Skip to Content

This cache has been archived.

btreviewer: Esta geocache foi arquivada por falta de uma resposta atempada e/ou adequada perante uma situação de falta de manutenção.
Relembro a secção das Linhas de Orientação que regulam a manutenção das geocaches:

O dono da geocache é responsável por visitas à localização física.

Você é responsável por visitas ocasionais à sua geocache para assegurar que está tudo em ordem para funcionar, especialmente quando alguém reporta um problema com a geocache (desaparecimento, estrago, humidade/infiltrações, etc.), ou faz um registo "Precisa de Manutenção". Desactive temporariamente a sua geocache para que os outros saibam que não devem procurar a geocache até que tenha resolvido o problema. É-lhe concedido um período razoável de tempo - geralmente até 4 semanas - dentro do qual deverá verificar o estado da sua geocache. Se a geocache não estiver a receber a manutenção necessária ou estiver temporariamente desactivada por um longo período de tempo, poderemos arquivar a página da geocache.

Se no local existe algum recipiente por favor recolha-o a fim de evitar que se torne lixo (geolitter).

Uma vez que se trata de um caso de falta de manutenção a sua geocache não poderá ser desarquivada. Caso submeta uma nova será tido em conta este arquivamento por falta de manutenção.

btreviewer
Geocaching.com Volunteer Cache Reviewer
Work with the reviewer, not against him

More
<

A Fábrica Robinson [Portalegre]

A cache by Saldanha Team Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 04/03/2015
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
1 out of 5

Size: Size: small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


A Fábrica Robinson [Portalegre]

[PT]

Muitas histórias podem ser contadas sobre a Fábrica Robinson, ou como muitos a apelidaram: a Fábrica da Rolha. Famílias inteiras e até mesmo gerações inteiras trabalharam nesta importante fábrica e que colocou Portalegre no mapa no panorama industrial de Portugal.

Hoje completamente desactivada, a Fábrica Robinson mantém-se como um misto de recordação e de património. As duas chaminés, são, por isso, um símbolo de Portalegre, do Alentejo, de Portugal.

Com a devida autorização do autor, deixo-vos aqui este texto de quem viveu bem de perto os tempos áureos da Fábrica Robinson.

Nota: o texto não será traduzido por respeito aos direitos de autor.

 

[EN]

Many stories can be told about the Robinson Factory, or as many dubbed: the stopper Factory. Entire families and even entire generations worked on this important factory and put Portalegre on the map in industrial landscape of Portugal.

Today completely disabled, the Robinson Factory remains as a mixture of memory and heritage. The two chimneys are therefore a symbol of Portalegre, Alentejo, Portugal.

With the authorization of the author, I leave you here this text who lived closely the heyday of Robinson Factory.

Note: the text is not translated out of respect to copyright.

 

I – a fábrica somos nós todos

Se procurarmos na cidade um símbolo da nossa identidade, o sinal que provavelmente mais impressionará a maioria dos portalegrenses aqui criados será o das chaminés, embora hoje silenciosas, da velha fábrica da rolha. Provavelmente, o facto de estarem agora condenadas à inacção até contribuirá para a lógica desta escolha. E acentua a ironia…

Falo, naturalmente, pela minha geração e pelas que de perto nos envolvem. A Robinson foi uma marca da cidade, determinou uma boa parte da nossa vida colectiva durante muitas décadas, bem mais de um século e meio. Levou até muito longe o nome de Portalegre e significava qualidade de primeira, associada a um produto natural raro, útil e bastante apreciado: a cortiça. A mais valia aplicada à rude casca do sobreiro regional levava a arte, a competência e a dedicação dos operários portalegrenses para o outro lado do Atlântico ou para os confins do Extremo Oriente. Nem sequer se falava então no valor intrínseco da exportação, nos termos complicados -quase todos em língua inglesa- com que as confusas leis da economia moderna baptizaram as coisas mais simples. De inglês, neste negócio, bastava então um nome, por feliz coincidência bem britânico: Robinson. Sem ilhas perdidas nem solidão…

No perfil característico, e único, da cidade ressaltam os vultos dominantes da Sé Catedral, das torres do velho castelo (antes da implantação duma brutal e inútil prótese) e do par de altas e esguias chaminés da fábrica da rolha. Nas imagens de arquivo, de tempos mais antigos do que aqueles que a nossa memória costuma guardar, as únicas diferenças residem na quadrangular pureza das torres e no número de chaminés, então reduzido à unidade.

Acho que este retrato, impresso a negro pelos fins de tarde sobre a claridade dos céus, define com rigor todo o nosso passado comunitário, lembrando os piedosos titulares das igrejas, os valentes defensores das fortalezas e os operários transformadores e criadores da riqueza que alimenta os outros: o clero, a nobreza e o povo, afinal.

A fábrica foi sempre, por excelência, a expressão proletária da cidade. Não parece atrevimento a afirmação de que uma razoável percentagem das famílias portalegrenses teve algum dos seus membros ligado à Robinson. Pela minha parte, lembro com orgulho o facto de o meu bisavô Silvestre Ceia ter sido um dos mais próximos, fiéis e competentes colaboradores da dinastia inglesa que reinou na fábrica.

Tenho algures, tão bem guardados que agora nem os encontro, alguns cartões ilustrados e outras mensagens, endereçados por diversos membros da família Robinson, até datados da Inglaterra (alguns, subscritos por George Wheelhouse, vieram de Berlim, em 1906, e outros de Paris, no ano seguinte), significativa colectânea do apreço em que o guarda-livros era tido pelos proprietários da casa. Porém, muito mais evidentes do que estes privados testemunhos são os que ficaram expressos na própria imprensa da época.

(…)

A fábrica era toda a cidade, éramos de certo modo todos nós.

Ainda hoje, a fábrica somos nós todos…

 

Escrito por: António Martinó de Azevedo Coutinho

In: https://largodoscorreios.wordpress.com/2012/06/13/30/

Dica

[PT]Encontrar a perpendicular e depois procurar seis palmos para a direita. Voltar a colocar no mesmo sítio.

[EN]Find the perpendicular and then seek six handspan to the right. Put in the same place.




This page was generated by Geocaching Portugal Listing Generator

Additional Hints (Decrypt)

[PT]Rapbagene n crecraqvphyne r qrcbvf cebphene frvf cnyzbf cnen n qvervgn. Ibygne n pbybpne ab zrfzb fígvb.[EN]Svaq gur crecraqvphyne naq gura frrx fvk unaqfcna gb gur evtug. Chg va gur fnzr cynpr.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.