Skip to content

<

Trabalhadores da Quinta da Batoca

A cache by suvl Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 03/08/2014
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size:   large (large)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Trabalhadores da Quinta da Batoca

Esta cache pretende trazer os visitantes a conhecer os aldeamentos abandonados dos trabalhadores da Quinta da Batoca. Observem as condições de vida e imaginem o ambiente que se vivia. Terão a oportunidade também de visitar no íntimo uma dessas casas.


Translation

Trabalhadores da Quinta da Batoca

A quinta da Batoca pertenceu ao grande poeta Guerra Junqueiro, escreve mesmo na parede da galeria desta casa, desabafos como este: 

'Quanta vida me consome, Quanta quimera perdida. Quanto sonho, quanta lida, Tudo em vão. Quantos caminhos trilhados. Quantos passos mal andados. Quantos ais e quantos brados

Tudo em vão…'

Retirado de: http://ligares.blogspot.pt/2010/03/quinta-da-batoca-ao-fundo-e-o-rio-douro_22.html

Oriundo de Vilar de Amargo, o feitor da Quinta da Batoca tem um pretérito imperfeito a bailar na boca. As terras que, do alto de Ligares, piscam o olho a Barca d'Alva significavam tudo para ele. A quinta, das maiores do Douro, 'era um jardim perfumado, de vinhas, olivais e amendoeiras', gerando cobiças e atiçando invejas. O escritor Guerra Junqueiro, proprietário, conquistou-a, a palmo, à aridez e pedra rude, mas também à manha e astúcia de uns quantos. Com prosa bruta inscreveu na paisagem um poema visual, de enlevos homéricos. Deixou versos pela casa, esboçados na cal, que agora se vão descascando e apagando como recordações ténues. 'Plantou a maioria das oliveiras e ainda se dedicava a partir miolo de amêndoa na varanda, ao serão', conta, de ouvir, Mário dos Anjos.

A casa está trancada há décadas. A fundação que leva o nome daquele que zurziu o sarrafo na monarquia e no povo 'resignado' bem tentou abrir portas a residências artísticas, inspirando exuberâncias literárias ou da mesma espécie. Nada feito, sentenciaram os poderes de Estado e a penúria autárquica. Mágoas que nem o restauro dos cardenhos, a apanha da azeitona ou os cachos que Mário leva ao Porto conseguiram apagar. 

Retirado de: http://visao.sapo.pt/o-paraiso-esquecido-do-douro-e-as-historias-que-moram-la=f683417#ixzz3AxmWBzrU

 

A Casa

A casa e terreno envolvente é minha propriedade pessoal.

Esta foi a casa de nascimento da minha mãe, bem como dos seus 4 irmãos. Esses, partiram para o Brasil. Ficou ela, com os seus pais.

Aqui viveram durante alguns tempos. Estas eram as casas dos trabalhadores da quinta. Geralmente, encontravam-se envolvidos nos seus trabalhos regulares, no modelo de pagamento da jeira (pagamento do dia de trabalho). No restante tempo, praticavam a sua agricultura de subsistência, providenciando o necessário aos seus.

Nesta pequena casa, um T0 que mete inveja aos mais minimalistas decoradores dos dias de hoje, viviam 6 pessoas. Ao lado dela, animais: porcos, cavalos, galinhas. Conseguem encontrar, no meio das ruínas, os espaços para esses bichos?
A partir desta casa seguiam para a escola, subindo até à estrada de onde vocês vieram. Iam e regressavam, todos os dias, até Freixo de Espada à Cinta. Partiam durante a noite, regressavam já novamente à noite. Tentem sentir. E tentem comparar com o hoje.

Sintam-se à vontade para explorar a casa e o terreno amuralhado à sua frente. Está tudo à vossa disposição. Hoje em dia, é usado para o cultivo da azeitona.

Olhem para cima, vejam um aldeamento maior, com casas mais próximas. Sintam-se também à vontade para explorar, os donos morreram há muito e os seus filhos deixaram tudo nesse estado. Álbum completo



This page was generated by GeoPT Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

Erpbaurprz hz tnyvaurveb?

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.