Skip to Content

<

Parque de Merendas – Ribeira de São João

A cache by C_B_O Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 09/15/2015
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


 

PARQUE DE MERENDAS – RIBEIRA DE SÃO JOÃO

 

Este Parque de Merendas foi inaugurado em 16 de Maio de 2004 com a presença do presidente da Câmara Municipal de Rio Maior.

Apresenta excelentes condições para confraternizar, pois apesar de simples é considerado um dos melhores Parques de Merendas do concelho. Localizado numa zona calma, à margem da estrada, com iluminação, possui muita sombra, mesas, bancos para cerca de 70 pessoas, churrasqueira, instalações sanitárias e a fonte da Alouzela (Qualidade de Água NÃO Controlada).

 

 

 

É uma pena num parque de merendas não se poder beber a água da fonte, o que pode ser um problema de saúde pública, pois quando a sede aperta recorre-se à água que está mais perto e nada garante que quem use o parque saiba ler.

 

 

Talvez fosse uma boa ideia controlar a qualidade da água e colocar neste ponto estratégico Ecopontos que garantam a deposição e separação do lixo dos habitantes e visitantes.

 

 

 

Ribeira de São João

 

 

 

 

Ribeira de São João é uma freguesia portuguesa do concelho de Rio Maior, com 7,76 km² de área e 496 habitantes (2011) e densidade de 63,9 hab/km².

A freguesia foi criada a 16 de Maio de 1984 por desanexação da freguesia de São João da Ribeira à qual sempre pertenceu exceptuando um pequeno período no século XVIII em que esteve integrada na freguesia de Rio Maior.

Recentemente, em 2013, houve uma reorganização administrativa das freguesias do concelho, sendo criada a União das Freguesias de Ribeira de São João e São João da Ribeira.

 

 

 

Ribeira de S. João     S. João da Ribeira

 

História

 

 

 

No início do século XVI, as terras que hoje constituem a freguesia pertenciam a Pedro Álvares Cabral, (Belmonte, 1467/8 — Santarém, 1520), Em 1503, casa-se com D. Isabel de Castro (faleceu entre 1526/38). Em 1509, Cabral retira-se de Lisboa e passa a viver em Santarém. Em 1518 recebe o título de Cavaleiro do Conselho Real. O corpo do explorador português foi sepultado na Igreja da Graça, em Santarém.

 

 

 

O jazigo foi aberto em Agosto de 1882 para confirmar a presença de Cabral e foram encontradas três ossadas humanas, duas masculinas e uma feminina, supondo-se que além do casal, o terceiro esqueleto pertenceria a um dos filhos que morreu pouco depois do pai. A falta de recursos na época não permitiu qualquer conclusão sobre a identificação dos corpos. Por volta de 1903 foi reaberto o jazigo da Igreja da Graça. Desta vez o sepulcro continha oito corpos, cinco ossadas masculinas, uma feminina e duas de crianças.

 

 

 


A agricultura, o comércio e a Indústria de carnes, (SOCLAB, antiga PORCAVE), são as atividades económicas que predominam atualmente.

 

 

 

A essência patrimonial desta freguesia está nas suas antigas azenhas, que usavam o curso de água do rio Maior como força motriz para os seus moinhos. Contundo algumas perderam-se com os anos, enquanto outras foram recuperadas para turismo, como é o caso das da Ferraria e do Capitão.

 

 

 

Como simbolismo desta essência, pode-se verificar no centro do Largo Luís Calado Vicente, uma fonte encimada por um arado, alusivo ao trabalho árduo na terra e por uma azenha, representativa dos vários moinhos de água.

 

 

 

Como locais de interesse turístico tem a Quinta da Ferraria, Quinta do Capitão, Quinta de Santa Bárbara e Fontes da Ribeira, e como Património cultural e edificado tem a Igreja matriz, azenhas da Ferraria e das Faias, Moinho dos Carvalhos, Fonte da Quinta da Rosa e Capela de Nossa Senhora da Barreira.

 

 

Poderá visitar o Cabeço de S. Gens (miradouro) [GC5RMX6] http://www.geocaching.com/geocache/GC5RMX6_cabeco-de-sao-gens, em São João da Ribeira.

Na Gastronomia predomina as Migas de Bacalhau, Magustos, misturadas, lapardão, frango de cabidela e coscorões e no Artesanato a Tapeçaria (Arraiolos), arranjos florais, rendas e bordados.

Possui três coletividades, a Associação Solidariedade Social Cultural Desportiva Ribeirense (ASSCDR), Associação Físico Cultural da Ribeira de São da Ribeira (AFCRSJ), e Projeto Jovem Ribeirense (PROJOR).

 

 

LENDA de Nossa Senhora da Barreira

 

Reza a lenda que um homem, que andava com um arado a lavrar a terra nas fazendas de Barreira, encontrou uma imagem de Nossa Senhora. A imagem foi levada para a igreja de São João da Ribeira, mas desapareceu e foi encontrada nas fazendas de Barreira e isto repetiu-se várias vezes até ser construída a capela que a guardaria definitivamente e que é hoje a igreja paroquial. A capela terá sido construída no século XIV, sendo várias vezes restaurada depois da sua construção.

 

 

A população da zona sempre foi muito devota a Nossa Senhora da Barreira, orago da freguesia, sendo tradição realizar a festa em sua honra no domingo do Espírito Santo. Sabe-se que pelo menos em 1984, já atraia muitos devotos, sendo a capela ornamentada, com folhas de nespereira e variadas flores nas paredes e alecrim no chão.

 

 

A hospitalidade com que recebem os de fora é característica da população.

 

 

”Praticar o bem na terra com Amor Santo e Profundo deve ser a melhor Guerra de quantas haja no Mundo”.

 

Memória de um Bétilo

 

No Casal da Corredoura existiu um Bétilo em Pedra a cerca de 100 metros das águas do rio Maior.

Bétilo é uma pedra sagrada, considerada como a morada de um Deus, no Oriente. No mundo árabe, antes do aparecimento de Maomé (ano 570 ou 571 da era cristã) as comunidades eram essencialmente politeístas e as principais divindades eram adoradas sob a forma de uma árvore ou de um bétilo (haviam mesmo alguns pequenos bétilos que eram transportáveis e acompanhavam os nómadas nas suas deslocações).

 

 

 

Não se deve confundir os Bétilos com os Miliários (marcos das estradas romanas), de formato idêntico, mas em vez de símbolos têm inscrito o número da milha relativo à estrada em questão, permitindo ao viajante saber a distância até ao Fórum Romano ou o nome dos responsáveis pela estrada, tendo sido identificados até agora 276 miliários, referindo-se a várias dinastias abrangendo os quatro séculos que durou o império romano.

 

 

 

Apesar deste lugar se encontrar perto da antiga via romana que ligava Lisboa a Braga, devido aos desenhos gravados na pedra, não me parece que seja Miliário. As pessoas tinham como tradição subirem esta pedra para observarem a lua tentando prever assim a melhor altura de fazerem as sementeiras.

Nos anos 70 o Bétilo foi derrubado por máquinas destruindo-se assim para sempre este património.

 

 

COORDENADAS FINAIS:

 

Para obter as coordenadas finais e poder ter finalmente acesso à cache (Etapa Física), terá de recolher os dados que solicito acerca do Parque de Merendas (A, B, C, e D), in loco.

Para conhecer esta freguesia, proponho uma breve visita virtual a 5 locais distintos (E, F, G, H e I). Para tal, necessita de acesso à Internet e de utilizar o MapSpotting - http://www.xctrails.org/ps/index.html# (jogo online, em que o utilizador tem de encontrar a localização exata da imagem que vê, isto é, o Zoom deve corresponder exatamente, a latitude / longitude, aproximadamente), disponível a partir dos respectivos links apresentados. Os valores das letras E, F, G, H e I, serão revelados após fazer coincidir a imagem problema com a imagem procurada por si (Etapa Virtual).

Apesar da aplicação se encontrar em Alemão, é bastante intuitiva, porém caso haja alguma dúvida encontro-me disponível para vos auxiliar. Contudo, para iniciarem e perceberem o modo de funcionamento da mesma, deixo-vos como exemplar o seguinte local para realizarem o respectivo reconhecimento PARQUE DE MERENDAS

 

 

 

Etapas Virtuais realizadas no local:

A = Na placa que dá nome a esta rua, quantas letras conta?

B = Na chaminé existente, quantos respiradores/ orifícios conta?

C = Quantas mesas têm à sua disposição?

D = Qual o 1° Algarismo da dezena representada na sinalética vertical?

Etapas Virtuais realizadas a partir do acesso à Internet:

E = ?

F = ?

G = ?

H = ?

I = ?

 

CÁLCULO FINAL (Etapa Física):

 

N DE° A, FGB
W H° IG, CHD

 

 Conteúdo inicial:

- LogBook e Stashnote,

- Brochura Geocaching

- Objetos para trocar

*Levem material de escrita

 

 

ATENÇÃO:

 

O parque de Merendas tem acessibilidade a pessoas com cadeiras de rodas e a carrinhos de bebés, contudo as coordenadas finais já não permitem tais atributos.

Devido ao GZ possuir nas suas imediações um POÇO que não está devidamente identificado nem apresenta condições de segurança, Não é Aconselhável fazer esta cache de noite, nem sozinho, pedindo especial atenção ao Geocachers que forem acompanhados por crianças!!!

 

 

 

 

 

NÃO SE ESQUEÇA:

 

Seja MUITO discreto!!! Deixe a cache como a encontrou, bem dissimulada no ambiente envolvente.

 

 

Respeite a natureza e siga a máxima:

 

"Não levar nada além de fotos; não deixar nada além de pegadas; não matar nada além de tempo."

 

Por isso, NÃO DEIXE LIXO!!! E se possível recolha algum que possa encontrar pelo caminho.

 

 

Este local é habitat de várias espécies selvagens pelo que apelamos que respeite sempre os animais e a natureza.

 

Lembre-se que o mundo é de todos, mas cabe a cada um fazer o seu papel em sua defesa!!

 

Espero que goste... Divirta-se e boas caches.

CßO  :)

 

 

 


Flag Counter

Additional Hints (Decrypt)

Cebgrtvqb qbf envbf HI..
(Aãb rfgá ab cbçb!!)

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

23 Logged Visits

Found it 21     Didn't find it 1     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 7 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.