Skip to content

<

Vila Nova de Gaia - Joaquim Gomes Ferreira Alves

A cache by Primordiais Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 03/25/2017
Difficulty:
1.5 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size:   small (small)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

Quem Já passou por aqui e nunca se questionou" Que será esta Estatua ? "


Translation

Joaquim Gomes Ferreira Alves (Porto, 1883 - Francelos, Vila Nova de Gaia, 1944) foi um médico e benemérito português. Possui uma escola secundária com o seu nome em Vila Nova de Gaia.Em 1911, concluiu a licenciatura no Curso de Medicina pela Escola Médico-Cirúrgica do Porto com a defesa da tese "A heliotherapia no tratamento da tuberculose cirurgica". Iniciou a sua carreira como médico na Colónia Sanatorial Marítima, na Foz do Douro, instituída em 1916 com o objetivo de combater o raquitismo e a escrofulose nas crianças. Aqui, Joaquim Gomes Ferreira Alves teve oportunidade de experimentar as suas teses helioterapêuticas. É neste período que edita a brochura "necessidade dos Sanatórios Marítimos do Norte de Portugal" e viaja para a Suíça com o arquiteto Francisco de Oliveira Ferreira onde visita as clínicas do Dr. Rollier, em Leysin, também conhecidas pela aplicação das técnicas de Helioterapia. Neste contexto, irá lançar o projeto do Sanatório Marítimo do Norte, em Vila Nova de Gaia, um hospital com o objetivo de disponibilizar as mais modernas terapias solares aos seus doentes. É de referir que a construção desta unidade de saúde foi muito influenciada e motivada por circunstâncias pessoais de Joaquim Gomes Ferreira Alves, já que o seu filho padecia de Escrofulo-tuberculose.Há muito de pessoal e familiar nesta sua acção.

O hospital tinha como objectivo disponibilizar assistência a doentes que, tal como o filho de Joaquim Ferreira Alves, padeciam de tuberculose (no seu caso, de Escrofulo-tuberculose), e tratá-los com as modernas terapias solares. Projetado por Francisco de Oliveira Ferreira, o edifício foi construído numa zona quase desabitada, entre a praia de Valadares e o pinhal de Francelos, e a sua primeira enfermaria foi inaugurada a 19 de Agosto de 1917 e batizada com o nome da benemérita Helena Dias. Dispunha de uma inovadora "galeria de cura", descoberta e projetada para o exterior da construção, dotada de equipamentos modernos, como um aparelho de raio X e a "cama-modelo" do sanatório suíço de Leysin. Neste sanatório existiu uma Escola Primária, frequentada por crianças doentes e das imediações, e editou-se o jornal "O Girassol", dirigido desde a sua fundação, em 1924, e até 1928, pelo paciente Oliveira Guerra. Institucionalizou-se a prática da procura de emprego para os doentes reabilitados, enquanto os mais ilustrados auxiliavam os menos instruídos a frequentar cursos por correspondência. Foram promovidos espetáculos infantis, por norma em colaboração com a Rádio Clube Infantil, coordenados por D. Emília Resende. Era o tempo áureo do fascínio e do temor exercidos por esta doença, a qual tem uma expressão literária ímpar na obra "A Montanha Mágica", de Thomas Mann, que retrata o mundo dos sanatórios suíços, que inspiraram este tipo de realizações. Com o passar tempo, o edifício foi-se degradando até que, em 1977, foi integrado no Centro Hospitalar de Gaia, ficando agregado ao Sanatório D. Manuel II e ao Hospital Distrital de Gaia. Na década de 80, a Ministra da Saúde, Leonor Beleza, entregou o edifício ao Sindicato dos Enfermeiros, que nele montou a Casa de Repouso do Enfermeiro. Nas proximidades do Sanatório Marítimo do Norte foi edificada a Clínica Heliântia, ou Sanatório Novo, traçada pelo mesmo arquiteto que elaborou os primeiros estudos, em 1926. Esta obra modernista em betão, inaugurada em 1930, foi erguida numa duna entre o mar e o pinhal de Francelos, apresentando como principal motivo decorativo o girassol (helianthus em grego), que ainda hoje se pode ver moldado nas guardas das varandas, nas molduras das portas de entrada, nas guardas metálicas da caixa de escada, em elementos de proteção dos elevadores, em mosaicos e nalguns candeeiros. Joaquim Gomes Ferreira Alves, médico visionário, maçon, e benemérito, muito querido da população gaiense, morreu de forma trágica no dia 10 de Novembro de 1944, num acidente viário resultante da colisão do seu automóvel com um comboio de mercadorias, na passagem de nível de Francelos. O acidente também vitimou Pedro Vitorino, colaborador e amigo do médico desde os tempos da Academia Politécnica, que com ele viajava, quando ambos se dirigiam à Clínica Heliântia. Para além dos dois sanatórios que se encontram em vias de classificação pelo IGESPAR, Joaquim Ferreira Alves deixou um enorme arquivo fotográfico composto por milhares de chapas de vidro. (Universidade Digital / Gestão de Informação, 2009).

Atenção: Não divulgar nem postar fotos de Container´s, Sendo Removidos sem aviso Prévio! A cada registo online deverá sempre corresponder o respetivo registo físico do mesmo nick. Dito isto, não admitiremos registos de tours e/ou nicks fictícios nas nossas caches pelo facto dos mesmos não corresponderem a contas oficiais de geocaching. Registos online que não tenham a devida correspondente física serão apagados!

Additional Hints (Decrypt)

CG: N 1 Zg qb Pnagb
Frwnz Qvfpergbf, n qhenovyvqnqr qb pbagnvare qrcraqr qr gbqbf.
RA: 1Zg sebz gur pbeare
Or Qvfpergr, gur qhenovyvgl bs gur pbagnvare qrcraqf ba rirelbar.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.