Mystery Cache

Monte da Nó - Boa Morte

A cache by bioleiro Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 4/21/2012
In Viana do Castelo, Portugal
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size: small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

ISTO É UM GRITO DE ALERTA... PÁRE, OLHE E... SINTA A FLORESTA! (leve caneta)

A CACHE NÃO ESTÁ NAS COORDENADAS INDICADAS... Leve material de escrita, procure deixar os pormenores de forma discreta e minimamente camuflados, fico grato - Respeite a Natureza!
Noutros tempos, os lugares acima da Boa Morte (São João do Monte ou Quinta do Monte) eram quase inacessíveis, só os de lá e os mais fortes subiam e desciam por aqueles malfadados caminhos e carreiros. Quando se organizava uma “excursão” para ir ao mato, era uma festa pela dureza e marcas que ficavam! Até o cantar dos carros de bois, a “xiar” serra abaixo, com uma carga vistosa e bem acomodada, xieira na acção, na calçada que não era mais do que pedra a seguir a pedra ficavam para sempre os sulcos provocados pelo ferro que protegia as rodas de madeira, funcionando como falsos pneus. Eram dois, um mais suave e com um traçado menos agressivo e outro muito duro e quase a direito, só contornava os penedos grandes, o resto era sempre a abrir. Não se sabe muito acerca dos verdadeiros traçados porque entretanto as marcas foram sendo apagadas por várias razões. Sabe-se é que os que seguiam pelo trilho mais duro despendiam o esforço em triplo, é verdade, se no mais fácil queimavam 100Kcal no outro eram necessárias 300Kcal. Desta forma simples, vocês terão de procurar conjugar tudo o que está nesta listing e encontrar as coordenadas finais. Para tal devem saber que o caminho fácil corresponde ao Norte (N) e o mais difícil ao Oeste (W) e que somados os três últimos dígitos nas coordenadas W encontram uma diferença superior a uma dúzia, a mais, claro! Será importante saberem que se trata de algarismos ímpares, para facilitar, se num gasta 123 no outro gasta 369, diga-se que acabam como começam, a caminhar, tal como o garrano da imagem, que busca o pasto assim eu procurava agradar com a hipótese de acederem à cache por uma caminho fácil, de asfalto e por outro a cortar mato, só que nem tudo é o que parece, quem se mete por atalhos... Mete-se em trabalhos. Tojo arnal forte e rijo dar-vos-à as boas vindas.


LENDA DA MOURA DO MONTE DA NÓ
Era uma vez um jovem rei moiro, Abakir, ambicioso e apaixonado, que dominava um vasto território de montes densos de pinheiros e castanheiros, de vales arados e amenos, por onde escorria um rio claro e lento, chamado Lima. Um dia, entregue aos prazeres da caça que por ali havia abundante, rodeado por guardas, falcoeiros e cães de raça, eis que se lhe depara, guardando um pequeno rebanho de ovelhas, uma rapariga formosíssima, com umas negras tranças coroadas de papoilas vermelhas. A beleza desta imagem logo entrou no coração do rei, sempre pronto a ceder aos encantos femininos. E, aproximando-se da pastora, logo lhe rogou, com palavras ardentes, que o segui-se para o seu soberbo castelo, edificado na Serra da Nó, onde passava o mais aprazível do seu tempo e onde a receberia por esposa entre muitas outras que a sua religião lhe permitia desposar. Mas a pastora, cujo nome era Zuleima, negou-se a acompanhá-lo, dizendo que não trocaria a sua vida, embora humilde, pelas maiores riquezas do mundo. Indignado com tal recusa, Abakir ordenou aos guardas que prendessem a rebelde e a levassem, à força, para o seu castelo altaneiro. Só a soltaria quando ela lhe pedisse perdão e acedesse aos desejos, ao seu amor nascente. Mas o tempo foi passando, sem que a pastor se arrependesse da sua recusa. E, com ele, aumentava a paixão e o desespero de Abakir. Então, não conseguindo mais acalmar aquele amor que lhe abrasava o peito, mandou chamar Zuleima à sua presença e disse-lhe: - Pede-me tudo o que quiseres, os maiores caprichos, os maiores tesoiros, que tudo te darei, se consentires ser minha esposa. Respondeu-lhe, então, a pastora, com firmeza não destituída de doçura, pois também ela acabara por se enamorar do jovem Abakir: - Concordarei em viver junto de ti, com a condição de ser tua única rainha e me seres sempre fiel. Arrebatado, o rei imediatamente aceitou as condições impostas pela bem-amada Zuleima. Então, o castelo da Serra da Nó abriu-se, em esplendor, às bodas reais, com festas nunca vistas nem sonhadas. E alguns anos se passaram para a felicidade do casal, gozava no conforto do castelo, na alegria das diversões e caçadas, na contemplação daquela paisagem de maravilha Entretanto, um numeroso exército cristão, forte e ousado, vindo do Norte, ia derrotando os guerreiros da Moirama e aproximando-se, perigosamente, dos domínios de Abakir. Era urgente a fuga, o abandono da paz deliciosa da Serra da Nó e do seu castelo! Mas Abakir resistia a tal imperativo e, com ele, Zuleima, os dois enfeitiçados pela brandura daquelas paragens paradisíacas. Uma noite tormentosa, ao escutar, cada vez mais perto, o ruído feroz das espadas e das lanças entrechocando-se; o alarido da vitória solto das bocas dos combatentes cristãos e o gemido dos guerreiros moiros feridos de morte, o rei foi buscar, de entre os seus tesoiros, um velho e pesado volume, revestido de coiro lavrado a oiro, o Alcorão, o livro sagrado da sua religião, escrito por Maomé que, segundo o profeta, lhe fora ditado pelo anjo Gabriel. E, na presença assustada da rainha, pôs-se a folheá-lo, lendo, em voz baixa, certas suas paisagens misteriosas, enquanto estendia a mão sobre Zuleima, sobre quanto o cercava, sobre si próprio... E, quando, na manhã seguinte, os soldados cristãos galgaram, vitoriosos, os cimos da Serra do Nó, na ânsia de aprisionar Abakir e tomar-lhe o castelo, nada se lhes deparou, mais do que o silêncio verde da folhagem, alguma pedra musgosa no abandono da poeira. Somente, do galho de uma árvore, o trinado de um pássaro parecia troçar da funda desilusão da soldadesca: nem castelo, nem Abakir, nem a sua única rainha! Mas diz-se que, em noites enluaradas, quando o arvoredo é de vagas sombras e o rio é de prata, vagueia pela Serra da Nó um vulto de mulher, envolto ora em vestes roçagantes e faustosas, ora na simplicidade do trajo campestre, evocando, quem o sabe?, a pastora depois rainha, decerto saudosa do seu rebanho, saudosa do seu castelo e do seu amado Abakir.

You can check your answers for this puzzle on Geochecker.com.

ELA ESTÁ A OBSERVÁ-LOS

Additional Hints (Decrypt)

Cregb qb fboervevaub, rager crqenf!

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

36 Logged Visits

Found it 26     Didn't find it 2     Write note 7     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 42 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 6/5/2017 8:35:15 AM Pacific Daylight Time (3:35 PM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum