Traditional Geocache

A Lenda do Cabeço do Cruto - Fungalvaz

A cache by JoanCarl Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 12/31/2012
In Santarém, Portugal
Difficulty:
3 out of 5
Terrain:
4.5 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


A Lenda do Cabeço do Cruto - Fungalvaz

Uma lenda... Talvez um pouco de realidade e possivelmente a origem de Fungalvaz

Diz a lenda, que tem passado através das sucessivas gerações, que no local do Cabeço do Cruto, na vertente virada a Norte, onde ainda hoje se encontram vestígios de uma muralha, já desmoronada, ter existido, uma fortaleza ou castelo, nome que ainda hoje denomina a região: castelo esse fundado por Gonçalo Vaz, a quem, em algumas das hipóteses se atribui, que tenha derivado o nome de Fungalvaz. Esse castelo remota ao tempo da reconquista da Península aos Mouros e ainda com ligações regionais de defesa como por exemplo a velha cidade de Beselium, hoje completamente desaparecida e no local onde se situa a povoação de Beselga.
Uma outra, seria a hipótese da defesa de uma das passagens da via romana, entre Santarém e Leiria, com passagem por Tomar, castelos de Ourém...
Nesse percurso se situa o dito castelo e a uma curta distância , e na mesma rota, o Vale Santo, que como o nome sugere: seria paragem de peregrinações, que talvez, até se deslocassem a Santiago de Compostela, e local de culto, onde também se encontram vestígios, e se supõe haver um Templo soterrado, pena é, não se procederem a trabalhos arqueológicos, nestes dois referidos locais, para que se pudesse apurar aquilo a que podemos chamar suposto ou real. Diz então a lenda: Estando um dia, de vigia ao dito castelo, que se teria chamado de Gonçalo Vaz, um dos seus alcaides, já pela noite fora, acompanhado por uma das filhas que fazia companhia ao pai, aproveitando o tempo, quando esta notou que, havia qualquer coisa de estranho, a movimentar-se no horizonte e a curta distância, disse para o seu pai : “ Ó pai as moitas andam! “ ,
Diz o pai para ela: “ Filha, as moitas são aqueles arbustos fixos, não se movem ! “
Diz a lenda, que nessa mesma madrugada, o castelo foi tomado de assalto pelos Mouros, que vinham camuflados com os ditos arbustos , que ainda hoje abundam naquela região.
Instalando-se aí, fizeram várias coisas, entre as quais: a perfuração de acesso e amplificação no interior do citado Cabeço do Cruto, onde não há vestígios de tal, podendo no entanto a entrada ser apenas pela parte Norte e dentro da fortaleza, supondo que isto tenha sido real, o facto do dito cabeço, ter servido de habitáculo.
Surgiu muito mais tarde, talvez já no século XX, uma testemunha, afirmativa e convicta, que nos seus tempos de ainda jovem, passava algumas noites numa propriedade que possuía no sítio, chamado as Minas, que se situa na base do citado Cabeço do Cruto, onde guardavam alguns produtos agrícolas, em fase de criação, que eram pelos animais de caça.
Essa testemunha descreveu o seguinte: “ eram cerca das 3 horas da manhã, ouvi um estranho som musical, parecendo vir á mistura com gemidos de seres humanos, acompanhados por vezes com melodiosos e suaves sons de instrumentos de cordas, como violinos á mistura com coros celestes.”
O ouvinte ficou surpreendido e ao mesmo tempo encantado.
Pensou: “ Afinal estou a sonhar ou é a realidade? “
Acabou por ver que era mais do que real, abandonou o local, cheio de medo com a situação, á medida que se ia afastando do local, ia deixando de ouvir, a cerca de 400 metros, voltou para trás, a confirmar, á medida que se ia de novo aproximando, a audição ia subindo de volume, voltando, então definitivamente á sua casa no Casal de S. Lourenço. Espavorido e sensibilizado com o encanto musical, contou á sua esposa.
Termina o lendário á mistura com o que alguém afirmou de real, não esquecendo que ao falar de Mouros, temos muito próximo desta localidade a Fonte da Moira e o Cabeço da Moira, onde se afirma real, ter sido vista por gerações anteriores, uma Moira de cabelos compridos, que lhe chegavam, da cabeça aos pés.
O local situa-se, na estrada - Fungalvaz – Carregueira, no lado direito, na posição Sul-Norte.

A CACHE
Para chegar à cache basta seguir os pontos adicionais (Waypoint's).
O container contém stashnote e logbook.
Levem material de escrita.
Divirtam-se e boas cachadas.
Não mudem o container se sítio por favor, deixem tudo como encontraram.


PÓDIO

Additional Hints (No hints available.)



 

Find...

75 Logged Visits

Found it 71     Didn't find it 1     Publish Listing 1     Needs Maintenance 1     Owner Maintenance 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 13 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 4/17/2017 5:57:50 PM Pacific Daylight Time (12:57 AM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum