Skip to Content

This cache has been archived.

MightyREV: Esta cache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante as situações relatadas.
Relembro a secção das Guidelines sobre a manutenção http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=307#maint :

[quote]Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

A região onde um geocacher é considerado capaz de manter geocaches responsavelmente irá variar de pessoa para pessoa. Um geocacher que anteriormente fez registo de geocaches numa área alargada a partir da sua residência pode ser considerado habilitado a manter uma geocache a 200 milhas (322 Km) de distância. Contudo, alguém cujas actividades de geocaches têm sobretudo estado dentro da distância de 25 milhas (40km) de sua casa não deverá estar preparado para manter uma geocache tão distante de casa. O critério usado nesta situação fica a cargo do revisor da geocache ou pela Groundspeak.

Por causa do esforço requerido para manter uma geocache, por favor coloque geocaches físicas no seu espaço habitual de geocaching e não em sítios para onde costuma viajar. Geocaches colocadas durante viagens não serão muito provavelmente publicadas a menos que possa fornecer um plano de manutenção adequado. Este plano deve permitir uma resposta rápida a problemas reportados, e deverá incluir o Nome de Utilizador de um geocacher local que irá tomar conta dos problemas de manutenção na sua ausência. Alternativamente poderá treinar uma pessoa local para fazer manutenção à geocache. Documente o seu plano de manutenção numa Nota ao Revisor ou na sua página de geocache. Isto deverá incluir a informação contacto da pessoa que irá efectuar a manutenção. A nota irá ser apagada automaticamente aquando da publicação.[/quote]

Se no local existe algum recipiente por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Como owner, se tiver planos para recolocar a cache, por favor, contacte-me através do mail indicado no meu perfil e refira o GC Code da cache.
Lembro que a eventual reactivação desta cache passará pelo mesmo processo de análise como se de uma nova cache se tratasse, com todas as implicações das Guidelines actuais.

Obrigado

[b] MightyREV [/b]
Geocaching.com Volunteer Geocache Reviewer
Revisor Voluntário em Geocaching.com

[url=http://support.groundspeak.com/index.php]Centro de Ajuda Groundspeak[/url]
[url=http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=340]Trabalhar com o Revisor[/url]
[url=http://support.groundspeak.com/index.php?pg=kb.page&id=77]Como ter uma cache publicada (mais) rapidamente[/url]
[url=http://www.geocaching.com/about/guidelines.aspx]As Guidelines são regras[/url]

More
<

Conhecer Vale de Cambra - Macieira de Cambra

A cache by AGonçalves Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 02/13/2014
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Translation

Conhecer Vale de Cambra - Macieira de Cambra

A vila de Macieira de Cambra é, sem dúvida, de origem muito antiga, perdendo-se essas suas origens em tempos imemoriais.

Recuar a fundação da freguesia até à pré-história é possível, muito embora não se possa datar com segurança os vestígios de ocupação humana, desses tempos tão remotos.

Referências a achados ou monumentos pré-históricos atestam o povoamento destas terras. Sendo, do ponto de vista administrativo, a freguesia mais antiga, aparece mencionada em vários documentos medievais, tendo dado origem ao topónimo do concelho.

A primeira referência escrita acerca da freguesia encontra-se num documento de doação anterior à fundação da nacionalidade no qual, no ano de 992, Ordonho II de Leão e Castela dá estas terras ao Bispo D. Gomado do Mosteiro de Crestuma.

Talvez lhe tenha sido concedido foral nos inícios da nacionalidade, no tempo de D. Sancho I, já que no foral de D. Manuel I, concedido séculos mais tarde se fazem referências ao maço 5 dos forais antigos.

A Macieira está também ligada, ainda nos tempos medievais, uma história de amor pois era desta freguesia D. Constança Afonso, irmã de D. Gomes Gil de Severosa, que se enamorou do filho bastardo de D. Sancho I e de D. Maria Paes Ribeiro, D. Rodrigo Sanches. Esses amores conduziram a um duelo entre o amante e D. Martinho Gil de Severosa, cujo desfecho foi a morte do primeiro. Trágico amor vivido em Macieira, do qual ficou um filho, D. Afonso Rodrigues, criado e educado no convento de Grijó, onde se tornou franciscano.

Pertencendo ao Julgado Medieval de Cambra, é mencionada nas Inquirições de D. Dinis onde se refere que na paróquia de Santa Maria de Macieira havia, no lugar deste nome, a 'quintã' e paço de Afonso Pais, estendendo-se a honra a cinco casais; no lugar de Tagim, havia a 'quintã' de Gonçalo Dias; no de Mulhudos, havia outra 'quintã' que honrava toda a aldeia, compreendendo sete casais do mosteiro de Pedroso e no de Padastros existiam cinco casais de mosteiros, sendo estes com toda a aldeia uma honra.

Também no lugar do Paço, havia a chamada 'quinta velha' (honra antiga) que fora de Henrique Magro. Acerca deste fidalgo o nobiliário medieval chamado do conde D. Pedro diz o seguinte: 'Em tempo de el-rei D. Afonso, o que filhou Toledo - D. Afonso VI de Leão - havia um mouro em Córdova que era rico-homem e mui fidalgo e de grande campanha e era mui bom cavaleiro de armas, e veio-se para el-rei D. Afonso, e el-rei D. Afonso o rogou tanto, que o houve a tornar cristão, e baptizou-o e foi seu padrinho, e pôs-lhe nome D. Fernando Afonso e herdou-o mui bem, e casou-o com D. Urraca Gonçalves que tiveram uma filha e um filho de nome D. Henrique Fernandes, por sobrenome D. Henrique Magro'.

Foral "Terras de Cambra"
Foral 'Terras de Cambra'

A 10 de Fevereiro de 1514 é concedido foral à Vila de Macieira por D. Manuel I. Tornando-se assim, sede do concelho, ainda hoje é visível na praça o Pelourinho, símbolo do poder municipal.

Quando as terras de Cambra foram doadas a Ferrão Pereira, pai de Rui de Pereira, 1.0 Conde da Feira, ficou pois Macieira a pertencer ao senhorio dos condes da Feira. Desta forma, incluída durante séculos, nas chamadas 'Terras de Santa Maria', vastíssimo e rico território cuja jurisdição tinha por sede o castelo de Santa Maria da Feira, nelas permaneceu até à extinção da Família dos Pereiras, por morte de D. Fernando, 8.° Conde da Feira, passando então para a casa do Infantado, onde esteve até à sua extinção em 1834, com o advento do liberalismo.

As muitas mudanças políticas do séc. XIX e XX reflectem-se também no concelho de Macieira que modernamente criado pelo decreto de 16 de Maio de 1832 vem a sofrer muitas alterações. Assim, após a reformulação de 1832, é extinto em 1836 e novamente criado em 1840.

Em 1867 a 10 de Dezembro é outra vez extinto e anexado a Oliveira de Azeméis. Volta a ser emancipado e, uma vez mais, anexado a Oliveira de Azeméis a 21 de Novembro de 1895, para em 1898 pelo decreto de 13 de Dezembro voltar a adquirir autonomia, até à criação do concelho de Vale de Cambra pelo decreto 12.976 de 31 de Dezembro de 1926 que transferiu a sede do concelho para o lugar da Gandra na freguesia de Vila Chã. Desta forma, extingue-se o concelho de Macieira de Cambra dando lugar ao concelho de Vale de Cambra.

A 20 de Maio de 1993 pelo decreto lei n.° 40/93 publicado a 2 de Julho, Macieira de Cambra foi de novo elevada a vila, retomando o seu 'velho estatuto' que lhe confere por direito o titulo de vila histórica e que leva a que, a história do concelho de Vale de Cambra passe por Macieira, uma vez que foi durante séculos, a sede do concelho.

O seu orago é N.ª Senhora da Natividade, tendo sido ao longo dos tempos Macieira referenciada na toponímia como 'Sancta Maria de Maceneyra que est in Calambria' (ano de 1179, RM, Pedroso p. 96; ADA XIV. 76), ou 'Sancta Maria de Maceeira de Calambria' (ano de 1345 ADA XIV. 76).
A Igreja de Santa Maria de Macieira é obra muito antiga surgindo mencionada no reinado de D. Dinis, em 1320 (Rol. A, cfr. HI II. 670) onde se pode ler 'Ecclesiam de maceeira'.

Espiritualmente e, em tempos muito remotos. Macieira, tal como as restantes terras de Cambra, esteve incorporada nos domínios da diocese de Mérida, sendo depois incluída no património do bispado de Coimbra, criado muito antes da fundação de Portugal. Do arcediago do Vouga, bispado de Coimbra, segundo documentação do séc. XIV, nele se manteve até a criação do bispado de Aveiro em 1774, onde se manteve até 1882, quando por extinção deste bispado, transitando então, para a diocese do Porto, onde ainda se encontra. Nessa altura pertencia ao então criado Distrito Eclesiástico de Cambra.

Depois, quando transitou para o Porto foi incluída na Comarca Eclesiástica de Arouca constituindo o distrito ou vigaria da Vara n.°3 - Macieira de Cambra, da dita comarca.

Quando em 1916 surge o agrupamento por vigararias, cria-se a vigararia de Macieira de Cambra, sendo que actualmente esta paróquia faz parte da vigararia do concelho de Cambra, a 6.ª Vigararia, formada por Cambra e Carregosa.

Juridicamente da Comarca de Esgueira, em 1527, passou sucessivamente para as comarcas de Estarreja em 1839, de Arouca em 1852 e de Oliveira de Azeméis em 1874. Na actualidade pertence à Comarca de Vale de Cambra, desde a sua criação em 1980, pelo decreto-Lei n.° 87 de 14 de Abril.

Fonte: http://www.jf-macieiradecambra.pt/index.shtml

A Cache

É uma caixa de tamanho micro , contém unicamente logbook, por isso não se esqueçam de levar algo para escrever.

O local está localizado na praça principal isto quer dizer, muitos muggles por isso tenham muito cuidado, recomendo que a façam à noite.

Por favor, deixe o recipiente colocado da mesma forma como o encontrou e não estrague nada!

A sobrevivência desta cache depende de si!!!



This page was generated by GeoPT Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

Fragn-gr

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.