Skip to Content

<

Sebastião da Gama, o poeta e o professor [Setúbal]

A cache by Bolacha & MightyReek Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 08/23/2009
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation

Sebastião da Gama, o poeta e o professor

Poeta português, nasceu em Vila Nogueira de Azeitão, a 10 de Abril de 1924.
Concluiu o curso de Filologia Românica na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa em 1947, e ainda nesse ano iniciou a sua actividade de professor, que exerceu em Lisboa, Setúbal e Estremoz. Foi colaborador das revistas Árvore e Távola Redonda.
Sebastião da Gama ficou para a história pela sua dimensão humana, nomeadamente no convívio com os alunos, registado nas páginas do seu famoso Diário (iniciado em 1949). Literariamente, não esteve dependente de qualquer escola, afirmando-se pela sua temática (amor à natureza, ao ser humano) e pela candura muito pessoal que caracterizou os seus textos.
Atingido pela tuberculose, que causaria a sua morte precoce, passou a residir no Portinho da Arrábida, desde os 14 anos de idade e no terraço deste forte, escreveu muitos dos seus poemas, com a panorâmica serra da Arrábida a alimentar o culto pela paisagem presente na sua obra. Foi, entretanto, instituído, com o seu nome, um Prémio Nacional de Poesia.
Em 4 de Maio de 1951, celebrou o seu matrimónio com Joana Luísa, no "Conventinho da Arrábida", onde passaram também a Lua-de-mel; no Jardim de S. Pedro de Alcântara, escreveu muitos dos seus poemas; na Ermida do Senhor dos Aflitos, local por onde passava com frequência e junto do crucifixo existente no interior, nasceu o poema "Cristo".
Estreou-se com Serra Mãe, em 1945. Publicou ainda Loas a Nossa Senhora da Arrábida (1946, em colaboração com Miguel Caleiro), Cabo da Boa Esperança (1947) e Campo Aberto (1951).
Após a sua morte a 7 de Fevereiro de 1952, tinha apenas 27 anos; foram editados Pelo Sonho é que Vamos (1953), Diário (1958), Itinerário Paralelo (1967), O Segredo é Amar (1969) e Cartas I (1994).
 
Poemas:
Somos de Barro Meu País Desgraçado Toada do Ladrão
Somos de barro. Iguais aos mais.
Ó alegria de sabe-lo!
(Correi, felizes lágrimas,
por sobre o seu cabelo!)

Depois de mais aquela confissão,
impuros nos achamos;
nos descobrimos
frutos do mesmo chão.

Pecado, Amor? Pecado fôra apenas
não fazer do pecado
a força que nos ligue e nos obrigue
a lutar lado a lado.

O meu orgulho assim é que nos quer.
Há de ser sempre nosso o pão, ser nossa a água.
Mas vencidas os ganham, vencedores,
nossa vergonha e nossa mágoa.

O nosso Amor, que história sem beleza,
se não fôra ascensão e queda e teimosia,
conquista... (E novamente queda e novamente
luta, ascensão... ) Ó meu amor, tão fria,

se nascêramos puros, nossa história!

Chora sobre o meu ombro. Confessamos.
E mais certos de nós, mais um do outro,
mais impuros, mais puros, nós ficamos.
Meu país desgraçado!...
E no entanto há Sol a cada canto
e não há Mar tão lindo noutro lado.
Nem há Céu mais alegre do que o nosso,
nem pássaros, nem águas ...

Meu país desgraçado!...
Por que fatal engano?
Que malévolos crimes
teus direitos de berço violaram?

Meu Povo
de cabeça pendida, mãos caídas,
de olhos sem fé
— busca, dentro de ti, fora de ti, aonde
a causa da miséria se te esconde.

E em nome dos direitos
que te deram a terra, o Sol, o Mar,
fere-a sem dó
com o lume do teu antigo olhar.

Alevanta-te, Povo!
Ah!, visses tu, nos olhos das mulheres,
a calada censura
que te reclama filhos mais robustos!

Povo anêmico e triste,
meu Pedro Sem sem forças, sem haveres!
— olha a censura muda das mulheres!
Vai-te de novo ao Mar!
Reganha tuas barcas, tuas forças
e o direito de amar e fecundar
as que só por Amor te não desprezam!
A mim não me roubaram
Porque eu nada tinha.
Mas roubaram tudo
À minha vizinha.

Vejam os senhores:
Roubaram-lhe a ela
A filha mais grácil,
A filha mais bela.

Nem na sua casa,
Nem na freguesia,
Sequer no concelho,
Melhor não havia.

Prendada, bonita...
E depois... uns modos
De matar a gente,
De prender a todos.

Dizia a vizinha
Que era o seu tesoiro;
Que valia mais
Que a prata e que o oiro.

Que a não trocaria
Por coisa nenhuma;
Que filhas assim
Só havia uma.

Pois hoje um ladrão
Que há muito a mirava
Entrava-lhe em casa
Para sempre a levava.

É a minha vizinha
Dona de solares
E de longas terras
Com rios e pomares.

E de jóias raras
Que ninguém mais tinha,
Ei-la num instante
Pobrinha... pobrinha...

(Tem pomares ainda,
Tem jóias, tem oiro...
Mas de que lhe servem
Sem o seu tesoiro?)

- Vizinha e senhora,
Não me queira mal!
Se há ladrões felizes
Sou o mais feliz
Que há em Portugal.
 
Os que Vinham da Dor Oração de Todas as Horas
Os que vinham da Dor tinham nos olhos
estampadas verdades crudelíssimas.
Tudo que era difícil era fácil
aos que vinham da Dor diretamente.

A flor só era bela na raiz,
o Mar só era belo nos naufrágios,
as mãos só eram belas se enrugadas,
aos olhos sabedores e vividos
dos que vinham da Dor diretamente.

Os que vinham da Dor diretamente
eram nobres de mais pra desprezar-vos,
Mar azul!, mãos de lírio!, lírios puros!
Mas nos seus olhos graves só cabiam
as verdades humanas crudelíssimas
que traziam da Dor diretamente.
Agora,
que eu já não sei andar nas trevas,
não me roubes a Tua Mão, Senhor,
por piedade!
Voltar às trevas não sei,
e sem a Tua Mão não poderei
dar um só passo em tanta Claridade.

Pelas Tuas feridas minhas, pelas tristezas
de Tua Mãe, Jesus.
não me deixes, no meio desta Luz,
de pernas presas...

Não me deixes ficar
com o Caminho todo iluminado
e eu parado e tão cansado
como se fosse a andar ...
 
O poeta sempre foi um defensor da Arrábida, como podem ver na carta enviada ao Eng.º Miguel Neves a propósito da destruição da "mata do Solitário"

Esta carta viria a constituir-se como acto fundador da liga para a protecção da natureza (1948).
Três décadas depois é delimitado o Parque Natural da Arrábida, estendendo-se por uma área de 10.821 hectares nos concelhos de Setúbal, Palmela e Sesimbra. Foi criado pelo decreto lei 622/76, de 28 de Julho, constituindo-se, pela mesma altura, como reservas integrais as matas do Solitário, do Vidal, da Coberta e da Pedra da Anicha. Dada a sua relevância, o Conselho da Europa declarou todo este espaço como reserva biogénica anexando-o às Redes Internacionais de Conservação.
Devido ao seu forte interesse faunístico que urge preservar, todo este território foi ainda distinguido com a classificação de "Sitio de especial interesse para a conservação da Natureza - Biótopo CORINE".

Em 9 de Junho de 2007, o presidente da república, Aníbal Cavaco Silva, inaugura o monumento a Sebastião da Gama, cerimónia incluída no programa das comemorações do dia de Portugal e das comunidades portuguesas, que nesse ano se realizaram em Setúbal.
O monumento é um projecto da Associação Cultural Sebastião da Gama, cujo dirigente, João Reis Ribeiro revela que "houve, desde o início, uma grande abertura da Presidência da República à proposta".
A ideia de construir um monumento dedicado ao poeta da Arrábida há muito que circulava entre amigos e conhecidos de Sebastião da Gama. O impulso para a sua concretização aconteceu com a criação da Associação Cultural Sebastião da Gama, em 2006, que, e desde logo, apontou o corrente ano para a sua inauguração.
Isto porque passaram sessenta anos sobre três datas importantes para Sebastião da Gama. Em 1947, começou a sua carreira como professor na Escola Industrial e Comercial João Vaz, que hoje tem o seu nome. Nesse mesmo ano, publicou o seu segundo livro de poemas, intitulado “Cabo da Boa Esperança”, e assumiu publicamente a defesa da Mata do Solitário na Serra da Arrábida, iniciativa que deu origem à criação da Liga para a Protecção da Natureza no ano seguinte.
Tudo razões, refere João Reis Ribeiro, que ajudam a compreender Sebastião da Gama, definindo-o como “um cidadão poeta com intervenção na vida pública”.
A Associação Cultural Sebastião da Gama anunciou já os nomes que integram a Comissão de Honra do monumento a Sebastião da Gama, da qual fazem parte, entre muitos outros, personalidades como o ex-presidente da República, Mário Soares, a ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, Maria Teresa Almeida, Governadora Civil de Setúbal, e Maria das Dores Meira, presidente da Câmara Municipal de Setúbal.
Os convidados que integraram a comissão dividem-se em três grupos, nomeadamente amigos que privaram com Sebastião da Gama, personalidades que têm contribuído para a divulgação da obra do poeta e personalidades que, por inerência do cargo que desempenham, estão relacionadas com a obra ou com os sítios que Sebastião da Gama frequentou.

Ver: Montagem: Video de Sebastião da Gama de Vítor Martinho

A Cache:
Pretende dar a conhecer quase todo o percurso da vida do "Poeta da Arrábida" e a sua história.
É uma cache fácil, mas demorada, o trajecto total são cerca de 18 quilómetros. Podem no entanto, ir fazendo os pontos pedidos aos poucos, conforme vão passando nos locais.

Desfrutem do passeio pela Arrábida, tal e qual como o poeta... Divirtam-se!

Additional Hints (Decrypt)

[PT] Nb pnagb, ahz ohenpb qb ynqb qr sben qbf qrtenhf r gncnqn pbz crqenf.
[EN] Va gur pbeare, n ubyr bhgfvqr gur fgrcf naq pbirerq jvgu fgbarf

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.