Skip to content

A um passo da Natureza (Algoz) Traditional Cache

This cache has been archived.

MightyREV: Esta cache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante as situações relatadas.
Relembro a secção das Guidelines sobre a manutenção http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=307#maint :

[quote]Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

A região onde um geocacher é considerado capaz de manter geocaches responsavelmente irá variar de pessoa para pessoa. Um geocacher que anteriormente fez registo de geocaches numa área alargada a partir da sua residência pode ser considerado habilitado a manter uma geocache a 200 milhas (322 Km) de distância. Contudo, alguém cujas actividades de geocaches têm sobretudo estado dentro da distância de 25 milhas (40km) de sua casa não deverá estar preparado para manter uma geocache tão distante de casa. O critério usado nesta situação fica a cargo do revisor da geocache ou pela Groundspeak.

Por causa do esforço requerido para manter uma geocache, por favor coloque geocaches físicas no seu espaço habitual de geocaching e não em sítios para onde costuma viajar. Geocaches colocadas durante viagens não serão muito provavelmente publicadas a menos que possa fornecer um plano de manutenção adequado. Este plano deve permitir uma resposta rápida a problemas reportados, e deverá incluir o Nome de Utilizador de um geocacher local que irá tomar conta dos problemas de manutenção na sua ausência. Alternativamente poderá treinar uma pessoa local para fazer manutenção à geocache. Documente o seu plano de manutenção numa Nota ao Revisor ou na sua página de geocache. Isto deverá incluir a informação contacto da pessoa que irá efectuar a manutenção. A nota irá ser apagada automaticamente aquando da publicação.[/quote]

Se no local existe algum recipiente por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Como owner, se tiver planos para recolocar a cache, por favor, contacte-me através do mail indicado no meu perfil e refira o GC Code da cache.
Lembro que a eventual reactivação desta cache passará pelo mesmo processo de análise como se de uma nova cache se tratasse, com todas as implicações das Guidelines actuais.

Obrigado

[b] MightyREV [/b]
Geocaching.com Volunteer Geocache Reviewer
Revisor Voluntário em Geocaching.com

[url=http://support.groundspeak.com/index.php]Centro de Ajuda Groundspeak[/url]
[url=http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=340]Trabalhar com o Revisor[/url]
[url=http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=77]Como ter uma cache publicada (mais) rapidamente[/url]
[url=http://www.geocaching.com/about/guidelines.aspx]As Guidelines são regras[/url]

More
Hidden : 09/23/2012
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:



Flora Algarvia


Alecrim (Rosmarinus Officinalis)

É um arbusto comum no Mediterrâneo. Que surge até 1500 m de altitude e em solos de origem calcária. O Alecrim tem um aroma bastante característico.

Alfarrobeira (Ceratonia siliqua)

É uma árvore de folha persistente da região mediterrânea. Esta árvore pode atingir até 20 metros de altura. O fruto da alfarrobeira é a alfarroba. Esta planta foi presumidamente trazida para Portugal, Espanha e África pelos árabes.

Laranjeira (Citrus x sinensis)

A laranjeira é uma árvore de família Rutaceae. A laranja é uma fruta criada na antiguidade a partir do cruzamento do pomelo com a tangerina. A laranjeira foi trazida pelos portugueses, da China para a Europa no século XVI.


Amendoeira (Prunus dulcis)

É uma árvore de folha caduca da família Rosaceae. A amêndoa é a semente do fruto da amendoeira e é considerada um fruto seco. Existe em Portugal, principalmente nas regiões do Douro e do Algarve. Da amêndoa podem ser extraídos óleos e outros produtos com propriedades medicinais.

Sobreiro (Quercus suber)

É uma árvore da família do carvalho, também conhecida como o sobro ou sobreira. O sobreiro é de onde se extrai a cortiça e é por isso que tem sido cultivado desde há muito tempo. O sobreiro é cultivado principalmente no sul da Europa, sendo natural da vegetação da Península Ibérica. É por isso bastante comum na Espanha e em Portugal. A cortiça é utilizada para o fabrico de isolantes térmicos e sonoros. Portugal é o maior produtor mundial de cortiça.

Azinheira (Quercus rotundifolia)

É uma árvore da família das fagáceas e pode chegar a atingir 10 metros. São originárias do Mediterrâneo e Norte de África. Têm uma madeira bastante dura e resistente, sendo utilizada desde a antiguidade até aos dias de hoje em vigas ou pilares, na fabricação de ferramentas, de embarcações e barris. Hoje em dia, a sua madeira é utilizada como lenha ou no fabrico de carvão, sendo uma importante fonte de combustível em Portugal.

Esteva (Cistus ladanifer)

É uma planta da família Cistaceae. Cresce naturalmente no sul de França, de Portugal e no noroeste de África. É um arbusto que atinge de 1 a 2,5 metros de altura e largura. Tem folhas persistentes recobertas com uma resina aromática. O seu nome vem do grego ciste, que significa caixa ou cesto.

Eucalipto (Eucalyptus spp.)

O nome científico da planta é Eucalyptus, mas este nome pode ser usado para designar outras plantas da mesma família. São em termos gerais árvores e em poucos casos arbustos. Existem mais de 700 espécies de eucaliptos, na sua maioria originárias da Austrália, constituindo grande parte da sua flora. Os eucaliptos adaptam-se a todas as condições climáticas.

Figueira (Ficus carica)

As figueiras são plantas, na sua maioria árvores da família Moraceae. Também são conhecidos como fícus, gameleira, gomeleira e caxibunga. Em todo o mundo há mais de 1000 espécies de figueira, especialmente em regiões de clima tropical e subtropical com presença de água. As figueiras podem crescer de uma forma muito energética, as suas raízes conseguem deformar as paredes das casas quando cultivadas perto destas.

Castanheiro (Ranunculus ficaria)

O castanheiro é uma árvore de grande porte, bastante comum no interior norte e no centro de Portugal. O fruto do castanheiro, o ouriço, contém no seu interior a castanha, que no século XVII, constituiu parte da base da alimentação portuguesa. O castanheiro tem também madeira de grande qualidade, o castanho. Sempre foi uma árvore bastante conhecida na Península Ibérica. Hoje em dia, a castanha está ligada ao São Martinho e ao Mangusto. Nestes as castanhas são comidas, assadas ou cozidas.



Limoeiro (Citrus limon)

Os limoeiros são árvores pertencentes à família das rutáceas, existindo cerca de 70 variedades, entre elas o limoeiro Lisboa. São árvores pequenas, espinescentes, muito ramificadas e reproduzem-se em estacas em solo arenoso e adubado, preferencialmente em regiões de clima quente ou temperado. A árvore dá limões durante todo o ano. Esta é originária do sudeste da Ásia e foi trazida para a Europa, da Pérsia pelos árabes. Os limões foram usados no século XVIII como cura para o escorbuto. Actualmente, o limão tem várias aplicabilidades como na produção de comida e bebidas, de remédios e xaropes e a sua casca pode ser usada para fazer licores e sabões. É ainda um remédio tónico que ajuda a manter uma boa saúde, sendo um bom anti-séptico e ajudando a combater infecções, febres, gripes, entre outras.

Medronheiro (Arbutus unedo)

O medronheiro é uma árvore frutífera portuguesa, também conhecida como Érvodo, Ervado, Ervedeiro, Ervedo ou Êrvedo. A árvore pode crescer até aos 5 metros, tem ramos que brotam do tronco a 0,5 metros do solo; também são bastante espaçados entre si. O medronheiro tem folhas persistentes de forma elíptica, com um brilho ceroso na face superior. As flores brancas e rosadas da árvore são muitas vezes usadas como decorativos, por isso a árvore é considerada uma árvore ornamental. O seu fruto, o medronho, é comestível e bastante apreciado no sul de Portugal, é também usado na produção de licores e aguardentes.

Em 1995 o medronheiro ocupava 13,1% da área florestal do Algarve.

Oliveira (Olea europaea)

As oliveiras pertencem à família Oleaceae. São árvores baixas, originárias das regiões orientais do Mar Mediterrâneo. O seu fruto, a azeitona, tem sido usado desde tempos remotos, já no período neolítico, os homens aprenderam a extrair o azeite da azeitona, que foi usado como unguento, combustível e na alimentação. As oliveiras têm uma grande longevidade, pensa-se que algumas oliveiras na palestina, têm mais de 2500 anos de idade. As oliveiras e a azeitona são referidas em algumas passagens da Bíblia.

Pinheiro-bravo (Pinus pinaster)

O pinheiro-bravo é uma espécie de pinheiro, originário da Europa e do Mediterrâneo. É uma árvore de altura média, atingindo entre 20 e 35 metros de altura. Nas árvores jovens, a copa tem forma de pirâmide e nas árvores adultas, a copa é arredondada. O tronco destes pinheiros é coberto por uma casca muito espessa, rugosa, castanha e fendida. As suas folhas são persistentes e têm forma de agulhas com cerca de 15 cm. Tem flores masculinas e femininas juntas no mesmo pé (floração monóica). A árvore começa a florescer em Fevereiro e acaba em Março. Os seus frutos, as pinhas amadurecem no final do verão do segundo ano e depois libertam várias sementes, conhecidas mais vulgarmente como pinhão.

Em Portugal, os pinheiros apareceram espontaneamente na costa, em solos arenosos a norte do Tejo, onde encontraram boas condições climáticas. Actualmente o pinheiro encontra-se em todo o país, devido à acção do homem. O pinheiro-bravo representa 70% da área plantada da Ilha da Madeira e 40% da área florestal de todo o país.

Os pinheiros-bravos foram abundantemente plantados, devido a um grande interesse económico por estes. Os pinheiros proporcionam uma grande produção de madeira e devido ao seu enraizamento permite a recuperação de solos pobres e erosionados. A sua madeira resinosa, clara, com muitos nós é durável, pesada e pouco flexível é usada em carpintaria, caixotaria, construção naval, combustível e celulose e a sua resina é usada na indústria de tintas, vernizes e aguarrás.

Pinheiro-manso (Pinus pinea)

O pinheiro-manso é uma espécie de pinheiro, originária da região do Mediterrâneo. Desde a pré-história que esta árvore é usada como fonte de alimento, devido aos pinhões que produz. O pinheiro-manso pode atingir mais de 78 metros de altura, embora geralmente tenha entre 12 e 20 metros. A árvore tem uma forma bastante característica de guarda-chuva. O seu tronco é curto e largo e tem uma copa muito larga.


/> free counters

Additional Hints (Decrypt)

Cvahf cvarn

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)