Skip to Content

This cache has been archived.

pedantunes: Vou arquivar a cache e repensa-la e se houver possibilidade fazer uma 2ª Versão.
Este nunca foi o melhor local para a cache. Foi apenas uma simples homenagem ao Oleiro de Árgea.
Obrigada pelas visitas.

More
<

O último oleiro da Árgea

A cache by pedantunes Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 04/28/2012
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


O último Oleiro da Árgea

O Fado é o património imaterial mais conhecido em Portugal, mas este tipo de património é muito amplo, abrangendo o folclore, tradições, trajes, danças , jogos tradicionais, gastronomia e artesanato... Está intimamente ligado ás pessoas e ao lugar onde de vivem. Em Árgea, a olaria é provavelmente o património imaterial mais marcante. No entanto, devido ao progresso civilizacional está em fase de extinção. Já não existe pessoas que continuem a trabalhar neste oficio histórico. Desta forma é impossível abordar a temática sem mencionar o senhor António Rosa, oleiro, reformado, com 87 anos, ainda possui uma pequena oficina de oleiro, com um pequeno espolio, que tem imenso prazer de mostrar. De resto, o local é reconhecido e divulgado pelo Município de Torres Novas, existindo placas informativas em azul, que indicam a diração da aldeia como "olaria". De resto, Árgea é sinónimo de olaria... Mas na realidade as placas estão obsoletas, pois, já a mais de 5 anos deixou-se de fabricar peças de barro.

Saber mais sobre a olaria de Árgea está ao alcance de quem realizar esta cache. De certeza que não vão ver, o trabalhar do barro, mas podem falar com os habitantes e visitar a antiga olaria, ver a roda do oleiro, o fogão para cozer o barro e conhecer os processos de fabrico tradicionais.

IMPORTANTE: A cache não tem intuito comercial, tem, essencialmente, a intenção de divulgar e preservar o património imaterial que é a olaria em Árgea, que é o bem raro. Por isso, espero, que em caso de visita, não tentem comprar, nem aceitem ofertas de peças de olaria.

 

Olaria em Árgea

Até ao século XIX, a agricultura e a olaria eram as actividades económicas dominantes em Árgea. Nos finais do século XVIII e inícios de XIX, segundo, o “Livro Juramento da Confraria do Santíssimo Sacramento de Árgea”, existia 65 oleiros. Em 1914, o “Annuário Comercial” regista a existência de 9 oleiros.

Num ambiente rural agrícola, não mecanizado e com a ausência da industrialização, a olaria florescia, impulsionada, por um lado, pelas grandes jazidas e argila que forneciam a matéria-prima gratuita e por outro lado, pela necessidade e dependência quase total dos artigos de barro na vida domésticas das populações. Árgea neste tempo era considerada um dos centros oleiros mais importantes de Santarém. Nos finais do século XIX e inícios de XX, existiam 18 olarias, onde naturalmente trabalhavam avós, pais, filhos e aprendizes.

Nas oficinas modelavam-se alguidares, panelas, tachos, caçarolas, púcaros, cafeteiras, fogareiros, bacios, tarros, almotolias, asados, infusas, vasos, todos artigos fundamentais na vida doméstica. Curiosamente, todos estes artigos, são utilizados na actualidade, mas são feitos de outros materiais, metal e plástico, a decadência da olaria advém essencialmente deste paradoxo. Do confronto da industrialização e do artesanal e da vitória da tecnologia.

 

António Rosa, o último oleiro

António Rosa, 87 anos, nasceu e viveu em Árgea, foi oleiro desde dos 10 anos de idade. Casado, teve vários filhos, mas nenhum seguiu a profissão de oleiro. António Rosa nasceu no seio de uma família ligada à olaria, desde muito cedo iniciou o trabalho do barro. Tinha sete irmãos (4 rapazes e 3 raparigas), apenas ele e o irmão mais velho, José Rosa (já falecido), aprenderam e dedicaram toda a vida à arte.

António fez todo tipo de artigos de barro, desde alguidares, tachos, vasos, jarras, bebedores para coelhos e para aves, garrafões… toda a louça que trabalhou vendeu, fornecia lojas principalmente no concelho de Torres Novas, vendia no mercado em Torres Novas e tinha clientes que revendiam o produto por todo o país. Participou em feiras tradicionais, exposições e fazia demonstrações para escolas, em Torres Novas, no Entroncamento, na Golegã, em Pombal… E participou em programas de televisão, algo que considera uma experiencia inesquecível. Para além de oleiro, foi capelão, onde tocava os sinos da igreja da Árgea e foi músico na Sociedade Musical Argense, tal com o seu irmão mais velho José Rosa.

Actualmente, é o único oleiro a residir em Árgea, deixou de trabalhar o barro acerca de 4 ou 5 anos, devido a debilidades físicas provocadas pela idade avançada. No entanto, mantém ainda, a sua oficina aberta a todo e qualquer visitante que tiver interessado em conhecer as suas peças e as suas histórias.

 

(Não é inteiramente verdade, seria injusto não mencionar o senhor António Cardoso, de 85 anos, também foi oleiro, que viveu em Árgea, no entanto actualmente encontra-se a viver num lar de idosos fora da aldeia. Não tenho conhecimento, se ainda existe a sua oficina de oleiro).

 

Fontes de textos e imagens: Livro: Árgea, história e Património, Torres Novas, 2005 de Maria Maia, Helena Poutout e Luís Batista. Site: cm-torresnovas.pt

Additional Hints (No hints available.)



 

Find...

54 Logged Visits

Found it 43     Didn't find it 4     Write note 1     Archive 1     Temporarily Disable Listing 2     Enable Listing 1     Publish Listing 1     Post Reviewer Note 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 9 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.