Skip to content

This cache has been archived.

matrixamp: Fim de um ciclo.
Obrigado a todos pelas visitas, e que tenham desfrutado do local.
Um obrigado especial aos que ajudaram a manter esta cache, preservando a sua integridade durante todo este tempo, permitindo que outros também a pudessem ter encontrado.
Abraço.

More
<

#05 - Convento Sta. Clara / B.M.R. Brandão

A cache by matrixamp Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 01/24/2012
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:




Convento de Santa Clara

"História Institucional: O convento de Santa Clara situa-se hoje em pleno coração da cidade de Guimarães, a meio da rua de Santa Maria, local que no séc. XVIII era considerado fins da rua de Santa Maria e início da rua da Infesta, em frente a um espaçoso largo onde existiu em tempos um cruzeiro.

O seu fundador foi Baltazar de Andrade, mestre-escola da Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira, que em meados do séc. XVI dá início à sua obra, começando por tomar posse de umas casas e quintais no local onde irá mais tarde edificar uma instituição religiosa em honra da Virgem Santa Clara. A primeira pedra foi lançada alguns anos depois, com grande solenidade na presença do alcaide da vila, do cabido da Colegiada e de várias ordens religiosas, que segundo uns autores foi a 8 Maio de 1549 e, segundo outros a 29 de Setembro de 1559.

A bula que autorizou a fundação do convento foi expedida em Roma a 15 de Outubro de 1559 e foi confirmada por Pio IV durante o primeiro ano do seu pontificado 1560. O documento refere ainda que o convento deve ter o nome de Santa Maria de Ara-Coeli de Nossa Senhora da Assunção, sob regra de Santa Clara, conforme ordem dos frades menores conventuais claustrais, e ordena que sejam visitadores e superiores ordinários os priores da Colegiada ou duas das mais graduadas dignidades do cabido, o que por Breve de Clemente VIII passa a ser tarefa do arcebispo de Braga.

Baltazar de Andrade pretendeu que as suas três filhas que estavam no convento de Santa Clara de Amarante, Helena, Joana e Francisca mudassem para este, ficando a primeira como abadessa perpétua, a segunda prioreza e a honra de abadessa fosse herdada pela irmã seguinte em caso de morte da mais velha e falecendo todas o cargo fosse trienal e confirmado pelo visitador com mais de dez anos de casa. Baltazar seria o padroeiro e por sua morte suceder-lhe-iam os filhos, sendo o primeiro Francisco tesoureiro da Colegiada, e finalmente Isidoro, cónego que falecendo transmitiria à sua geração.

Fizeram as religiosas a sua entrada solene no convento a 12 de Agosto de 1562, dia de Santa Clara, sendo a missa dita por Francisco de Andrade, tesoureiro mor da Colegiada e irmão de Helena de Andrade, primeira abadessa, que havia tomado o nome de Helena da Cruz.

De início a instituição lutou com grandes dificuldades económicas o que levou D. Sebastião a conceder-lhes, em 1563, e por intervenção de D. Isabel, uma carta régia em que se lhes concedia licença para possuir bens de raiz, que rendessem anualmente até 50$00 reis; e igualmente obtiveram do cardeal arquiduque, em 1587, um alvará em que se lhes mandava dar cento e cinquenta medidas de milho, das quatrocentas que no convento de Palmela, em todos os anos, se repartiam pelos pobres. A sua comunidade era bastante pequena, mas lentamente foi crescendo e este chegou a ser o convento mais rico de Guimarães, e albergar mais de 60 religiosas.

O edifício tem uma fachada majestosa, bastante decorada e dividida em três corpos, tendo ao centro a figura da padroeira, num nicho, sobre o portal de entrada. Parte da construção foi levantada no século XVIII e a capela enriquecida com talhas e quadros, sendo no entanto destruída no século XIX. O retábulo do altar-mor foi, já durante este século instalado na igreja da Penha onde ardeu durante um incêndio. Parte das talhas conservam-se hoje no Museu Alberto Sampaio.

A extinção das ordens religiosas em 1834 levou ao abandono do convento. Em 1891 foi instalado o seminário de Nossa Senhora da Oliveira, a cuja inauguração esteve presente o rei D. Carlos sendo algum tempo depois o rés-do-chão adaptado a liceu e o 1º andar a internato municipal. Com a extinção da Colegiada em 1910 há oficialização do liceu.

Desde 1975 que funciona nas suas instalações a Câmara Municipal de Guimarães." Fonte.

A biblioteca Raul Brandão
A actual Biblioteca Municipal Raul Brandão tem origens no Serviço de Bibliotecas e Apoio à Literatura da Fundação Calouste Gulbenkian, criado há cerca de 40 anos sob a direcção de Branquinho da Fonseca. Em 1964, a direcção do Círculo de Artes e Recreio (CAR) fez um pedido de apoio à Fundação Calouste Gulbenkian e em 1966 foi inaugurada a Biblioteca Fixa nº 127 da Fundação Calouste Gulbenkian na sede do CAR.

Em Maio de 1987 dá-se ênfase ao projecto de criação de uma Biblioteca Municipal há tanto desejada pela população, e tão necessário para todos aqueles que apreciam a leitura e um espaço de lazer. Este projecto indicava que a biblioteca se construísse sobre a “Casa dos Carneiros”, situada em pleno centro histórico, em frente ao edifício da Câmara Municipal de Guimarães. Pela sua dimensão, o edifício reunia condições óptimas à instalação de um serviço como é o de uma biblioteca. Mantiveram-se a parte exterior, o pátio da entrada, lajeado a granito e com uma escadaria nobre e também a cozinha regional (pequena parte do auditório), numa procura de interligar a filosofia do espaço existente, antiga casa de lavoura à sua nova função de Biblioteca de Leitura Pública. O projecto do edifício, esteve a cargo do Gabinete Técnico Local (GTL), sendo um projecto da autoria da arquitecta Florisa Gonçalves.

A 7 de Março de 1992, o sonho torna-se realidade e a abertura da Biblioteca Municipal Raul Brandão acontece. É assim baptizada em honra ao grande escritor e dramaturgo que viveu de 1886 a 1901 em Guimarães. (Raul Brandão nasceu no Porto, mas casou e viveu desde então em Guimarães, mais concretamente, na Casa do Alto em Nespereira. Quando faleceu doou todos os seus pertences, livros, quadros, à Sociedade Martins Sarmento, uma Instituição particular de cariz cultural desta cidade. Assim, a Câmara Municipal de Guimarães decidiu homenagear este vulto da Literatura Portuguesa, atribuindo o seu nome à Biblioteca Municipal). À data da sua abertura a Biblioteca contava com o apoio de 2 Bibliotecários, 8 Técnicos Auxiliares de BAD e 3 Auxiliares. Actualmente o seu quadro de pessoal é composto por: 5 Técnicos Superiores, 23 Assistentes Técnicos, 5 Assistentes Operacionais, 1 Especialista de Informática, 1 Técnica de Informática, que servem uma população de 170.000 habitantes.

No início do seu funcionamento, continha apenas um fundo local de 6000 documentos e um fundo geral de cerca de 20.000 volumes. Hoje, está dotada de um fundo documental com cerca de 70.000 monografias, 6600 documentos audiovisuais, cerca de 1000 documentos electrónicos, 510 periódicos e um fundo local com aproximadamente 21.500 volumes e outros documentos (postais, posters, mapas, etc.).

Objectivo deste "Passeio por Guimarães:
Com este conjunto de caches, propusemo-nos a criar um percurso que vos vai fazer percorrer alguns dos locais mais emblemáticos de Guimarães, recentes ou com mais história, sem querer ficar presos ao "clichés" habituais de uma visita turistica, mas que encerram história, arquitectura, cultura, património e beleza em simultaneo.

O conteúdo escrito destes listings não pretende ser um apontamento de estudo, ou abarcar a história total de cada lugar que vão visitar. Pretendemos apenas fazer com que visitem o local, e saibam minimamente algo sobre o mesmo. Para mais informações recomendamos visitem o espólio da Biblioteca Municipal, onde inclusivé vai existir nas imediações uma cache com o nome "Convento de Sta. Clara".

Como fazer esta cache:
Na coordenada publicada simplesmente contar "Todas" as janelas visiveis das fachadas dos seguintes edificios. 

 - Convento de Sta Clara (CMG) = A

 - Biblioteca Raúl Brandão = B

Efectuar então as seguintes contas com base nas coordenadas publicadas apenas para N.

N = N 41° 26.661' +(A+B-3)

W = W8° 17.503'

How to do this cache:
In coordinated published just count "All" visible windows of the facades the following buildings.

- Convent of Santa Clara (CMG) = A

- Library Raul Brandão = B

Then perform the following bills based on the published coordinates only for 
N.

N = N 41° 26.661' +(A+B-3)

W = W8° 17.503'

A cache:
Pelo local em si, pode haver desfazamento no sinal de GPS. Atentem na dica.
A cache é uma micro e contém apenas logbook. Não colem autocolantes por favor. Tenham MUITO cuidado para não dar nas vistas. Sigam a hint e deixem-na exactamente no sitio, senão era uma vez... para os próximos.

Sempre que possivel façam C.I.T.O. ("cache in trash out" que é como quem diz "faz a cache recolhe lixo") e divirtam-se.

Esperamos que gostem.

Mais uma cache by:

ENJOY!



free counters

Additional Hints (Decrypt)

CG: AÃB Fhove. 1º à rfdhreqn
RA: QBA'G Tb hc. Svefg ba gur yrsg.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.