Skip to content

This cache has been archived.

btreviewer: Esta geocache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante uma situação de falta de manutenção.
Relembro a secção das Linhas de Orientação que regulam a manutenção das geocaches:

O dono da geocache é responsável por visitas à localização física.

Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Se no local existe algum recipiente por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Uma vez que se trata de um caso de falta de manutenção a sua geocache não poderá ser desarquivada. Caso submeta uma nova será tido em conta este arquivamento por falta de manutenção.

btreviewer
Geocaching.com Volunteer Cache Reviewer
Work with the reviewer, not against him

More
<

Pinheiro Bravo - Martim Pêga

A cache by c.pacotesacucar Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 02/04/2015
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

NOTA: É necessário levar material de escrita pois a cache não tem nenhum!

Pinheiro Bravo - Martim Pêga

Família:Pinaceae
Publicação:1789 
Distribuição geográfica:norte da região mediterrânica, zonas atlânticas do sul de França, Espanha e Portugal. No nosso país a sua área primitiva de distribuição litoral alarga-se às serras lusitanas sobretudo graças à iniciativa privada (em particular a partir do início do séc. XIX, com a privatização das propriedades das ordens religiosas e com a desamortização dos baldios) e à acção reflorestadora dos serviços florestais a partir de 1886, das quais ainda hoje se colhem os proveitos. Primitivamente esta espécie estendia-se pelo interior de Portugal (Pinus pinastersubsp.escarena), porém as populações indígenas acabaram por se extinguir, pelo efeito conjugado do fogo e da poluição genética, consequência das arborizações massivas com plantas litorais de Pinus pinastersubsp.atlantica
Caducidade:persistente 
Altura:até 40m, normalmente entre 20 e 25m 
Longevidade:não sobrevive muito além dos 200 anos
Porte:árvore de copa piramidal regular na juventude; em adulta é mais variável, mais redonda e reduzida ao último terço da altura. 
Ritidoma:espesso e castanho-avermelhado; ramos verticilados.
 Folhas:aciculares de 10-25 x 0,1-0,2cm, agrupadas em pares de cor verde-intenso, rígidas e mucronadas.
 Estrutura reprodutiva:pinha de 8-22 x 5-8cm, aproximadamente simétrica na base, com apófises romboidais, carenadas e com umbigo proeminente; semente alada (penisco) de 7-8mm com asa até 30mm. Cor castanho-brilhante em árvores adultas, indeiscentes durante alguns anos.
 Floração:março, abril, maio
 Maturação dos frutos:as pinhas amadurecem no final do verão seguinte e a queda do pinhão dá-se na primavera ou verão do terceiro ano.
 Habitat e ecologia:embora prefira solos pobres em carbonato de cálcio, de preferência soltos e arenosos, foi cultivada praticamente em todas as condições ambientais do país ainda que por vezes sem sucesso. Habita normalmente entre os 0 e os 1500m podendo chegar aos 1700m. Espécie de luz. Necessita de uma percipitação média anual superior a 300mm, e no verão, superior a 75mm. Temperaturas desejáveis no inverno entre 0 e 12ºC e no verão entre 15 e 26ºC. Tolera exposição marítima, contudo as árvores jovens são frequentemente dobradas per ventos fortes, causando deformações permanentes. Tem um crescimento rápido. As secreções das folhas inibem a germinação de sementes, reduzindo a quantidade de plantas que crescem debaixo da árvore.
 Usos e costumes:importantíssima protagonista da silvicultura portuguesa. Os serviços florestai s preconizavam a posterior substituição destes pinheiros “pioneiros” por folhosas nobres comoQuercussp. pl.. Dos pinheiros ibéricos é o de crescimento mais rápido. O seu aproveitamento é principalmente resineiro e madeireiro. A terebentina, obtida da resina utiliza-se para fins medicinais (emplastros, antisépticos, balsâmicos).
 Modos de propagação:Por semente: O melhor é colocar a semente, apanhada do chão, no local definitivo, enterrando-a um pouco. No entanto, fazer estratificação durante 6 semanas a 4°C pode ajudar na germinação de sementes que estejam armazenadas. As plantas têm um sistema radicular fraco e desenvolver-se-ão melhor quanto mais cedo forem colocadas no seu local definitivo. Devem ser plantadas nas suas posições finais, até 90 cm, mas quanto mais pequenas melhor. Para um óptimo desenvolvimento deverá colocar-se uma camada de matéria que iniba o crescimento de outras plantas em seu redor (casca de pinheiro, folhas de pinheiro secas). Árvores que sejam mudadas de maior dimensão poderão ter problemas de crescimento por vários anos, afectando as suas raízes e a resistência ao vento. Dependendo do local, deve proteger-se as pequenas árvores do frio. Por estaca: este método só resulta a partir de árvores jovens (até 10 anos). Deve usar-se ramos com apenas um fascículo de folhas, desde a sua base. Contudo, o crescimento a partir deste método revela-se lento.
 Informações adicionais:embora com pouco consenso, presume-se a existência de duas subespécies na Península Ibérica, sendo a subsp. atlanticaE.H. del Villar a que ocorre em Portugal, e a subsp. escarena(Risso) K. Richter (=subsp.hemiltonii(Ten.) E.H. del Villar, = P. MesogeensisFieschi & Grussen) das áreas peninsulares mais continentais ou orientais.
 Designação inglesa / espanhola:Maritime pine / Pino resinero 
PERIGO: A madeira, serrim e resina de várias espécies de pinheiro podem causar dermatite em pessoas sensíveis.
 

Additional Hints (Decrypt)

Rfgeóovyb !!AÃB ERGVENE SBGB!

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.