Skip to content

Miradouro do Pico da Torre Traditional Geocache

This cache has been archived.

btreviewer: Esta cache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante as situações relatadas. Relembro a secção das guidelines sobre a manutenção http://www.geocaching.com/about/guidelines.aspx#cachemaintenance :

[quote]
Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Por causa do esforço requerido para manter uma geocache, por favor coloque geocaches físicas no seu espaço habitual de geocaching e não em sítios para onde costuma viajar. Geocaches colocadas durante viagens não serão muito provavelmente publicadas a menos que possa fornecer um plano de manutenção adequado. Este plano deve permitir uma resposta rápida a problemas reportados, e deverá incluir o Nome de Utilizador de um geocacher local que irá tomar conta dos problemas de manutenção na sua ausência. [/quote]

Como owner, se tiver planos para recolocar a cache, por favor, contacte-me por [url=http://www.geocaching.com/email/?u=btreviewer]e-mail[/url].

Lembro que a eventual reactivação desta cache passará pelo mesmo processo de análise como se fosse uma nova cache, com todas as implicações que as guidelines actuais indicam.

Se no local existe algum container, por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Obrigado

[b] btreviewer [/b]
Geocaching.com Volunteer Cache Reviewer

[url=http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=77][i][b]Work with the reviewer, not against him.[/b][/i][/url]

More
Hidden : 07/23/2012
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Cuidado com os Mugglers!
Atention on Mugglers! Nao Colocar Fotos da Cache ou do local onde está. Do Not place Photos of the Cache, and where it is.

Pico da Torre
 
O Pico da Torre, também conhecido por Pico da Cruz, ou simplesmente por Pico, situa-se na freguesia de Câmara de Lobos, na encosta norte da sua baía. A sua denominação tem a ver com o sítio onde se encontra implantado - Torre - denominação essa por sua vez com origem provável na do morgadio da Torre Bela.
A partir dele tem-se uma panorâmica soberba não só sobre a baía de Câmara de Lobos, o mais importante "ex-líbris" do concelho, como também da freguesia do Estreito de Câmara de Lobos e ainda de parte substancial do Funchal.
A este propósito, em 1901, dizia-se relativamente às belezas que se poderiam desfrutar deste pico, na altura também conhecido por Pico da Arruda: E quem subir o Pico da Arruda, em cujas faldas tem assento o maior grupo de casas, a que se dá o nome especial de Vila, para qualquer dos lados que volte o olhar terá patente o mais soberbo panorama. Para leste os matizes, variados, que o terreno acidentado apresenta numa dilatada extensão; do lado oposto o Cabo Girão elevado perpendicularmente a 660 metros acima do nível do mar, causando assombro a quem o examina da base, e duplicando a impressão se do cimo lhe forem medir a altura.
Para norte a cumiada das montanhas vestidas de arvoredo, cujo verde-escuro forma o carregado da pintura deste admirável quadro. E para o sul, como sepultada aos pés do observador, a denominada Vila, orlada de rochas negras e caprichosamente dentadas, que servem de baliza ao mar, e ante as quais se humilham as águas, temerosas da sua rude e sinistra perspectiva. Alongando estão a vista pelo mar, ora se observa nos confins do horizonte uma barca de velas içadas, semelhando antigo e solitário castelo num imenso Sahará, ora gigante vapor, avizinhando-se destas paragens confortáveis, parece na sua imperturbável carreira de escarnecer dos próprios elementos!
Nada mais agradável e poético do que ao descair da tarde ver as dezenas de barquinhos piscatórios, com as velas enfunadas, demandando o porto da Vila, como tímidas pombinhas a buscar asilo na morada predilecta. E nada nos pode tocar tanto a sensibilidade como ver o sol rastejando seus raios oblíquos pela face do mar, dando-nos o adeus de saudade ao transpor os umbrais do infinito!
Esta particularidade, contudo, ao longo dos anos nunca pode ser convenientemente explorada, apesar das várias tentativas existentes para o fazer. Ultimamente contudo, tentaram-se de novo dar mais alguns passos nesse sentido, consubstanciados no alargamento do acesso ao local, de forma a permitir a circulação de transporte colectivo de passageiros e na idealização de um projecto urbanístico.
 
The Peak Tower, also known as Pico da Cruz, or simply by Pico, lies in the parish of Câmara de Lobos, on the northern slope of the bay. Its name is related to the site where it is deployed - Tower - name this turn with probable origin in the primogeniture of Torre Bela.
From it has a superb panoramic view not only on the bay of Câmara de Lobos, the most important "ex libris" of the county, as well as the parish of Câmara de Lobos and even a substantial part of Funchal.
In this regard, in 1901, it was said for the beauty that might enjoy this peak at the time also known as Pico da Arruda: And who climb Pico da Arruda, whose foothills sits the largest group of houses, which is given the special name of town, either way you will look back over the patent superb panorama. To the east the shades, varied terrain that presents a dilated extension, opposite the Cape Girão high perpendicular to 660 meters above sea level, causing amazement to those who examine the base, and doubling the impression that the summit will are measured height.To the north of the mountains dressed in cumiada trees, whose dark green as the loaded paint this wonderful picture. And to the south, and buried at the feet of the observer, called the Village, bordered by jagged black rocks and capriciously, serving as a beacon to the sea, and that humble themselves before the waters, fearful of its crude and sinister perspective. Stretching is the view from the sea, sometimes observed in the confines of the horizon of a boat sails, resembling the old and lonely in a huge castle Sahara, now giant steam coming from these stops comfortable, seems unfazed in his career mocking the very elements! Nothing more enjoyable and poetic than the sag in the afternoon to see dozens of fishery boats with billowing sails, calling the port of the village, like timid doves to seek asylum in the home favorite. And nothing can touch on the sensitivity and see the sun creeping its rays slanted across the face of the sea, giving us the farewell of nostalgia to overcome the threshold of infinity!
This feature, however, over the years can never be conveniently exploited, despite repeated attempts to do exist. Lately however, tried to give back a few more steps in this direction, embodied in widening access to the site, to allow the movement of public passenger transport and the idealization of an urban design.
 
A Bateria do Pico
O Pico da Torre albergou em tempos um reduto de defesa de Câmara de Lobos, denominado de bateria ou forte do Pico. A referência mais antiga conhecida relativamente a esta bateria é de 1817, altura em que segundo Paulo Dias de Almeida uma peça de 12 ali se encontrava abandonada e sem reparo, peça essa que ali permaneceu nessas condições até 1981, altura em que foi recolhida para o museu da artilharia do GAG 2, em São Martinho.
Ainda que se coloque em causa a existência desta defesa a verdade é que o próprio Paulo Dias de Almeida quando descreve a peça de artilharia aí existente confirma a sua existência ao dizer que lhe chamavam bateria do Pico.
Em 1852, João Fortunato de Oliveira confirma a existência do forte do pico da Torre quando, ao descrever o convento de São Bernardino, em Câmara de Lobos, tece algumas considerações sobre a paisagem susceptível de poder ser observada a partir deste local e refere que ao chegarmos ao cimo do monte, e ao aproximarmo-nos da beira da pequena muralha que fora construída para um forte, parece que como por encanto se nos rasga aos olhos uma cortina, e vemos diante de nós uma paisagem encantadora e pitoresca que lá em baixo se nos estende aos pés - são telhados irregulares das casas da vila; é a longa mas estreita baía, cujas vagas azuladas e tranquilas vêm quebrar-se com longínquo murmúrio na pequena praia...
Por outro lado, num excerto de uma carta militar de data não especificada e publicada, em 1907, no Heraldo da Madeira, o pico da Torre encontra-se assinalado como pico do Forte, o que vem reforçar a ideia da existência de uma bateria neste local. Apesar do texto acompanhante da carta referir que na altura não existiam quaisquer vestígios do forte, não deixa também de assinalar a existência de uma velha peça de 12 e 1/2, enterrada no cimo do pico com a boca aberta para o céu.
Ainda relativamente a esta bateria ou forte, em 1879, o Diário de Notícias, a propósito dos limites de uma propriedade, em Câmara de Lobos, uma vez mais ao se referir ao pico do Torre, aponta-o como antigo forte do Pico.
 
Battery Peak
 
The Peak Tower hosted once a bastion of defense of Câmara de Lobos, or strong battery called Pico. The earliest known reference on this battery, 1817, at which second Paul days Almeida a part 12 there was abandoned and no repair, that this part there remained under these conditions until 1981 when it was collected to Museum of Artillery GAG 2 in St. Martin.
Even if it is put into question the existence of this defense is the fact that Paul himself Dias de Almeida when he describes the piece of artillery there exists confirming its existence by saying that he was called Pico's battery.
In 1852, João Fortunato de Oliveira confirms the existence of a strong peak of the tower when, in describing the convent of San Bernardino, in Camara de Lobos, presents some considerations about the countryside which can be seen from this location and noted that the get to the hill, and we approach the edge of the little wall that was built for strong, it seems as if by magic in the eyes tear a curtain, and we see before us a charming and picturesque landscape down there it extends to the feet - are irregular roofs of the houses of the village, is the long but narrow bay, whose waves are blue and tranquil break with distant murmur in the small beach ...
On the other hand, an extract from a letter military unspecified date and published in 1907, Heraldo in Madeira, the peak of the tower is marked as peak Forte, which reinforces the idea of ​​having a battery in site. Although the text accompanying the letter noted that at the time there were no traces of the fort, nevertheless also noted that there is an old number of 12 and 1/2, buried on top of the peak with his mouth open to the sky.
Even on this battery or fort in 1879, the Daily News, by the way the boundaries of a property in Camara de Lobos, again referring to the peak of the tower, shows him as an ancient fort of Pico.
 
O Cruzeiro da Independência
 O pico da Torre está actualmente dotado de um cruzeiro da independência, símbolo das comemorações dos centenários, levados a efeito pelo Dr. Oliveira Salazar . O lançamento da primeira pedra para a sua construção, bem como de uma caixa metálica contendo várias moedas de 10$00 e de 5 centavos e uma acta alusiva ao acto, teve lugar no dia 28 de Maio de 1941, por ocasião do 15º aniversário da Revolução Nacional.
De acordo com a acta de lançamento da primeira pedra do cruzeiro do Pico da Torre, aos vinte e oito dias do mês de Maio do ano de mil novecentos e quarenta e um, aniversário do XV ano da Revolução Nacional, neste sítio do Pico da Torre de Câmara de Lobos, compareceram o presidente da Câmara, professor Ângelo de Menezes Marques e os vereadores Srs. João Ernesto Pereira, Francisco Nunes Pereira de Barros Júnior e João Ricardo Ferreira César, Reverendo Vigário da freguesia, padre António Pinto da Silva e outras autoridades convidadas a assistir ao lançamento da primeira pedra para o levantamento de um cruzeiro, símbolo das Comemorações Centenárias, levadas a efeito pelo douto governo nacional da presidência do estadista Oliveira Salazar, que muito tem dignificado a Nação Portuguesa pelas medidas e providências tomadas dentro do patriotismo nacional. Este monumento representa para todos os munícipes a fé cristã, que há oito séculos se gravou no coração dos portugueses e perpetuará o reconhecimento para com Deus, que se dignou emprestar à governação um filho desta Pátria Portuguesa tão fidedigno que nos desvanece como irmãos. Esta acta vai assinada pela Comissão Administrativa da Câmara e por todos aqueles que estão presentes. Pico da Torre de Câmara de Lobos, 28 de Maio de 1941.
Ainda que sejam por demais evidentes as vertentes políticas deste empreendimento, a iniciativa da sua construção partiu da Acção Católica de Câmara de Lobos e fundamentalmente do seu assistente, o Pe. António Pinto da Silva. Contudo, foi a expensas da Câmara Municipal de Câmara de Lobos, na altura presidida pelo Prof. Angelo de Menezes Marques que a obra se realizou.
Construído em pedra de cantaria, o cruzeiro possui na sua base a inscrição: "Fundação-1140/Restauração-1640/Ano Áureo-1940/Mandado erigir pela Câmara Municipal de Câmara de Lobos" e foi solenemente inaugurado e benzido no dia 14 de Setembro de 1941. Do acto, presidido por Sua Exa. Reverendíssima, o Bispo do Funchal e à qual assistiram as mais altas individualidades políticas e religiosas locais e muito público, fez parte uma missa campal. As Bandas Municipal de Câmara de Lobos e Recreio Camponês, bem como elementos da Mocidade Portuguesa das escolas locais, providos de clarins e tambores tiveram a seu cargo a recepção das individualidades convidadas.
 
The Cross of Independence
 
The Peak Tower is currently fitted with a cross of Independence, the symbol of the celebrations of the centennial, carried out by Dr. Oliveira Salazar. The foundation stone for its construction, as well as a metal box containing various pieces of $ 10 00 and 5 cents and a record alluding to the act took place on May 28, 1941, on the occasion of 15th anniversary of the Revolution National.
According to the minutes of launching the first stone of the cruise the Peak Tower, the twenty-eighth day of May in the year nineteen hundred and forty-one, the fifteenth anniversary year of the National Revolution, this site of the Peak Tower Câmara de Lobos, attended the Mayor, Professor Angelo Marques de Menezes and the aldermen Messrs. John Ernesto Pereira, Francisco Nunes Pereira de Barros and João Ricardo Ferreira Júnior César, Reverend Vicar of the parish, Father Antonio Pinto da Silva and other officials invited to attend the foundation stone for the survey of a cross, symbol of the Centenary Celebrations, implemented by the national government learned of the presidency of the statesman Oliveira Salazar, who has long dignified the Portuguese Nation by the measures and actions taken within the national patriotism . This monument is for all citizens the Christian faith, which for eight centuries was recorded in the heart of the Portuguese and perpetuate the gratitude to God, who deigned to lend the government a son of the Portuguese Nation as reliable as we fade brothers. The minutes are signed by the Administrative Commission of the House and all those present. Pico da Torre de Câmara de Lobos, May 28, 1941.
Though they are too obvious political persuasions of this project, the initiative of its construction came from the Catholic Action of Câmara de Lobos and ultimately his assistant, Father Antonio Pinto da Silva.
However, it was at the expense of the Municipality of Câmara de Lobos, at the time chaired by Prof.. Angelo Marques de Menezes that the work was performed.Built in freestone, the cruise has at its base the inscription: "Fundação-1140/Restauração-1640/Ano Áureo-1940/ erected by the city of Câmara de Lobos" and was solemnly opened and blessed on September 14 , 1941. The Act, chaired by Hon. Reverend, Bishop of Funchal and attended by the highest political figures and religious sites and very public, was part of an outdoor mass.
The Municipal Band of Câmara de Lobos and Recreation Peasant, as well as elements of the Portuguese Youth from local schools, provided with trumpets and drums were in charge of receiving the legend invited.
 
 
A construção de um miradouro
Dada a sua localização, o pico da Torre constitui um lugar privilegiado para a observação do centro da cidade de Câmara de Lobos e não só, apresentando-se por isso ao visitante como um ponto de paragem obrigatória, quer durante o dia, quer à noite, facto que fez com que desde cedo se fizessem sentir as suas potencialidades turísticas e, naturalmente, a necessidade de as explorar.
Com as obras de construção do cruzeiro da independência, a ideia de dotar o local de um miradouro ganha consistência e, em 1941, pela primeira vez ao que supomos surge na imprensa o propósito formulado pela Câmara de o construir, obra que, no entanto acabaria por não passar do plano das intenções.
Com o passar dos anos, novas ideias e projectos haveriam de surgir para este local, não só mais ambiciosos como também prevendo um maior aproveitamento turístico do local.
 
The construction of a gazebo
Given its location, the peak of the Tower is an ideal place for observing the center of Câmara de Lobos and beyond, thus presenting the visitor as a stopover point, either during the day or night , a fact that made early if they did feel their tourism potential, and of course the need to exploit them.
With the construction of the cruise of independence, the idea of ​​giving the place a viewpoint consistency and wins in 1941, the first time to assume that appears in the press made by the Board for the purpose of the building, work which, however would not pass the plan of intentions.
Over the years, new ideas and projects were to come to this place, not only ambitious but also providing a better use of the tourist site.
 
 
A construção de uma torre
e capela dedicada a Nossa Senhora do Coromoto
O primeiro deles, da iniciativa de um grupo de emigrantes da freguesia de Câmara de Lobos radicados na Venezuela e que, munidos pela devoção a Nossa Senhora do Coromoto, todos os anos reuniam esforços para celebrar na sua terra natal uma Missa do Parto.
Na sessão camarária de 8 de Maio de 1957, é presente um requerimento do padre António Pinto da Silva pedindo autorização para construir uma capela que ficaria integrada no património paroquial, no sítio do Pico da Torre. Ainda que no requerimento em causa não se refira a invocação da capela, nem se especifique a proveniência das verbas necessárias, é de supor que o orago seja Nossa Senhora do Coromoto e seria construída de acordo com um projecto com data de 20 de Abril de 1957, mandado elaborar pela colónia madeirense da América Central e do Sul.
De acordo com a memória descritiva do projecto na altura apresentado, a construção constaria de duas partes: por um lado, uma torre visitável que proporcionaria a quem a subisse um surpreendente panorama, facto que era entendido como de interesse turístico. Nessa torre seriam ainda implantados quatro relógios, um em cada face, que iriam ao encontro de uma necessidade grandemente sentida nas povoações em redor.
A outra parte da construção seria constituída por uma pequena capela erigida à Senhora do Coromoto da devoção da colónia madeirense da América Central e do Sul. A capela harmonizar-se-ia na sua forma com a torre e ligar-se-ia a esta por uma arcada.
O financiamento da obra seria levado a efeito com o produto de uma subscrição levada a efeito entre a colónia madeirense da América Central e do Sul e representaria, simultaneamente uma homenagem à Senhora do Coromoto, sua protectora e um monumento de amor e saudade pela sua terra natal.
A esta pretensão a Câmara deliberou solicitar um parecer ao arquitecto urbanista que muito provavelmente terá dado parecer desfavorável.
 
The construction of a towerand chapel dedicated to Our Lady of Coromoto
 
The first, the initiative of a group of emigrants from the parish of Câmara de Lobos and settled in Venezuela, provided by the devotion to Our Lady of Coromoto, gathered each year in its efforts to celebrate a Mass native of Childbirth.
At the sitting city council of 8 May 1957, this is a request of Father Antonio Pinto da Silva for permission to build a chapel that would be integrated into the parish property, the site of the Peak Tower. Although the application in question does not concern the invocation of the chapel, or to specify the source of the money needed, it is assumed that the patron saint is Our Lady of Coromoto and would be built according to a draft dated April 20, 1957 , warrant prepared by the Madeira colony in Central America and South According to the description of the project submitted at the time, the construction would be of two parts: first, a tower that would provide a visitable who climbed an astonishing scene, a fact that was understood as a tourist. This tower would still be implanted four watches, one on each side, which would need to meet a greatly felt in the villages around.
The other part of the building would comprise a small chapel erected to Our Lady of Coromoto devotion of Madeira colony in Central America and South Chapel would harmonize in form and connect with the tower would be for this an arcade.
The financing of the work would be carried out with the product of a subscription waged between the Madeira colony in Central America and South America and represents both an homage to the Lady of Coromoto, its protective and a monument of love and longing for their land home.
The claim that the Board decided to request an opinion from an architect planner who will likely have given an unfavorable opinion.
 
O segundo projecto
O segundo projecto turístico, destinado ao pico da Torre surge, em 1961, através do mesmo grupo de emigrantes de Câmara de Lobos.
Com efeito, em meados de 1961, uma sua comissão constituída por Sebastião de Abreu dos Santos, João Ferreira César Júnior, João Rodrigues de Aguiar e Manuel da Costa, solicitou autorização ao município de Câmara de Lobos para levar a efeito a construção de uma infra-estrutura turística no pico da Torre.
Este projecto da autoria do Arq. Nereus Fernandes incluía um salão de chá, provido de uma torre, um miradouro, um parque de estacionamento e ajardinação do local. Na opinião dos seus promotores, este projecto, para além de valorizar a zona constituiria um ponto agradável, sem que se perdessem as características naturais do ambiente, à disposição do visitante e do madeirense onde pudessem passar alguns momentos em contacto com a natureza.
 
O tempo entretanto foi passando e o projecto, apesar de dotado de suporte financeiro, acaba por ser definitivamente inviabilizado, pese o facto de na sessão camarária de 13 de Janeiro de 1965, ter chegado a ser alvo de aprovação por parte do elenco camarário.
Gorada a iniciativa, haveria que dar alguma utilização aos fundos, até então recolhidos e que atingiam um montante aproximado de mil e trezentos contos. Assim, cerca de seiscentos contos foram entregues à Câmara Municipal de Câmara de Lobos que com tal verba construiu, no largo da República, um monumento ao emigrante e que seria inaugurado a 16 de Outubro de 1986; seiscentos contos destinaram-se à aquisição de uma imagem de uma Virgem para a paróquia do Carmo e cerca de cinquenta mil escudos foram utilizados na reparação de uma imagem de Nossa Senhora do Coromoto, padroeira da Venezuela, existente na igreja de São Sebastião, em Câmara de Lobos.
Como curiosidade refira-se que a torre existente no projecto destinar-se-ia à implantação de um relógio que pudesse ser visível em toda a freguesia. Aliás a ideia da colocação de um relógio no pico da Torre, tendo em vista essas mesmas razões, era já antiga e disso mesmo dado é conta, pela imprensa, em 1937.

The second project
 
The second tourism project, for the peak of the tower appears, in 1961, by the same group of emigrants from Câmara de Lobos.Indeed, in mid-1961, a committee made up their Sebastião de Abreu dos Santos, Joao Cesar Ferreira Junior, Joao Rodrigues de Aguiar and Manuel da Costa, has requested authorization to the municipality of Câmara de Lobos to carry out the construction of an infrastructure -structure at the peak of tourist Tower.
This project designed by the architect Nereus Fernandes included a tea room, equipped with a tower, a belvedere, a car park and garden site. In the opinion of its promoters, this project, in addition to enhancing the area would be a nice spot, without losing the natural environment, available to the visitor and Madeira where they could spend some time in contact with nature.
But time passed and the project, although endowed with financial support, turns out to be finally made impossible, despite the fact that the city council meeting of January 13, 1965, have come to be subject to approval by the city council cast.
Failed the initiative, which would give some to use funds collected so far and they reached an approximate amount of one thousand and three hundred thousand. So, about six hundred tales were delivered to the City Council Chamber Wolves built with such funds, the square of the Republic, a monument to the emigrants and would be inaugurated on 16 October 1986, six hundred tales were intended for the purchase of a an image of the Virgin to the parish of Mount Carmel and about fifty thousand shells were used to repair an image of Our Lady of Coromoto, patron saint of Venezuela, which exists in the church of St. Sebastian, in Câmara de Lobos.
As a curiosity it should be noted that the existing tower in the project would aim to implement a clock that could be visible throughout the parish. Indeed the idea of ​​putting a clock at the peak of the Tower, having regard to those reasons, it was already old and the same account is given by the press in 1937.
 
 
O terceiro projecto
Em 1973, a Câmara Municipal de Câmara de Lobos sente a necessidade de dar uma maior atenção ao pico da Torre e, na sua sessão de 23 de Maio de 1973, delibera encomendar ao Arq. Luís Pinheiro a elaboração de um projecto destinado ao seu arranjo urbanístico, que fica concluído em 8 de Novembro do mesmo ano.
De acordo com a memória descritiva e justificativa deste estudo, era na altura intenção da Câmara Municipal edificar um miradouro que beneficiasse de apoio de instalações sanitárias, bar e lojas para venda de artesanato local. Como complemento desse equipamento era, também desejo da Câmara ver aí funcionar um restaurante panorâmico que constituía motivo para maior atracção ao local. Apesar da sua realização estar fora das suas possibilidades, tanto no que se referia ao investimento como administração, a Câmara estaria na disposição de constituir um direito de superfície para o qual organizaria um concurso procedendo o adjudicatário à construção e equipamento do edifício. A cargo do adjudicatário ficaria a manutenção do conjunto, ainda que sob fiscalização e condições a estudar pela Câmara Municipal.
É claro que uma vez mais esta ideia não passaria do anteprojecto, a que não seria, provavelmente alheia a revolta do 25 de Abril de 1974 e a substituição dos responsáveis camarários.
 
The third project
 
In 1973, the City of Câmara de Lobos feel the need to pay greater attention to the peak of the Tower and, at its meeting on May 23, 1973, decides to order the architect Luis Pinheiro drawing up a project to its arrangement urban, which is completed on November 8 of that year
.According to the description and justification of this study was intended at the time of the City Council to build a gazebo that would benefit from support from toilets, bar and shops that sell local crafts. To complement this equipment was also desire to see the Board work around a panoramic restaurant which was cause for greater attraction to the site. Despite being out of their realization of their possibilities, both as it relates to investment and management, the Board would be willing to provide a surface right to organize a contest where the contractor doing the construction and building equipment. The would be borne by the contractor to maintain the set, even under supervision and conditions to study by the City Council.
It is clear that once again this idea does not pass the preliminary draft, which would not, probably unrelated to the revolt of April 25, 1974 and the replacement of the  city hall responsible.
 
O quarto projecto
No dia 9 de Março de 1989, 16 anos depois, a Câmara Municipal de Câmara de Lobos volta a se interessar pelo assunto e delibera convidar três arquitectos para elaborarem para o pico da Torre um novo anteprojecto de restaurante panorâmico, bem como dos arranjos urbanísticos dos arredores, tendo recaído a escolha no apresentado pelo Arq. Agostinho Xavier Andrade.
Este anteprojecto seria apresentado publicamente no dia 14 de Maio de 1993, por ocasião da inauguração do alargamento e pavimentação do caminho municipal do Pico da Torre.
O empreendimento previa a construção de um restaurante, de uma discoteca, de uma esplanada, jardins, estacionamento e miradouros sobre a baía de Câmara de Lobos e deveria ascender a 700 mil contos
O restaurante desenvolver-se-ia em dois níveis, no sentido de tirar o máximo partido da vista e teria uma capacidade para 200 pessoas. Ao lado do restaurante seria construída uma esplanada, também com dois níveis e com uma capacidade para 60 pessoas. O projecto contempla ainda a instalação de elevadores panorâmicos.
Relativamente à discoteca, ela teria uma capacidade para 700 pessoas, 470 das quais sentadas e seria composta por uma área principal, com uma capacidade para 320 pessoas sentadas, um palco, uma pista de dança e varanda sobre o palco e por uma outra área com uma capacidade para 150 pessoas sentadas mas beneficiando de um ambiente mais reservado e calmo.
A enquadrar todo o ambiente seriam criados jardins providos de bancos, bebedouros e possivelmente quiosques para venda de produtos de artesanato. Tal como o anteprojecto de 1973, a sua concretização deveria ficar à responsabilidade de entidades estranhas à Câmara, cabendo no entanto a esta a cedência do direito de superfície.
Contudo, tal como os anteriores, este não viria a ter melhor sorte. Com efeito, apesar de, na sessão camarária de 18 de Setembro de 1997, ter sido aprovado e submetido à Assembleia Municipal para rectificação, a abertura de um concurso para constituição de direito de superfície, destinada à concepção, construção e exploração desta infra-estrutura turística. A 30 de Setembro, a Assembleia Municipal rectifica a deliberação camarária e o respectivo anúncio é publicado no Diário da República III Série de 17 de Dezembro de 1997.
 
The fourth project
 
On March 9, 1989, 16 years later, the City of Câmara de Lobos back to take an interest in the matter and decides to invite three architects to prepare for the peak of the tower a new preliminary draft panoramic restaurant, as well as arrangements of urban Area, having fallen in the choice presented by architect Xavier Augustine Andrade.
This draft would be presented publicly on May 14, 1993, at the inauguration of the widening and paving the way municipal Peak Tower.
The project included the construction of a restaurant, a nightclub, a terrace, gardens, parking and sights of the bay of Câmara de Lobos and should amount to 700 thousand escudos
The restaurant would be developed on two levels, in order to take full advantage of the view and have a capacity for 200 people. Beside the restaurant would be constructed a terrace, also with two levels and with a capacity for 60 people. The project also includes the installation of panoramic elevators.
For the nightclub, she would have a capacity for 700 people, 470 of which would be seated and comprising a main area with a capacity of 320 seats, a stage, dance floor and a balcony over the stage and another area with a capacity for 150 people seated while benefiting from a more reserved and quiet.
Framing the whole environment would be created gardens provided with benches, water fountains and possibly kiosks for sale of handicraft products. As the draft of 1973, its implementation should be the responsibility of the House foreign entities, but the fitting is the transfer of surface rights.
However, like its predecessors, this was not to have better luck. Indeed, despite that, the city council meeting of September 18, 1997, be approved and submitted to the Municipal Assembly to rectify the opening of a tender for the formation of surface rights, for the design, construction and operation of this infrastructure tourist infrastructure. The September 30, the City Council and city council resolution correcting the advertisement is published in the Official Gazette Series III December 17, 1997.
 
O quinto projecto
No dia 2 de Outubro de 2003, o Jornal da Madeira, dava conta de que Pico da Torre em Câmara de Lobos iria ser alvo de uma profunda requalificação, tendo sido para o efeito elaborado pelo arquitecto Fernando Pessoa e engenheiro Rui Vieira, um novo projecto, englobando espaços verdes, com zonas ajardinadas, mesas e cadeiras para pic-nics, uma loja de artesanato, uma cafetaria e sanitários.
O investimento, da responsabilidade da Câmara local, deveria atingir um custo de cerca de 500 mil euros e deveria ser colocado em concurso no início de 2004. O cruzeiro ali existente, alvo de muitas manifestações litúrgicas, seria integrado neste projecto, que previa ainda a criação de uma alameda, destinada a facilitar a realização de práticas religiosas.
 
The fifth project
 
On 2 October 2003, the Jornal da Madeira, realized that Pico da Torre in Camara de Lobos would be the target of a major redevelopment was to the effect produced by the architect and engineer Fernando Pessoa Rui Vieira, a new project encompassing green spaces, with garden areas, tables and chairs for picnics, a craft shop, a cafeteria and restrooms.
The investment, the responsibility of the local council, should reach a cost of about 500 000 euros and should be put out to tender in early 2004. The cruise that exists there, the target of many liturgical events, this project would be built, which still provided for the creation of a lane to facilitate the holding of religious practices.

Poços de abastecimento de água
Dada a sua elevação e potencialidades agrícolas das suas encostas, no cume do Pico da Torre, vários poços haveriam de serem escavados ou construídos, a fim de servirem de reservatórios de água para rega. Ainda que não dispondo de água própria, os proprietários agrícolas, faziam-na chegar até aos poços, através de canalizações fechadas, que partindo desde pontos mais altos localizados na encosta da freguesia do Estreito de Câmara de Lobos, nomeadamente no Salão onde eram abastecidas através de levadas como a do Estreito, dos Terços e da Serra, apresentavam força suficiente para subir até ao cimo do Pico e abastecer os reservatórios, cuja água era depois utilizada na rega.
Esta particularidade seria aliás, mais tarde utilizada, para abastecimento de água potável à baixa camaralobense.
 
Water Wells
Given its high agricultural potential and its slopes, the summit of Pico da Torre, several wells were to be excavated or constructed in order to serve as reservoirs for irrigation. While not providing own water, the land owners, it did reach the wells through pipes closed, that starting from the highest points located on the slope of the parish of Câmara de Lobos, particularly in the Hall where they were supplied by as taken from the Strait of Thirds and Sierra, had strength enough to climb to the top of Pico and fuel reservoirs, whose water was then used for irrigation.
This particular fact was later used for drinking water supply to center Camara de Lobos
 
Reservatórios de água potável
Com efeito, o Pico da Torre alberga hoje dois reservatórios destinados ao abastecimento de água potável, construídos por volta de 1982.
 
Drinking water reservoirs
Indeed, the Peak Tower now houses two reservoirs for the potable water supply, built around 1982.
 
Obras de Requalificação
No dia 5 de Setembro de 2011, no Pico da Torre foram inauguradas obras de requalificação deste local, com recuperação e construção de novo mobiliário urbano - nomeadamente a construção de bancos corridos em betão - e a reformulação e recuperação do pavimento.
Além dos trabalhos de integração paisagística e criação de zonas verdes, a obra contemplou a implementação de nova iluminação pública, através de postes de iluminação metálicos e armadura embutida no pavimento.
 
 
Rehabilitation Works
On September 5, 2011, the Peak Tower was inaugurated works of redevelopment of this site, with rehabilitation and construction of new street furniture - including the construction of concrete benches - and redesign and restoration of pavement.
In addition to landscaping works and creation of green areas, the work included the implementation of new public lighting through light poles and metal armor built into the floor.

Additional Hints (Decrypt)

Zntargvpn
Zntargvp
Zvpeb
Gentn zngrevny qr rfpevgn
Oevat Jevgvat zngrevny

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)