Skip to Content

This cache has been archived.

Quitas: .

More
<

Ponte da Asseca - Vale de Santarém

A cache by Quitas [the Team] Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 3/12/2010
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size: micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Ponte da Asseca - Vale de Santarém



A Ponte Original


    A Ponte da Asseca foi construída para servir a antiga via romana de Olisipo (Lisboa) a Bracara Augusta (Braga), no troço entre Scalabis (Santarém) e Selium (Tomar), mais tarde transformada em estrada medieval, posteriormente reformulada e designada como estrada real. Por ela passou o exército luso-inglês em 1810 no encalço das tropas do General Massena que saíam do país após a 3ª invasão francesa.

    O sítio da Asseca, onde se situa a ponte em questão,  ficou imortalizado no adágio popular "Correr Asseca e Meca e Olivais de Santarém", aludindo aos seus imensos olivais que se estendiam a perder de vista. Possívelmemente, esta Meca seria Santa Quitéria de Meca, perto de Alenquer, o que pode dar uma ideia da extensão dos olivais escalabitanos.

    A Ponte da Asseca ficou também registada na guerra civil. Santarém era o fulcro da guerra civil, mas o perigo miguelista não existia apenas nessa cidade. Apesar de várias vitórias liberais, a cidade de Santarém continuava a resistir, e no Norte as províncias de Trás-os-Montes, Minho e Beira-Alta estavam ainda em poder de D. Miguel.

    Foi então que Saldanha, comandante das forças liberais, estabeleceu o plano de, sem deixar de manter o cerco de Santarém, atacar com uma parte das suas tropas as cidades de Leiria e Coimbra, o que teria por efeito isolar os miguelistas que resistiam em Santarém. As tropas de Saldanha fizeram a sua junção, em Rio Maior, com as que ele mandara vir de Lisboa. Os efectivos não excediam quatro mil e quinhentos homens, mas a 16 de Janeiro de 1834 foi lançado, por dois lados, o ataque a Leiria. Vendo-se na iminência de ficar com a retirada cortada, os miguelistas abandonaram sem demora o Castelo de Leiria e tentaram refugiar-se em Coimbra. Nos primeiros dias de Fevereiro, o General Lemos, comandante das tropas miguelistas, pôs em execução um plano para atacar os liberais que ocupavam Pernes e os que cercavam Santarém.

    Prevendo a possibilidade de tal tentativa, Saldanha tomou as precauções necessárias, fazendo com que o plano falhasse. Lemos estabeleceu um novo projecto, que se baseava num ataque fulminante à Ponte de Asseca, em poder dos liberais, a fim de abrir caminho para Lisboa, onde deveria eclodir a revolução miguelista. Na madrugada de 18 de Fevereiro, as cerca de 4000 tropas do general Póvoas marcharam sobre Ponte de Asseca, enquanto Lemos com cerca de 4500 homens avança pelo norte em direcção a Almoster e Santa Maria. O terreno era extremamente difícil, pois formava um desfiladeiro estreito, entre colinas cobertas de mato denso. Mas Saldanha, compreendendo os intuitos de Lemos, havia-se preparado para lhe fazer frente. Deixando avançar os miguelistas sem lhes opor resistência, conseguiu que eles, confiantes e supondo-se já senhores da situação, entrassem no desfiladeiro que constituía uma autêntica ratoeira

    Por ela passou, também,  Almeida Garrett, aquando da sua viagem a Santarém e a descreve na sua obra "Viagens na Minha Terra".

"Porque será que aqui não sinto senão tristeza?
Porque lutas fratricidas não podem inspirar outro sentimento e porque...
Eu moía comigo só estas amargas reflexões, e toda a beleza da charneca desapareceu diante de mim.
[...]
Nesta desagradável disposição de ânimo chegamos à ponte da Asseca.Benévolo e paciente leitor, o que eu tenho decerto ainda é consciência, um resto e consciência: acabemos com estas digressões e perenais divagações minhas. Bem vejo que te deixei parado à minha espera no meio da ponte da Asseca."
in "Viagens na Minha Terra, Almeida Garrett.

A resposta à primeira questão de Almeida Garrett, em cima, só pode ser: "Porque nesse tempo ainda não existia o Geocaching.

A Cache

    A Cache é um pequeno contentor (magnético) que se encontra na estrutura da passagem pedonal, mais ou menos na zona identificada pelo Spoiler. O contentor está segurado por um fio à estrutura da ponte para tentar evitar que caia para dentro do rio.

Deixa Exactamente como a encontraste. Se notares, ela está protegida por um elemento da estrutura da ponte. Assim a probabilidade de tropeçar sempre é menor. DEIXAR O FIO ESTICADO E ESCONDIDO COMO ESTAVA. OBRIGADO.

Additional Hints (Decrypt)

Zntaégvpn.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

175 Logged Visits

Found it 154     Didn't find it 5     Write note 4     Archive 1     Temporarily Disable Listing 3     Enable Listing 3     Publish Listing 1     Needs Maintenance 2     Owner Maintenance 2     

View Logbook | View the Image Gallery of 20 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.