Skip to content

<

[026.CDV] - O Guardião da Velha Lixeira

A cache by geocadaval Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 12/11/2013
Difficulty:
4 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   not chosen (not chosen)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:



Numa noite de luar muito fria, por volta das cinco da madrugada, os amigos Luís, António e Arnaldo foram passear ao Vale da Palha. Caminhavam pelos eucaliptais à imenso tempo em busca de Javalis, o Luís odiava fazer isso, preferia estar em casa no quentinho da lareira, assistindo à Casa do Segredos e comendo uns amendoins, mas por vezes acompanhava os amigos nestas aventuras.
Ao chegarem à antiga Lixeira que já está desactivada há mais de nove anos, o Luis tentando não parecer aterrorizado pediu: “Vamos embora daqui, eu odeio este lugar”.
“Deixa de ser medroso” – respondeu o Arnaldo. “Vamos até a casa abandonada que está daquele lado e dar uma olhada, estou a precisar de uma aventura.” – referiu ele com a voz excitada.
António riu e começou a andar em direcção à casa, os outros dois seguiram-no. Aproximaram-se da entrada das ruínas da antiga casa do Guardião da Lixeira e olharam para ela, que em tempos  era grande e tenebrosa ao mesmo tempo.
Os três jamais viram alguém a morar naquele lugar, o dono da propriedade abandonou-a à mais de cinquenta anos e nunca mais voltou, nunca vendeu ou alugou. Os moradores da região até evitam passar perto com medo, dizem que o lugar é assombrado.
Alguns anos antes o filho do proprietário, neto de um homem muito importante da aldeia vizinha, ia casar-se com uma linda mulher que morava noutro lugar. No dia do casamento, oito de Dezembro, o seu melhor amigo levou-o à sua futura casa dizendo que lhe queria mostrar algo. Chegados lá, ao entrar no quarto onde a noiva dormia, encontram-na na cama com outro homem. Num momento de desespero o noivo saca de uma faca e mata a noiva e o amante. Momentos depois, ele não conteve a agonia e enfiou a faca no seu coração. Supostamente os fantasmas dos três ficaram na casa onde diz a lenda que o fantasma do noivo tortura os outros.
Arnaldo foi o primeiro a entrar, pulou as pedras e os troncos e foi em direcção à casa. Olhou para trás e viu os outros dois a saltar também e continuou até chegar à porta. O Luís ficou parado no meio do caminho.
“Eu não entro, estou a sentir-me mal, alguma coisa me diz que deveríamos ir embora.” – disse o amigo com voz trémula.
Os outros dois não deram importância. Voltaram-se para a casa e olharam pela porta. Eles espantaram-se porque podiam ver muito bem o que tinha dentro da casa somente com a iluminação da lua que entrava pelo telhado que já não existia. E no seu imaginário, a sala de entrada era enorme e toda a mobília parecia estar lá, porém coberta com lençóis.
“A porta da frente esta aberta!!.” – Disse António.
Os dois entraram, o lugar noutros tempos devia ser lindo, descobriram restos de alguns móveis, mas parecia que mais alguém estava ali presente.
Momentos depois Arnaldo disse “ António, vamos embora, vamos embora, que o Luís está lá fora á nossa espera.” – Gritou Arnaldo para que seu amigo pudesse escutá-lo.
António não respondeu, o Arnaldo virou-se para ir até a saída e deu de caras com alguém, não pôde ver quem era porque a luz vinha de trás da pessoa, apenas se via o vulto. Uma coisa ele tinha certeza, era um Homem alto vestido de negro. Seu corpo congelou e riu tentando disfarçar o susto.
“Essa foi boa António, quase me mataste de susto. Vamos embora, já tive muito para uma noite só, este lugar já me está a dar arrepios.” – disse Arnaldo irritado.
António continuou calado. Arnaldo ficou inquieto olhando o suposto amigo e começou a andar em sua direcção, aquele vulto negro também moveu-se ao seu encontro. Algo mudou na visão de Arnaldo, parecia que o vulto tinha puxado uma faca de lado, ele começou a ficar preocupado e parou de andar.
“As Brincadeiras têm limites, pára com essas coisas António.” – gritou ele.
Aquele vulto grande e negro também parou de andar, a luz da lua iluminou o interior do capote e Arnaldo gritou. A imagem o aterrorizou e ele se arrependeu de ter entrado na casa. Ali na sua frente estava o fantasma do noivo, ausência de rosto não expressava sentimento mas mesmo assim ele sentiu que o ia matar.
“António!” – foi a única coisa que ele conseguiu gritar, pois o terror o mantinha congelado e sem ar.
António apareceu rapidamente, quando viu a cena correu directo para a porta a gritar. O Luís estava bem perto, apenas a quatro passos, mas parecia que não o ouvia nem via. O Homem de negro não lhe deu muita atenção, ele continuava apenas a encarar o Arnaldo que por sua vez correu para ajudar o amigo.
“Pensaste que ias escapar de mim por toda a eternidade malandro?” – disse o fantasma se aproximando dos dois.
O noivo agarrou Arnaldo pelo cabelo e apunhalou no coração. O rapaz ficou a agonizar por um tempo enquanto António fazia a sua última oração.
“Desaparece daqui tu não tens nada a ver com esse traste.” – disse o noivo.
“Não, por favor António” – gritou Arnaldo.
António assustou-se ainda mais ao ver o espírito de Arnaldo segurado por aquela coisa.
Lembrou-se da lenda daquela casa e então entendeu que aquele homem grande vestido de negro era a reencarnação do Guardião da Lixeira que se tinha apunhalado ali mesmo, correu e levou o Luís embora com ele.
Contou a história a todos, mas ninguém acreditou. O corpo de Arnaldo nunca foi encontrado pelas autoridades que vasculharem toda a casa e os arredores.
António foi internado seis dias depois, dizia estar a ser assombrado pelo fantasma do Guardião da Velha Lixeira.
E quanto a casa, continua lá, sozinha e sombria,
                        talvez à espera de uma visita tua...


________________________________________________________
 ___________________

Para chegares às coordenadas finais desta cache
N 0AF GA.BCA   W 00F 0D.CEC
terás de fazer um pequeno teste de interpretação. 
Responde a umas perguntas sobre o texto que acabas-te de lêr:
 
A – Quantos são os amigos
B – A que horas foram os amigos passear
C – A quantos passos estava o Luís
D – Qual o dia do casamento
E – Quantos dias para o internamento do António
F – Quando foi desactivada a lixeira
G – Quantas facas tinha o Noivo

Espero que tenhas gostado do texto, 
pois de certo que vais gostar de fazer a cache.

___________________
________________________________________________________




Projecto GeoCadaval "Cadaval - A Flôr do Oeste"
. .


Additional Hints (No hints available.)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.