Skip to content

Fábrica de Gás da Matinha Traditional Geocache

This cache has been archived.

Team Ribeiro: Game over!
Obrigado a todos os que aceitaram o desafio de encontrar esta cache.

More
Hidden : 11/09/2011
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

A Fábrica de Gás da Matinha constitui um importante conjunto que testemunha a evolução dos diversos tipos de fabricação de gás e de aproveitamento de subprodutos dos últimos 55 anos, e que se torna ainda mais significativo se tivermos em conta que anteriores fábricas e instalações ligadas ao abastecimento de gás a Lisboa não subsistiram. Trata-se de um sítio que ainda nos pode contar a sua história, constituindo um importante património industrial.

AQUI COLOCA O NOME DA FOTO

Resultante da Companhia Lisbonense de Iluminação a Gás, fundada em 1848, e da Companhia Gás de Lisboa, fundada em 1887, constituiu-se a 10.6.1891. Em 1914, a fábrica de gás estava perto da Torre de Belém e, em 1943, entrou em exploração uma nova fábrica de gás, na zona da Matinha, em substituição das da Boavista e de Belém, entretanto desactivadas. O Faísca foi o seu símbolo, no período do pós-Guerra até 1975. A iluminação a gás inaugurou-se em Lisboa nas noites de 29 e 30 de Julho de 1848, com os primeiros 28 candeeiros3. Ainda antes da assinatura do primeiro contrato para a iluminação a gás de Lisboa (1847), entre o governo e a “Companhia Lisbonense de Illuminação a Gaz”, já estavam arrendados os armazéns nos 2 e 3 da Praia da Boavista, para instalar a fábrica. O carvão era descarregado no denominado Cais do Carvão, ali junto, para a fábrica, onde era destilado em retortas. Seguiam-se depois operações de lavagem, arrefecimento, condensação e depuração, antes do armazenamento do gás nos gasómetros. Em 1852 existiam na Boavista cinco gasómetros e duas baterias de fornos totalizando 120 retortas (GOODOLPHIN, 1892: 11). Em 1875/77 foi construída uma fachada neo-gótica, projecto de João Ahrens, ocultando as instalações do recinto da fábrica. A área da fábrica ocupava então cerca de 15.000 m2.5
Fonte; Maria de Fátima Jorge e http://marcasdasciencias.fc.ul.pt/pagina/fichas/objectos/freguesia?id=1944

Additional Hints (No hints available.)