Skip to content

This cache has been archived.

PALHOCOSMACHADO: Depois de cumprida a sua missão, esta cache é arquivada.

Palhocosmachado

More
<

GIGT ESPÍRITO SANTO - HOLY SPIRIT

A cache by PALHOCOSMACHADO Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 03/13/2015
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


ESPÍRITO SANTO

Os Impérios do Divino Espírito Santo

Português

Os Impérios do Divino Espírito Santo são um dos traços mais marcantes da identidade açoriana, constituindo um culto que para além de marcar o quotidiano insular, determina traços identitários que acompanham os açorianos para todos os lugares onde a emigração os levou. Para além dos Açores, o culto do Divino Espírito Santoestá hoje bem vivo no Brasil(para onde foi levado há três séculos) e na América do Norte.

 

A essência dos Impérios do Divino Espírito Santo
 

Coroa, cetro e orbe do Espírito Santo.

 

Para se compreender a proximidade do atual culto açoriano ao Espírito Santo às doutrinas de Joaquim de Fiore é necessário analisar-se sua forma de organização, crenças, e rituais.

A organização do culto, embora com pequenas variações entre ilhas, e particularmente entre estas e as comunidades de origem açoriana nas Américas, o culto assenta nas seguintes estruturas:

  • A Irmandade— A irmandade constitui o núcleo organizacional do culto. É composta por irmãos, voluntariamente inscritos e consensualmente aceites, todos eles iguais em direitos e deveres. Embora haja notícia de antigas irmandades exclusivamente masculinas, desde há muito que homens e mulheres participam sem diferenças. O carácter igualitário das irmandades, condicente com a crença joaquimita, é bem patente, não sendo aceites diferenças por origem ou posses. Esta regra foi raramente violada, mas há notícia nalgumas ilhas de Impérios dos nobres (o mais conhecido e o único sobrevivente é o da Horta, hoje sob responsabilidade da Câmara Municipal) que apenas aceitavam irmãos provenientes da aristocracia local. As irmandades são de carácter territorial, constituindo-se como verdadeiras associações de vizinhos, agrupando famílias residentes numa mesma freguesia ou localidade, sem prejuízo de aceitarem irmãos residentes noutras localidades, desde que tenham vínculo de origem ou família à localidade onde se situa a irmandade. As irmandades têm um compromisso, mas em geral regem-se por regras consensuais, não escritas. Sempre que a diocese ou as autoridades civis tentaram intervir em matérias das irmandades depararam-se com enorme resistência e indignação, seguida de resistência passiva que impediu a interferência.

  • O Império— Cada irmandade estrutura-se em torno de um Império do Divino Espírito Santo, normalmente um pequeno edifício com arquitetura distinta em torno do qual se realizam as atividades do culto. A arquitetura dos Impérios varia grandemente de ilha para ilha, variando desde um simples telheiro no tardoz das igrejas na ilha de Santa Maria até capelas vistosamente ornadas e encimadas pela coroa imperial na ilha Terceira. Aos impérios está normalmente associada uma dispensa ou copeira, espaço destinado ao armazenamento dos adereços utilizados, dos víveres e vitualhas e para confeção e distribuição das funções e demais refeições rituais. O aparecimento generalizado dos impérios como edifícios permanentes em alvenaria data última metade do século XIX, provavelmente em resultado do retorno de dinheiro dos emigrantes no Brasil e na Califórnia. Até ali o culto realizava-se em torno dos treatros (e não teatros!), palanques em madeira montados especificamente para a ocasião. Na diáspora açoriana, particularmente na Nova Inglaterra e no Canadá, para além dos pequenos impérios, são hoje comuns os grandes salões, onde as festas se realizam em ambiente fechado.

  • O Mordomo— Para cada celebração os irmãos escolhem um irmão responsável que recebe a designação de mordomo. A escolha é normalmente feita pela retirada de pelouros, bilhetes em papel onde é inscrito um nome, enrolados e colocados num saco ou chapéu, de onde são retirados por uma criança. A maioria das irmandades admite a existência de mordomos voluntário, que se oferecem a realizar a festa em resultado do cumprimento de promessa feita para recebimento de uma especial graça do Divino Espírito Santo. Ao mordomo cabe coordenar a recolha de fundos para a festa e coordenar a sua realização, sendo para tal efeito considerado a autoridade suprema a que todos os irmãos estão obrigados a estrita obediência.

No que respeita às crenças, que estão por detrás da organização acima descrita, elas entroncam diretamente no joaquimismo. São elas:

  • A esperança— os devotos esperam a chegada de um tempo novo onde todos os homens serão irmãos e onde o Espírito Santo será a fonte de todo o saber e de toda a ordem.
  • A fé no Divino e nos seus sete dons— o Divino Espírito Santo está presente em todo o lado, tudo sabe e tudo vê, não havendo para ele segredos. As ofensas ao divino são punidas severamente (Diz-se: O Divino Espírito Santo é vingativo), não ficando impunes as promessas não cumpridas. Os Sete Dons do Espírito Santo (Sabedoria, Entendimento, Conselho, Fortaleza, Ciência, Piedade e Temor) são a fonte de toda a virtude e de toda a sabedoria, devendo guiar os irmãos.
  • O igualitarismo— todos os irmãos são iguais e todos podem ser mordomos, e todos podem ser coroados assumindo a função de imperador, merecendo igual respeito e obediência quando investidos dessa autoridade. É a expressão prática do igualitarismo joaquimita.
  • A solidariedade e a caridade— na distribuição do bodo e das pensões, devem ser privilegiados os mais pobres para que todos possam igualmente festejar o Divino Espírito Santo. Todas as ofensas devem ser perdoadas para se ser digno de receber o Divino Espírito Santo.
  • A autonomia face à Igreja— o culto do Divino Espírito Santo não depende da organização formal da igreja nem necessita da participação formal do clero. Não existem intermediários entre os devotos e o Divino. É clara a influência do pensamento joaquimita, preferindo a igreja mística à igreja formal.

Os rituais do culto assentam num conjunto de objetos simbólicos e em cerimónias visando a representação direta das crenças subjacentes. São eles:

  • A coroa, o ceptro e o orbe— são os símbolos mais importantes do Império do Divino Espírito Santo, assumindo o lugar central em todo o culto. A coroa é uma coroa imperial, em prata, normalmente com três braços, encimada por um orbe em prata dourada sobre o qual assenta uma pomba de asas estiradas. O tamanho da coroa varia, e em geral cada irmandade dispõe de uma coroa grande e duas mais pequenas. Cada coroa é completada com um cetro em prata, encimado por uma pomba de asas estiradas. A coroa é decorada com um laço de fita de seda branca, o mesmo acontecendo com o cetro. Por vezes os braços da coroa são decorados com pequenos botões de flor de laranjeira em tecido branco. A coroa é colocada sobre uma bandeja de pé alto, também em prata. Simboliza o império do Divino Espírito Santo e o seu poder universal. Para além de servir para coroar, é considerada uma honra, conferida pelo imperador, transportar a coroa e segurar a respetiva bandeja. Durante o ano as coroas circulam semanalmente entre as casas dos irmãos, que as colocam em lugar de honra, rezando e louvando o Divino, todas as noites, perante elas. As coroas são também transportadas pelos mordomos quando realizam peditórios.

  • A bandeira— a bandeira é confecionada em damasco vermelho vivo, normalmente de dupla face, de forma quadrangular, com 5 palmos de lado (embora existam bandeiras maiores e menores), sobre o centro da qual é bordada em relevo uma pomba branca da qual irradiam para baixo raios de luz em branco e fio de prata. A bandeira é colocada numa haste em madeira com cerca de dois metros de comprido, encimada por uma pomba em prata ou latão. A bandeira acompanha a coroa e está sempre presente nas cerimónias litúrgicas onde se coroe. Uma bandeira menor é içada junto à casa do imperador durante a permanência das coroas. Junto aos impérios é hábito existir um grande mastro no qual é içada durante as cerimónias uma grande bandeira de tecido branco onde estão pintadas cenas alusivas ao culto. É considerada uma honra ser escolhido para levar a bandeira nos cortejos.

  • O Hino— o Hino do Espírito Santo, composto em finais do século XIX para ser tocado pelas bandas e ser cantado durante as coroações, é o mais reverenciado de todos os hinos, sendo sempre escutado nos Açores com grande emoção e respeito. Alguns dos acordes estão patentes no Hino dos Açores.

  • As varas e as fitas— claramente inspiradas nas antigas varas municipais e dos juízes, as cerimónias e cortejos são acompanhadas por um número variável de varas em madeira polida (em geral 12), com cerca de 1,5 m de comprido, encimadas por um suporte no qual é possível colocar uma vela. Algumas varas são decoradas com fitas brancas e vermelhas. Noutros casos são colocadas sete fitas, todas de cor diferente, representando os sete dons do Espírito Santo. Nas cerimónias de coroação, são colocadas velas que se acendem durante o ato. Nos cortejos as varas rodeiam as coroas, nalguns casos sendo seguradas por dois participantes e colocadas de forma a formar um quadrado em torno de cada coroa. Nalgumas irmandades existe uma vara extra, mais cumprida e sem suporte para vela, por vezes pintada de branco, que é entregue pelo imperador a uma pessoa que se responsabiliza por manter o cortejo em boa ordem. Esta vara é por vezes referida como o "enxota porcos", talvez uma referência aos tempos em que os animais domésticos andavam pelas ruas e precisavam de ser afastados para o cortejo passar. O imperador escolhe para levar as varas pessoas, normalmente jovens, que deseje honrar.

  • O cortejo, império ou mudança— no dia de Páscoa as coroas são transportadas para a igreja, fazendo-se no final da missa a primeira coroação, depois de coroado, o imperador parte para sua casa, acompanhado por um cortejo, acompanhado pelos irmãos, que é aberto pela bandeira e termina pelas coroados rodeados pelas varas. Atrás vai normalmente uma filarmónica que acompanha com música alegre o percurso. Chegados a casa do imperador, as coroas são colocadas num trono armado em madeira revestida de papel branco e de flores, ficando em exposição toda a semana. Todas as noites, os vizinhos e convidados reúnem-se para um pequeno convívio, por vezes incluindo danças, que termina pela recitação do terço e de orações alusivas ao Divino Espírito Santo. No domingo seguinte, as coroas partem novamente em cortejo para a igreja, sendo recebidas à porta pelo pároco, que entoa o Magnificat. O processo repete-se até ao Domingo do Bodo (o sétimo após a Páscoa), e nalguns casos até ao 2.º Bodo (o Domingo da Trindade - 8.º após a Páscoa). Começa a ser comum fazer cortejos durante o Verão, normalmente associados a funções oferecidas por emigrantes em férias.

  • A coroação– a coração é feita após o termo da missa e consiste na colocação, pelo sacerdote, da coroa na cabeça do imperador ou das pessoas que ele designar, e na imposição do cetro, que depois de beijada a pomba que o encima, é empunhado pelos coroados. Os fiéis assistem de pé à coroação, sendo por vezes cantado o Hino. Depois da coroação, inicia-se o cortejo, sendo o imperador seguido até à porta pelo sacerdote, que canta o Magnificat.

  • O bodo— No 7.º domingo após a Páscoa (dia de Pentecostes) realiza-se o bodo. Nesse dia, o cortejo depois de sair da igreja dirige-se ao império, sendo as coroas e bandeiras aí colocadas em exposição. Frente ao império, em longos bancos corridos são colocadas as esmolas, que depois de abençoadas são distribuídas. Os irmãos recebem-nas e todas as pessoas que passam podem livremente servir-se de pão e vinho. No entretanto são arrematadas as oferendas, normalmente gado, alfenim e massa sovada. O bodo é organizado e gerido pelo mordomo e por quem ele designe. Terminado o bodo as coroas recolhem em cortejo a casa do mordomo. A segunda-feira imediata é o Dia dos Açores, ou dia da pombinha.

  • A esmola ou pensão— é constituída por uma porção de carne de vaca (de gado especialmente abatido para o efeito), por um pão de cabeça (ou pão do bodo), e por vinho de cheiro. É distribuída aos irmãos que as pretenderem e às famílias mais necessitadas.

  • A função— é uma refeição ritual servida a um numeroso grupo de convidados por um dos irmãos, normalmente em resultado de um voto ou promessa. A refeição consiste de "sopa do Espírito Santo" (pão seco que depois é recoberto com água de cozer carne, temperada com hortelã e outros condimentos), o cozido de carne, pão de água, a massa sovada (um pão de massa doce e rico em ovos) e arroz doce polvilhado com canela. Na Terceira é por vezes incluída a alcatra, um prato de carne cozinhada em vinho num alguidar de barro. A função simboliza a partilha e é servida na presença das coroas e da bandeira, sendo acompanhada por cantigas alusivas ao Império do Divino Espírito Santo, normalmente cantadas por foliões. As funções são hoje servidas em contextos cerimoniais, como seja a celebração do Dia dos Açores e receções protocolares. O recorde de participação numa função (cerca de 8 mil convivas) ocorreu na Rua de São Pedro, em Angra do Heroísmo, nas celebrações do 10 de Junho de 2000, com a presença do Presidente da República, do Primeiro-Ministro, do Presidente do Governo dos Açores e de todo o corpo diplomático acreditado em Portugal, entre outros convidados.

  • A briança— é um cortejo em que o gado que vai ser abatido para o bodo ou arrematado é mostrado á comunidade, com flores de papel colorido coladas na pelagem e acompanhado por foliões ou cantadores de cantigas ao desafia. O cortejo para à porta de cada família que contribuiu, sendo então cantadas cantigas alusivas. Durante o percurso é tocada a briança (música tradicional para este evento) ou um pezinho adequado.

  • Ceia dos criadores— são jantares organizados em honra dos lavradores que contribuíram com gado ou das pessoas que deram ofertas relevantes à irmandade. Funciona como momento de recolha de fundos, sendo tradição em algumas ilhas convidar figuras ilustres da política ou da vida social local.

OS FOLIÕES— são pequenos grupos de até 5 pessoas, os Foliões do Divino, que, com as suas cantigas, acompanhadas por tamborete e címbalos, participam da preparação das Festas do Divino, visitando as casas dos irmãos, cantando os feitos e os poderes do Divino Espírito Santo, recolhendo donativos e marcando os rituais da distribuição do bodo ou da função. Na ilha de Santa Maria e no lugar da Beira, ilha de São Jorge, sobrevivem rituais extremamente complexos, autêntica liturgia do culto do Espírito Santo, que já desapareceram nas outras ilhas.

A CACHE:

A caixa tem um formato NÃO convencional.

Deve levar consigo material de escrita.

Por favor, não nem postem fotos que possam denunciar a cache.

INFORMAÇÕES:

Esta cache faz parte da Geotour Ilha Verde/GreenIsland.
Os selos poderão ser encontrados na cache.

    

 

 HOLY SPIRIT

The Empires of the Holy Spirit

ENGLISH

The Empires of the Holy Spirit are one of the most striking features of the Azorean identity, constituting a cult in addition to mark the island daily, determines identity features that accompany the islanders to all the places where emigration took them. In addition to the Azores, the cult of the Holy Spirit is very much alive today in Brazil (where he was taken for three centuries) and in North America.

The essence of the Empires of the Holy Spirit

 

Crown, scepter and orb of the Holy Spirit.

 

To understand the proximity of the current Azorean worship the Holy Spirit to Joachim of Fiore doctrines is necessary to analyze their organization, beliefs, and rituals.

The organization of the service, but with minor variations between islands, and particularly between them and the Azorean communities in the Americas, the cult based on the following structures:

 

  • The Fellowship- The fellowship is the organizational core of worship. It is composed of brothers who are voluntarily subscribed and widely accepted, all equal in rights and duties. Although there is news of ancient brotherhoods-male, long since men and women participate without differences. The egalitarian nature of the brotherhoods, condicente with joaquimita belief, it is very clear there could be no differences by origin or possessions. This rule has rarely been violated, but there are some news Empires islands of the nobles (the best known and the only survivor is the Horta, now under the responsibility of the City Council) that only accept brothers from the local aristocracy. The brotherhoods are territorial in nature, establishing itself as true associations of neighbors, gathering families living in the same town or city, without prejudice to accept residents brothers in other locations, provided that the source link or family to the place where is the fellowship. The brotherhoods are committed, but generally governed by agreed rules, unwritten. Where the diocese or civil authorities tried to intervene in matters of the brotherhoods they encountered enormous resistance and indignation, followed by passive resistance that prevented interference.

  • The Empire- Each fellowship is structured around an Empire of the Holy Spirit, usually a small building with a distinctive architecture around which the activities are performed the service. The architecture of Empires varies greatly from island to island, ranging from a simple shed on the inside face of the churches on the island of Santa Maria to flamboyantly ornate chapels and surmounted by the imperial crown on the Island. Empires is usually associated a waiver or maid, space for the storage of props used, the food and victuals and confection and distribution of functions and other ritual meals. The widespread emergence of empires as permanent masonry buildings date last half of the nineteenth century, probably as a result of emigrants' money return in Brazil and California. So far the service was in around treatros (not theaters!), Hustings wooden assembled specifically for the occasion. In Azorean diaspora, particularly in New England and Canada, in addition to small empires, the great halls are now common, where the festivities are held indoors..

  • The Butler- For each celebration the brothers choose a responsible brother who receives the butler designation. The choice is usually made by removal of posts, paper tickets where a name is entered, rolled and placed in a bag or hat, which are removed by a child. Most sororities admits the existence of volunteer stewards, who volunteer to make the party as a result of the promise of fulfillment made to receive a special grace of the Holy Spirit. The steward responsible for coordinating the collection of money for the party and coordinate its implementation, and to that end considered the supreme authority to which all the brothers are obliged to strict obedience.

With regard to the beliefs that underlie the above-described organization, they entroncam directly in joaquimismo. They are:

  • Hope - devotees awaiting the arrival of a new era where all men are brothers and where the Holy Spirit is the source of all knowledge and of all kinds.
  • Faith in the Divine and its seven gifts- the Holy Spirit is present everywhere, all-knowing and all-seeing, with no secrets for him. The offenses to the divine are severely punished (It is said: The Holy Spirit is vindictive), not getting away with unfulfilled promises. The Seven Gifts of the Holy Spirit (Wisdom, Understanding, Counsel, Fortitude, Knowledge, Piety and Fear) are the source of all virtue and all wisdom, should guide the brothers.
  • Egalitarianism- all the brothers are equal and all can be stewards, and all can be crowned Emperor assuming the function, deserving equal respect and obedience when that authority invested. It is the practical expression of joaquimita egalitarianism.
  • The solidarity and charity- the distribution of Bodo and pensions should be privileged poorer for everyone to also celebrate the Holy Spirit. All scores must be forgiven to be worthy to receive the Holy Spirit.
  • The autonomy from the Church- the cult of the Holy Spirit does not depend on formal church organization or requires the formal participation of the clergy. There are no intermediaries between the devotees and the Divine. It is clear the influence of joaquimita thought, preferring the mystical church to formal church.

The cult rituals based on a set of symbolic objects and ceremonies aimed at direct representation of the underlying beliefs. They are:

  • The crown, the scepter and the orb- are the most important symbols of the Empire of the Holy Spirit, taking center stage throughout the service. The crown is an imperial crown, silver, usually with three arms, surmounted by an orb silver gilt on which rests a dove of stretched wings. The size of the crown varies, and generally each brotherhood has a large crown and two smaller. Each crown is completed with a scepter in silver, topped by a dove drawn wings. The crown is decorated with a white silk ribbon, as is the scepter. Sometimes the arms of the crown are decorated with small orange flower buttons on white fabric. The crown is placed on a high foot tray, also in silver. It symbolizes the rule of the Holy Spirit and its universal power. In addition to serving to crown, an honor is considered, given by the emperor, carry the crown and hold the respective tray. During the crowns circulating weekly between the homes of brothers who put them in the place of honor, praying and praising the Divine, every night, before them. Crowns are also carried by the stewards when making peditórios.

  • The flag- the flag is confecionada bright red damask, usually double-sided, square-shaped, with 5 feet away (although there are larger and smaller flags), on the center of which is embroidered in relief a white dove which radiating down rays of light in white and silver thread. The flag is placed in a wooden rod about two feet long, topped by a dove in silver or brass. The flag follows the crown and is always present in the liturgical ceremonies where crown. A smaller flag is hoisted by the house of the emperor during the stay of crowns. By the empires always be a large mast on which is hoisted during the ceremonies a large white cloth banner which are painted scenes alluding to the cult. It is considered an honor to be chosen to carry the flag in parades.

  • The Hymn- Hymn of the Holy Spirit, composed in the late nineteenth century to be played by the bands and be sung during coronations, is the most revered of all hymns, always being heard in the Azores with great emotion and respect. Some of the chords are evident in the Azores anthem.
  • Sticks and tapes- clearly inspired by the old municipal courts and judges, the ceremonies and processions are accompanied by a variable number of rods in polished wood (usually 12), about 1.5 m long, topped by a support on which to place a candle. Some sticks are decorated with white and red ribbons. In other cases are placed seven ribbons, all of different color, representing the seven gifts of the Holy Spirit. In the coronation ceremonies, candles are placed that light up during the act. In processions sticks around the crowns, in some cases being handled by two participants and placed so as to form a square around each crown. In some brotherhoods is an extra stick, more fulfilled and no support for sailing, sometimes painted white, which is delivered by the emperor to a person responsible for maintaining the procession in good order. This stick is sometimes referred to as the "shoos pigs", perhaps a reference to the time when the cattle walked the streets and needed to be removed for the procession pass. The Emperor chooses to get people rods, usually young people who want to honor.

  • The procession, empire or change- on Easter Day crowns are transported to the church, making at the end of the Mass the first coronation after crowned the emperor part to his house, accompanied by a procession, accompanied by brothers which is open for the flag and ends the crowned surrounded by sticks. Behind'll usually a brass that came with cheerful music the route. Arriving home to the emperor, the crowns are placed in an armed throne in coated wood white paper and flowers, getting on display all week. Every night, the neighbors and guests gather for a small living, sometimes including dances, ending the third of recitation and allusive prayers to the Holy Spirit. The following Sunday, the crowns run again in procession to the church, being received at the door by the parish priest, who sings the Magnificat. The process is repeated until the Sunday of Bodo (the seventh after Easter), and in some cases up to 2 Bodo (the Trinity Sunday - 8 after Easter). Begins to be common to parades during the summer, usually associated with functions offered by emigrants on vacation.
  • The coronation- the heart is made after the end of the Mass and consists of placing, by the priest, the crown on the head of the emperor or persons designated by him, and the imposition of the scepter, that after kissed the dove that on top, is wielded by crowned. The faithful attend the coronation standing, and sometimes sung the anthem. After the coronation, starts the procession, with the emperor followed to the door by the priest, who sings the Magnificat.
  •  The Bodo- In the 7th Sunday after Easter (Pentecost) is held the Bodo. On that day, the procession after leaving the church goes to the empire, and the crowns and flags placed there on display. Against the empire, long benches are placed alms, that after blessed are distributed. The brothers receive them and all the people who pass are free to make use of bread and wine. In the meantime are auctioned offerings, usually cattle, alfenim and sweet bread. The Bodo is organized and managed by the butler and by whom he designates. After the Bodo crowns gather in procession to the house of the butler. Immediate Monday is the Day of the Azores, or day of dove.
  • The alms or board- consists of a portion of beef (especially cattle slaughtered for this purpose), by a head of bread (or bread Bodo), and smell of wine. It is distributed to the brothers that wish and to the neediest families.
  • The function- is a ritual meal served to a large group of invited by one of the brothers, usually as a result of a vow or promise. The meal consists of "soup of the Holy Spirit" (dry bread which is then covered with water boil meat, seasoned with mint and other spices), cooked meat, water bread, the sweet bread (a sweet dough and rich in eggs) and sweet rice sprinkled with cinnamon. In the Third is sometimes included the rump, a plate of cooked meat into wine in an earthen bowl. The function symbolizes sharing and is served in the presence of crowns and the flag, accompanied by songs alluding to the Empire of the Holy Spirit, usually sung by revelers. The functions are now served in ceremonial contexts, such as the celebration of the Day of the Azores and ceremonial receptions. The record for attendance at a function (about 8000 guests) occurred in the Rua de São Pedro in Angra do Heroismo, in the celebrations of June 10, 2000, with the presence of the President, the Prime Minister, the President of the Government of the Azores and the entire diplomatic corps accredited in Portugal, among other guests.

  • The briança- is a procession in which the cattle that will be slaughtered for the Bodo or fetch is shown to the community, with colorful paper flowers stuck in the coat and accompanied by revelers or singers of songs to challenges. The procession to the door of each family contributed, and then sung songs allusive. During the course is played briança (traditional music for this event) or a suitable Guthrie.
  • Supper of the creators- are dinners held in honor of the farmers who contributed cattle or people who have relevant offers the fellowship. Works as time fundraising, and tradition in some islands invite famous figures of politics or local social life.

THE: “FOLIÕES(revelers)— are small groups of up to 5 people, the Divine revelers, who, with their songs, accompanied by cymbals and stool, participate in the preparation of Divine celebrations, visiting the homes of the brothers, singing the deeds and powers of the Holy Spirit by collecting donations and rituals marking the distribution of bodo or function. On the island of Santa Maria and in place of Beira, the island of São Jorge, survive extremely complex rituals, authentic liturgy of worship of the Holy Spirit, who has disappeared on the other islands.

THE CACHE:

The boxhas NOT aconventionalformat.

Please take a stilp with you.
Please dont  post pictures that can report the cache.

INFORMATION:

This cache is part of Geotour Green Island / Greenisland.

The stamps may be found in the cache.

 

 

 

Additional Hints (Decrypt)

Cebpher cryb svb...
Frnepu sbe gur jver va gur ubyr ...

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)