Letterbox Hybrid

A Relíquia do Paço

A cache by Valente Cruz Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 2/3/2012
In Viseu, Portugal
Difficulty:
3 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation

A ideia para a colocação desta cache surgiu após uma fantástica experiência que vivemos na cache Fallen Angels. Para uma primeira GeoInvestigação à Quinta do Paço convidámos o K!nder, que amavelmente nos acompanhou e ajudou na idealização desta cache. A ele, o nosso sincero bem-haja!



O Paço da Serrana, sobranceiro sobre o rio Douro, próximo de Cinfães, é uma quinta de um valor patrimonial e natural inestimável, que pertenceu à família do famoso explorador africanista Serpa Pinto e encontra-se votada a um abandono imerecido.

A Quinta do Paço, como também é conhecida, tem uma história que atravessa os séculos e terá sido residência de várias famílias ilustres do Douro, dada a sua posição privilegiada. A mais relevante terá sido a família Serpa Pinto, que em meados do século XIX mandou construir um palacete elegante numa colina, assim como uma grande adega e uma casa de criados. Nas proximidades, ergueu-se ainda uma ermida com uma vista de perder a memória sobre o rio. Mandou também plantar uma frondosa mata na propriedade, sendo que algumas das árvores foram trazidas de África, envolvendo o espaço com um encanto misterioso e inefável.

Contudo, a dado momento, a história de sucesso e tranquilidade foi travada por algum motivo desconhecido e a Quinta entrou em declínio. As mortes estranhas, aliadas a relatos quase inverosímeis, conduziram à suspeição natural que alguma maldição tinha caído sobre o local.

 "(…) Em quasi tôda a minha viagem, obrigado a caçar para viver, tive muitas vêzes de affrontar as feras; o que não me teria acontecido se, dispondo de recursos sufficientes, me podesse ter dispensado da caça. Uma fera morta em defensa propria e em encontro fortuïto, é um obstàculo destruido; um leão procurado e môrto por o exploradôr geògrapho é um obstàculo creado, é uma imprudencia commettida, é e deve ser um remôrso na sua existencia.”

In Como eu atravessei Àfrica vol. II, Serpa Pinto

Tudo começou logo após o regresso de Serpa Pinto da sua grande expedição. Pelos relatos, no dia seguinte à chegada do explorador, o capataz da Quinta, de seu nome João das Matas, entrou para a adega e esteve durante toda a manhã a rodar o torno do lagar, apesar de nada haver por baixo e ainda não se estar no tempo das vindimas. O capataz deverá ter estado até meio da tarde, sempre de volta do torno, até desaparecer sem que alguém soubesse do seu paradeiro. A meio da noite, a mulher do capataz saltou da cama com uma premonição azeda e foi encontrar o marido afogado no lago junto ao palacete. A sua cara era negra como a noite.

Depois deste episódio, com os barulhos frequentes a todas as horas do dia e da noite, as suspeitas da maldição começaram a acumular-se e Serpa Pinto mandou construir uma pequena ermida um pouco afastada da casa, num local sobranceiro sobre o rio Douro, pedindo ao bispo de Lamego para que benzesse o local. Estranhamente, durante a cerimónia, o pequeno altar começou a arder e o edifício ficou em ruínas. Ainda nessa noite, uma criada foi encontrada estrangulada pelas lianas de uma árvore em frente ao lago.

Seguiu-se alguma acalmia, sem que algo de anormal ocorresse, até que a morte os visitou de novo. Numa manhã de Natal, o pastor da Quinta foi encontrado dentro de uma mina; tinha sido crucificado. Da maneira como estava, no fundo da mina, era impossível que algo natural o ali colocasse, por nem sequer lá caber, já que a própria cruz estava enterrada nas quatro extremidades. O seu corpo tinha sido cortado superficialmente e o sangue escorria por ele como um rio do inferno. Já na morgue, os sucessivos cortes assemelhavam-se a letras de um idioma que Serpa Pinto reconheceu pertencer a uma tribo africana de onde tinha trazido uma relíquia de um antigo chefe tribal, de seu nome Onujulu. Serpa Pinto estava então certo da maldição e correu para a Quinta a fim saber do paradeiro da relíquia. Contudo, não a encontrou em lado algum, mesmo tendo mandado esvaziar a casa por duas vezes.

 

“(...) Nós não tìnhamos fazendas, e não sabìamos que fazer diante das exigencias dos selvagens, que teimavam em que tinham sido roubados (…). Dàva-me cuidado não ver o meu muleque Catraio, que comecei a supor teria sido feito prisioneiro, quando elle me appareceu na barraca, com o seu riso intelligente e velhaco, trazendo na mão os meus chronòmetros, que tinha ido á outra margem buscar á minha malla, em quanto os Macalacas nos cercavam e ameaçavam.”

In Como eu atravessei Àfrica vol. II, Serpa Pinto

Sem saber o que fazer, subjugado pelo medo, Serpa Pinto mandou soterrar a mina e passou então parte dos seus dias sozinho. Alguns relatos dizem que ele se fechava num arrumo inferior da casa, junto à capela, aonde ainda agora é possível encontrar dois enormes baús, e passava os dias a estudar maldições e feitiços. Com o tempo, as páginas dos livros, particularmente franceses, foram-se espalhando pelo chão até que o explorador mandou retirar a família da Quinta, iniciando assim o seu abandono.

"(…) Eu parti por um calor de 40 graos centìgrados, n'um terreno arenoso, onde o caminhar era difficil. A febre tirava-me as fôrças, e mais me arrastava do que caminhava. O terreno era coberto de arvorêdo, e elevava-se logo a partir da margem do rio. Depois de cinco horas de marcha lenta e penosa, encontrei um pequeno còrrego, onde pude saciar uma sêde ardente."

In Como eu atravessei Àfrica vol. II, Serpa Pinto
 

Nas noites solitárias, entre o ranger das árvores moribundas, os habitantes de Boassas, localidade próxima ao Paço, dizem ainda escutar os murmúrios quase imperceptíveis de almas perdidas entre os dois mundos e quase ninguém se atreve a ir até ao local.

Também, e segundo outros habitantes das redondezas, existem relatos no sentido de a relíquia ainda se encontrar no Paço da Serrana, enquanto outros afirmam mesmo que um dos criados de Serpa Pinto, mais conhecedor das intermitências das almas, a escondeu num local recôndito e aí adormeceu a maldição, deixando pistas para que outros pudessem travar o seu mal pelos séculos vindouros.

Talvez por conhecer e temer maldição descrita, a C. M. de Cinfães, actual proprietária da Quinta do Paço da Serrana, mantém-na, infeliz e inexplicavelmente, ao abandono, pela sofreguidão do tempo.



A CACHE

Esta é uma cache que foi inicialmente pensada para ser procurada entre as brumas da noite. Contudo, apenas durante uma visita diurna se pode contemplar de forma adequada a beleza abandonada da Quinta do Paço da Serrana. Assim, optámos por não restringir o acesso e deixar a visita entregue aos gostos de cada um.

Existem, de facto, vários relatos no sentido de a Quinta estar assombrada. É naturalmente uma questão controversa e dogmática mas pedimos aos geocachers para que, previamente, reflictam sobre a sua capacidade em lidar com o ambiente que poderão encontrar. Não devem ir sozinhos à Quinta do Paço e devem ter muito cuidado com a degradação do local. Não arrisquem mais do que devem! Pretende-se que a cache proporcione bons momentos de descoberta. Caso não se sintam à-vontade nos locais, deverão desistir, pois o bem-estar e a segurança estão acima de qualquer estatística.

A história descrita contém pormenores importantes para a descoberta da cache, nomeadamente sobre os locais. Existem vários pontos intermédios, onde obterão pistas e informação sobre como prosseguir.


Prestem particular atenção aos atributos. Devem levar roupa e calçado adequado, sendo certo que se vão sujar e podem ainda molhar-se.

Para que a cache continue a fazer sentido é importante que os geocachers, nos registos, não revelem demasiados pormenores sobre os locais ou os containers. Pede-se ainda aos exploradores para que sejam cuidadosos de forma a não danificaram, ou exporem, os containers.

Esta foi uma cache que nos deu muito prazer a criar. O mesmo apenas será ultrapassado quando a Quinta do Paço da Serrana, uma verdadeira relíquia de História, Património e Natureza seja devidamente recuperada!

Não publiquem fotos dos recipientes e não revelem dados sobre os mesmos!

Desfrutem do local, protegendo o património e a Natureza!

Flag Counter

Additional Hints (Decrypt)

Cbagb vavpvny: Ragen, fbor nb nygne qr Onpb, rz pvzn, ab pnagb.
Cbagb svany: Rz pvzn, ab qb zrvb.

Bf erpvcvragrf qrirz creznarpre rfpbaqvqbf!

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)

 

Find...

268 Logged Visits

Found it 205     Didn't find it 4     Write note 39     Temporarily Disable Listing 5     Enable Listing 5     Publish Listing 1     Needs Maintenance 3     Owner Maintenance 6     

View Logbook | View the Image Gallery of 229 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 3/26/2017 10:56:55 AM Pacific Daylight Time (5:56 PM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum