Skip to Content

<

A piece of China in Portugal-Lisbon

A cache by Team Ribeiro Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 11/17/2011
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Related Web Page

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

O único Museu histórico-cultural sobre Macau existente fora da República Popular da China bem como, uma singular colecção de Arte Chinesa.

O CCCM, I.P. é uma unidade de investigação e de alta divulgação, do Ministério da Educação e Ciência, para a cooperação, científica e cultural, com a China. O CCCM é um centro de investigação, inter e multidisciplinar, acerca da China e das Relações Portugal/Europa – China/Ásia Oriental, no passado e no presente.
AQUI COLOCA O NOME DA FOTO

O sítio da Junqueira foi no passado um local privilegiado, tendo sido escolhido, pela nobreza e burguesia endinheirada, para a construção de numerosos palácios. Aqui encontramos ainda, e vizinhos do Centro Científico e Cultural de Macau, o palácio dos Marqueses da Ribeira (ex- escola Rainha D. Amélia), o palácio Burnay (ex-Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas), o palácio das Águias, o palácio de Lázaro Leitão hoje Universidade Lusíada.Na zona da Junqueira desenrolaram-se no séc. XVIII grandes festas, cavalhadas, justas e touradas. Destas últimas ficou célebre a tourada comemorativa dos 20 anos de D. Mariana Vitória, futura mulher de D. José I, tendo tido a duração de 3 dias (de 29 a 31 de Março de 1738).

O edifício onde se encontra instalado o Museu do CCCM, na rua da Junqueira, 30, faz parte do seu próprio património. Outrora fez parte integrante da administração militar servindo de arrecadação e palheiro, tendo no século XIX passado a pertencer à Quinta Burnay. O complexo edificado que chegou aos nossos dias conserva um registo de azulejo, com a representação de Santo António e a inscrição Vila de Santo António, numa das paredes do edifício que dá para o jardim. A Vila de Santo António foi uma obra de cariz social criada pelo Conde de Burnay para os operários da Companhia dos Eléctricos, de que ele era o maior accionista e director. Propunha-se oferecer, a preços económicos, refeições, dormida, em quarto ou camarata, e banho. A direcção da obra foi confiada à ordem religiosa internacional das Franciscanas Missionárias de Maria. Esta obra recebeu por parte da Igreja uma grande aceitação, especialmente do Núncio Apostólico, Monsenhor Jacobini. A Vila de Santo António foi inaugurada oficialmente no dia 21 de Junho de 1895, com pompa e circunstância, com a presença da Família Real e figuras destacadas da sociedade portuguesa da época. O Jornal O Século de 22 de Junho de 1895 descreve pormenorizadamente os festejos, os quais incluíram música, iluminações e fogo de artifício. A sua vida foi agitada, por motivos que se prendem em primeiro lugar com a conclusão das obras, que se prolongaram por vários anos, e a consequente instalação e expansão das Irmãs Franciscanas em Portugal a quem este edifício fora atribuído. O Jornal da Casa da Vila de Santo António reflecte a vivência desta obra e a sua implantação no meio operário lisboeta. O movimento da Casa chegou a atingir o número de 250 residentes em 1907. Da sua história, mais recente, sabe-se ainda que albergou durante as 1ª e 2ª Guerras Mundiais a Cruz Vermelha e a Legião Portuguesas e após o 25 de Abril o IARN (Instituto de Apoio aos Retornados do Ultramar). O edifício à data da criação do Centro Científico e Cultural de Macau encontrava-se em avançado estado de deterioração pelo que foi necessário proceder à sua total remodelação. A reconstrução do edifício esteve a cargo da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais e a arquitectura de interiores foi entregue a Paulo Guilherme d’Eça Leal. O edifício, que se desenvolve em cinco pisos, foi preparado para albergar o Museu, o Auditório, a Cafetaria, a Sala Polivalente e gabinetes de trabalho, ficando os serviços de Informação e Documentação instalados no edifício fronteiro, no nº 5ª da Rua da Junqueira.
AQUI COLOCA O NOME DA FOTO

A condição histórico-cultural de Macau nos séculos XVI e XVII é uma iniciação ao sentido essencial e originário desta cidade de fronteiras múltiplas. Cidade de mil e uma mestiçagens, encontros e paralelismos, que envolvem Portugal e a China, a Europa e a Ásia Oriental, os mundos do Pacífico Asiático e da América, do Índico e do Atlântico. A partir da segunda metade de quinhentos, Macau torna-se fronteira, por excelência, das civilizações europeia e chinesa. Fronteira informal, de interesses e de razões económicas e práticas, mas também fronteira intercultural, de tecnologias, ideias e ideais... O visitante é convidado a fazer uma viagem no tempo e no espaço. Uma viagem de iniciação às regras de um micro espaço de múltiplos equilíbrios e constantes partilhas, de riscos e de lucros. Imagens, objectos, modelos, novas tecnologias e textos de apoio são os instrumentos dessa viagem. Macau é um ponto de partida mas é também o resultado de meio século de relações luso-chinesas. A primeira secção do museu - Portugal e China: os Inícios do Encontro" - descreve as circunstâncias que envolveram o nascimento da cidade portuária de Macau. Através de livros, mapas, esculturas, modelos de navios portugueses e chineses, somos contagiados pelo ambiente marítimo e mercantil dos mares da China. Entramos na atmosfera que vai de Malaca e Patanae a Tamão e Cantão e que envolve também as províncias litorais chinesas do Fujian e do Zheziang."
Horário Terça a Sexta-Feira das 10h00 às 17h00 – Visitas temáticas e ateliers / oficinas Sábados das 9h00 às 13h00 – Curso de língua e cultura chinesas Domingo - das 10,00 ás 14,00 Visitas livres Fonte: wikipédia
PT:A cache não se encontra no local de observação. Se o nº da porta de entrada for 25 a coordenada será N38º42.047 W009 10.909 se o nº da porta for 30 a coordenada será N38º41.993 W009º11.033. ENG: The cache is not on-site observation. If the number of the entry door is 25-coordinate is N38º 42,047 W009 10,909 if the door of No. 30 is the coordinate is N38°41,993 W009 11,033.

Additional Hints (Decrypt)

cebphen ab avaub qronvkb qr sbyunf

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

571 Logged Visits

Found it 548     Didn't find it 8     Write note 3     Temporarily Disable Listing 1     Enable Listing 1     Publish Listing 1     Needs Maintenance 3     Owner Maintenance 6     

View Logbook | View the Image Gallery of 40 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.