Skip to Content

This cache has been archived.

btreviewer: Esta geocache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante uma situação de falta de manutenção.
Relembro a secção das Linhas de Orientação que regulam a manutenção das geocaches:

O dono da geocache é responsável por visitas à localização física.

Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Se no local existe algum recipiente por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Uma vez que se trata de um caso de falta de manutenção a sua geocache não poderá ser desarquivada. Caso submeta uma nova será tido em conta este arquivamento por falta de manutenção.

btreviewer
Geocaching.com Volunteer Cache Reviewer
Work with the reviewer, not against him

More
<

Viscondessa dos Olivais

A cache by JARC68 Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 10/02/2013
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

D. Maria Rosa da Veiga Araújo

Viscondessa dos Olivais

 


Gravuras segundo

Revista “O Ocidente” XV Volume, nº 490 – 15º Ano, de 1 de Agosto de 1892

D. Maria Rosa da Veiga Araújo, Viscondessa dos Olivais, viúva do primeiro visconde do mesmo título, nasceu na freguesia de S. Lourenço de Macau, em 1823, filha de Joaquim José Ferreira da Veiga e de D. Rosa Joaquina Paiva,

A sua vida foi sempre um exemplo das mais sãs virtudes, quer no seio da família, quer no meio da sociedade, devotada ao bem como a maior satisfação do seu coração bom e generoso, lidando sem cessar na cruzada da caridade, ideal da sua grande alma que toda se comprazia em tão santa prática.

Dirigindo a Srª viscondessa dos Olivais por muitos anos o asilo da Lapa, pertencente à sociedade das Casas de Asilo, quis em 1866, fundar um asilo seu, mantido pela sua bolsa e sob o mesmo regime dos asilos da referida sociedade.

Escolheu para esta fundação a freguesia dos Olivais, às abas de Lisboa, onde naquele tempo não existia uma só casa de educação e muito menos de beneficência.

Foi este um monumento que levantou em vida, em benefício de tantas crianças que ali recebem o pão do espírito e do corpo, e que para a ilustre finada constituía os seus melhores cuidados, a sua maior satisfação.

Era de ver a alegria com que todos os anos, no dia 24 de Maio celebrava o aniversário daquela casa de caridade, onde repetidas vezes ia assar horas em companhia das crianças, dizendo que preferia ir ali, a ir ao teatro de S. Carlos, sentindo-se muito mais feliz no meio das educandas do seu asilo, do que em camarote de ópera, entre as galas de uma récita de festa.

Este simples traço desenha o perfil moral da benemérita senhora a que a “Sociéte de l’encoragement au bien” de França distinguiu, em 1886, com uma medalha de honra pelos serviços prestados à humanidade.

A Srª viscondessa dos Olivais tinha uma das mais vastas lavouras de Portugal, na margem direita do Tejo, onde se cria grande quantidade de gado cavalar e touros, e se fez em larga escala a cultura de cereais, tendo adotado nestas suas propriedades os instrumentos mais modernos da agricultura.

Desprendida das galas e vaidades do mundo, a modéstia era a norma do seu viver, e uma das cláusulas do seu testamento foi a de que o seu funeral se fizesse sem pompa, desejando antes os sufrágios espirituais do que as pompas vaidosos dos crepes funéreos.

Como nota histórica desta velha localidade de Lisboa, sabe-se que o Campo da Feira, nas traseiras da Igreja Matriz passou a denominar-se Rossio e, hoje, Largo Viscondessa dos Olivais.

O Rossio foi traçado logo após o grande terramoto de Lisboa em 1755 que destruiu a Igreja Paroquial, onde só o cruzeiro ficou intacto no adro da Igreja Matriz, foi oferecido no ano de XPTO, por Francisco de Paiva, da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, conforme é atestado na pedra que lhe serve de base

O Rossio viu, então, crescer nas suas imediações os primeiros arruamentos: a Rua das Casas Novas, a Calçadinha dos Olivais e a Rua Nova, tendo sido beneficiado em 1891 – de um chafariz de tanque circular e de um coreto em ferro fundido, assente sobre uma base de tijolo, onde a Sociedade Filarmónica União e Capricho Olivalense, criada em 1886, realizava concertos.

Vista panorâmica do Largo do Rossio dos Olivais

Coordenadas da lapa

N 38º 46,(X)(T-X)(O+T-X)

W 09º 06,(T)(X+P)(O-T+X)

--------------------------------------------------------

Boas buscas e deixem tudo no lugar.

Podes verificar a solução deste puzzle no GeoChecker.com.

 

Additional Hints (Decrypt)

Zvpeb-Yncn Zntaégvpn

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

260 Logged Visits

Found it 205     Didn't find it 27     Write note 10     Archive 1     Temporarily Disable Listing 6     Enable Listing 5     Publish Listing 1     Needs Maintenance 2     Owner Maintenance 1     Post Reviewer Note 2     

View Logbook | View the Image Gallery of 26 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.