer uma nova colónia.

Por outro lado, a standardização dos equipamentos permite a mecanização de algumas tarefas, como é o caso da extracção do mel dos favos sem ter que os destruir. Os quadros são centrifugados de modo a que o mel seja retirado do interior dos alvéolos sem qualquer contacto fisico.

A CACHE
As coordenadas publicadas são do estacionamento recomendado. O objectivo desta cache é dar-vos a conhecer a apicultura de uma forma engraçada, e "prática" .

Para obter as coordenadas da cache têm de aprender algo sobre este laborioso insecto e responder a algumas perguntas:

a) Quando a rainha morre:
    0 - as obreiras "fazem" uma nova rainha.
    1 - a colónia morre com ela.
    2 - as abelhas juntam-se a outra colmeia.

b) A partir de que dia de vida, a abelha tem como função alimentar as larvas mais velhas?
    4 - Quatro dias
    5 - Doze dias
    6 - Nunca faz esse trabalho

c) Quantas semanas vive uma abelha no verão?
    4 - Duas semanas
    5 - Quatro semanas
    6 - Seis semanas

d) Uma rainha adulta, saudável e bem alimentada pode produzir até:
    3 - 500 ovos por dia
    4 - 3.000 ovos por dia    
    5 - 15.000 ovos por dia

e) Antigamente as colmeias em Portugal eram feitas de:
    3 - Corda
    5 - Barro
    7 - Cortiça

f) O antigo nome da vila de Proença-a-Nova era:
    5 - Proença-a-Velha
    6 - Colmeal
    7 - Cortiçadas

As coordenadas da cache são N 39º 46.abc  W008º 00.def

O local da cache foi escolhido com base em vários factores:
- Naquele local esteve instalado um apiário durante alguns anos, estando actualmente desactivado. O apicultor tem autorização para lá colocar colmeias, autorização essa que foi extendida para esta cache.
- Como constatarão no local, o terreno não é fácil e tentem imaginar como é lá chegar com uma colmeia que tem um peso aproximado de 40kg com abelhas e levada por uma só pessoa. Isto demonstra quão duro é este trabalho.
- A visita com crianças é aconselhada desde que MUITO bem vigiadas. Existe um desnível a poucos metros da cache que se pode tornar perigoso. Tenham cuidado!

POR FAVOR NÃO REVELEM FOTOS DO CONTAINER!!!

Podem confirmar as coordenadas no Geochecker

Additional Hints (Decrypt)

[PT] Cõr-gr an cryr qr hz ncvphygbe.
[EN] Cergraq gb or n orrxrrcre.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

70 Logged Visits

Found it 56     Didn't find it 5     Write note 7     Publish Listing 1     Needs Maintenance 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 20 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.