Skip to content

<

Ruínas do Convento de Banho

A cache by AmigosdaNatureza Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 03/01/2017
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size:   micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

O convento de Banho, do qual só resta a abside da igreja românica e parte da cerca, era um importante centro monacal, cujas origens remontam ao século XI. A sua tipologia é típica da arquitectura românica. Apenas se conserva parte da cabeceira da igreja. À volta existem vestígios de uma ocupação romana. As ruínas situam-se no antigo lugar de Banho, na freguesia de Vila Cova, concelho de Barcelos. Neste momento está completamente ao abandono.

 

 

 

 

Ruínas do Mosteiro de S. Salvador de Banho

(Vila Cova - Barcelos)

 

 

Resenha histórica

 

A fundação do mosteiro de S Salvador de Banho é de data anterior à nossa nacionalidade, pois foi fundado entre os anos de 1067 e1073, era bispo de braga D. Pedro II. Pertenceu este convento à Ordem dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, (frades crúzios), passando mais tarde a ser administrado por comendatários, até que no tempo do Cardeal Rei D. Henrique, em 1566, foi reduzido a comenda da Ordem de Cristo e Reitoria secular.
“O Convento de Banho foi um exemplar formosíssimo de arquitectura românica” diz o Sr. Padre Bernardino dos Santos Portela, muito digno Prior aposentado de Apúlia, em uma monografia publicada no jornal Diário do Minho, de Braga. “Conheci-o e visitei-o algumas vezes nos anos de 1870 e 1871”, continua aquele erudito investigador. “Conheci-o, tendo apenas abatido a abóbada da Capela-mor, o que sucedeu pelos anos de 1865 ou 1866, produzindo memorável estrondo, sentido nas povoações vizinhas”.

 

"A Empena fronteira do mosteiro era voltada para o Poente e era recta na parte superior, terminada em friso liso. A Portada era formada por seis colunelos, com os seus capitéis e bases, sustentando uma arquivolta historiada; havia aqui um pouco espaçoso recinto, espécie de galilé, de abobada de pedra, encostada a outra empena que subia a toda a altura da igreja em que estava a cruz da fronteira e desta empena descia até ao telhado para a empena recta, cobrindo a abobada da galilé que servia de coro, servido por uma escada intermural e recebendo a luz do corpo da igreja por uma fresta esguia a altura do pequeno coro da frente da empena, servido pela mesma escada".

"Esta Abobada, sob a qual estava colocada a pia baptismal, era sustentada por colunelos cujos capitéis representavam abutres, águias e feras devorando crianças; pregavam aos cristãos e a infiéis o dogma e a necessidade do baptismo". “A porta lateral do Norte era também formada por colunelos com os respectivos capitéis, encontrando-se uma cruz e outros feitios no tímpano. O corpo da igreja era forrado a madeira pintada e tinha 3 ou 4 linhas de ferro”, conta o cronista o que reteve na memória do que viu daquele velhíssimo templo.

De outras fontes sabe-se que do lado esquerdo existia a torre sineira e que esta igreja tinha 3 altares: o Mor e 2 laterais. Também do lado esquerdo e separada pelo adro, erguia-se a capelinha de Nossa Senhora da Luz. Na capela-mor existiam as sepulturas do Comendador João Fernandes Pacheco, com o escudo dos Pachecos, que está actualmente no museu arqueológico de Barcelos e outra com a inscrição: AQVI JAZ MANOEL PINTO DA FONSECA REITOR DESTA IGRJA.

 

 

A saque...

 

Depois da extinção das ordens religiosas este Templo ficou à mercê de quem dele se quis aproveitar e para a actual Igreja paroquial de Vila Cova foram levadas enormes quantidades de pedra aquando da sua reconstrução no ano de 1887. No tempo da reconstrução da Igreja Paroquial de Vila Cova, a junta de freguesia vendo que estava a cometer um abuso em trazer sem autorização as pedras para a reconstrução da igreja paroquial, e temendo represálias por parte dos opositores, colocou estes terrenos nos quais estão as ruínas deste templo, em hasta publica sendo arrematados por António José Fernandes Ribeiro que dali vendeu muita da pedra a diversos indivíduos. Mais tarde este trocou estas terras por umas leiras, mas nem mesmo assim acabou a demolição. Também para a Igreja matriz de Barcelos, aquando da sua reconstrução (algures no sec XX) foram levadas pedras deste Templo.

Do velho cenóbio e Templo de Banho só restam as actuas e desoladoras ruínas que são parte da Abside, é uma parede grossíssima em semicírculo, a fresta central com duas ordens de colunelos e respectivas arquivoltas nas duas partes, os restos de dois gigantes que fortalecem a abóbada e duas fresta laterais também com colunelos, incompletas.

Junto à igreja têm-se achado várias peças nomeadamente uma arca funerária com uma cruz gravada em cada face, adaptada a pia, seis aduleas decoradas com motivos vegetais idêntico ao da Igreja de Roriz, fragmento de fuste, fragmentos de colunelos de secção cruciforme, com bolas nos vértices, uma laje sepulcral com a estrela de David inscrita em círculo, uma arca tumular de esquinas chanfradas e interiormente rectangular, e dois fragmentos de laje sepulcral com as seguintes inscrições "Era milésima duocentésima quinquagésima (...)", "Prior Mart(...) BIIT"; "(...) RMAII". Grande parte dos vestígios recolhidos encontram-se no Paço Ducal de Barcelos, no museu municipal.

 

Cronologia

 

·         Séc. 10 - Fundação do Mosteiro de São Salvador de Banho pelo arcebispo D. Pedro;

·         1198 - documento mencionando o Prior "Martinus Petriz";

·         1441 - extinção do mosteiro;

·         1528 - documento referindo que a igreja de são Salvador havia-se tornado paroquial;

·         séc. 17 - Frei Nicolau de Santa Maria refere-se ao anito mosteiro indicando que nele tinham surgido grandes servos de Deus, entre eles o arcebispo de Braga, D. Godinho e os três primeiros priores do Mosteiro de São Vicente de Fora;

·         1865 / 1866 - a abóbada da capela-mor abate. 

·         1887 - Reconstrução da Igreja Paroquial de Vila Cova com pedras retiradas das ruínas do Mosteiro.

Fontes: Pesquisa bibliográfica realizada pelos owners da anterior cache (Sagitário + eniel), aos quais muito agradeço, monumentos.pt e Junta de Freguesia de Vila Cova

 

Como pouco, muito pouco… conseguia-se preservar o pouco que ainda resta, para que as gerações vindouras pudessem ver algo mais do que simples fotografias.

Mas ao que parece, para a preservação e manutenção do espaço ou uma simples limpeza da vegetação, não existem uns míseros euros. Prefere-se gastar noutras coisas, muito mais supérfluas!

Deixo um pedido em forma de desafio: tirem fotos do estado de abandono em que se encontram as ruinas e partilhem nas redes sociais, como forma de alertar (e quiçá envergonhar) quem de direito.

 


 

A cache:

O objectivo desta cache é dar a conhecer o local e, de alguma maneira, alertar e sensibilizar os geocachers para o actual estado deste monumento histórico. Por esse facto optei por criar uma multi-cache para "forçar" a observação do que resta da mosteiro.

Para encontrarem o container, tem de observar as ruínas, obter os dados solicitados e fazer umas contas muito simples.

C = Número total de colunas (redondas) existentes na totalidade das janelas

F = Número total de ferros verticais existentes na totalidade das janelas

U = Numero de urnas/sepulturas (intactas) que se podem observar

Formula final:

N 41º 32.(FxU)95

W 008º 42.(C+3)U6

 

O container não está nas ruínas, nem nos muros da cerca!

Trata-se de um monumento histório, que é de todos. Por favor, não remexam nada nem danifiquem nada.

Não mexam num pedra que seja!

 


O recipiente é de tamanho micro, não permitindo trocas de objetos.

Contem apenas logbook. Levem material de escrita.

Coloquem a cache no mesmo local. Mantenham-na na posição correcta para prolongar a sua longevidade. Tenham atenção aos eventuais muggles. Sejam discretos!

Façam CITO, se necessário. Tirem e publiquem fotos... Muitas fotos e partilhem nas redes sociais. E, principalmente, divirtam-se!

Pratique geocaching de forma responsável e consciente, respeitando as normas básicas de segurança. Faça-o por sua conta e risco!

Obrigado pela vossa visita!

e-mail: geo.amigosdanatureza@gmail.com

 

 

GC6JWWP:  Ruínas do Convento de Banho
         
    rouroni    
      joom  
  alapereira      
         

 

Additional Hints (Decrypt)

Cbe geáf r à fbzoen.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)