Skip to Content

<

Ilha Limpa

A cache by luisdamoita Send Message to Owner Message this owner
Hidden : Saturday, December 8, 2018
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
2.5 out of 5

Size: Size: other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Ilha Limpa CITO 2018  Ilha do Rato

Venha connosco deixar um mundo melhor.

Vamos unir esforços e limpar um paraíso no Tejo.

No final da época balnear a ilha fica irreconhecível com o lixo deixado pelos humanos. Quilos de plásticos que vão para o oceano.

O evento tem a garantia do transportre -GRÁTIS- até à Ilha do Rato numa embarcação Tradicional,(TejoConvida) devidamente legalizada e autorizada a transportar pessoas. Uma Viagem na História.

 

DIA 8 DE Dezembro DE 2018, DAS 13H45 ÀS 18H45

PROGRAMA:

14H30 - INICIO DO EVENTO NA ILHA

16H00 - FIM DO EVENTO NA ILHA

CASO NÃO TENHAM TRANSPORTE PARA CHEGAR ATÉ À ILHA:

13H45 - ENCONTRO (CAIS DA MOITA)

14H00 - EMBARQUE E PARTIDA

14H30 - REGISTAR CAIXA E LIMPEZA DA ILHA

16H00 - REGRESSO

16H30 - CHEGADA À MOITA E DESEMBARQUE DO LIXO NO CAIS DA MOITA AOS SERVIÇOS DA CMM

Apoio CÂMARA MUNICIPAL DA MOITA, JUNTA DE FREGUESIA DA MOITA, CENTRO NÁUTICO MOITENSE, MARINHA DO TEJO e TEJOCONVIDA.

Inscrições limitadas. Outros podem ir lá ter se arranjarem transporte.

 

  HISTÒRIA DA ILHA DO RATO



Textos e apontamentos por Luís Filipe.

 

(Arrais do Tejo, Professor, Membro fundador da Associação dos Proprietário e Embarcações Típicas do Tejo, sócio do Centro Náutico Moitense, membro da Marinha do Tejo e Comissão Organizadora das Festas do Município da Moita).

 

As presentes linhas tiveram como proémio um livro.

Pois foi. Foi por causa de um livro, publicado pelo próprio autor -Álvaro Valente- em 1942 - e que tão bem soube retratar o nosso Ribatejo do Sul - que me levou a pesquisar, aprofundar e confirmar as ensinanças sobre a “nossa” Ilha.

As descobertas ainda estão em fase inicial e muito mais há por descobrir.

Com certeza, não serei o melhor para tecer tão nobre aventura. Espero não desistir e encontrar amigos e colaboradores nesta, para mim, deleitável tarefa, que com fotos antigas, textos, revistas e excertos possamos transmitir, aos vindouros, informações fidedignas que confirmem as histórias dos nossos avós.

A ilha do Rato ou –Ilha do Pico- França Neto-Ilha do Carrapeto- Mouchão das ostras é um paraíso no rio Tejo, com cerca de 45600 metros quadrados de superfície, com vista para o Barreiro, Montijo e Moita.

 

 
Tem uma formação arenosa dunar, vegetação rasteira e uma construção em ruinas que, em tempos, albergou famílias sendo um agitado centro comercial. Barcos à vela e a vapor aqui vinham buscar o saboroso marisco que levava o nome de Portugal até às mesas chiques de Paris, a famosa ostra portuguesa conhecida por- la portugaise. Existiu em tempos uma população heterogénea de trabalhadores- Faineiros - que dava àquela ilha uma vida exuberante plena de gíria e interesses.

A Ilha do Rato revela ainda o seu encanto e mistério. É paragem obrigatória da Marinha do Tejo/ das suas Canoas típicas que teimam em singrar na luta contra o progresso.

No Verão, à noite, é normal vermos meninos, meninas, velhos e velhas em redor de uma fogueira a contar histórias dos seus avós, heróis e, particularmente, da pesca e das regatas .

O convívio é inexplicável. Todos têm tudo. Não falta nada e, se alguém necessita de alguma coisa e não pede à canoa do lado, é uma afronta, é sinónimo de tremenda ralhação. São assim os do Tejo.  

A Ilha.

Em 1858 foi doada por Dom Luís a um cabo.

Foi o Doutor José Vicente Barbosa du Bocage quem obteve a primeira concessão por trinta anos. Importa e é obrigatório explanar o percurso deste notável e ilustre personagem de Portugal. Dr. José Vicente Barbosa du Bogage  n  2 de maio de 1823.f. 21 de dezembro de 1905.  Bacharel formado em medicina pela Universidade de Coimbra, lente de zoologia na Escola Politécnica, do conselho de Sua Majestade, ministro de Estado, deputado, par do Reino, um dos fundadores da Sociedade de Geografia de Lisboa, sócio da Academia Real das Ciências, da Sociedade de Zoologia de Londres, Era primo em segundo grau do popular poeta Manuel Maria Barbosa du Bocage

 
.

O Dr. Barbosa du Bocage teve as seguintes honras e condecorações: grã-cruz da ordem de S. Tiago, do Mérito Naval de Espanha, e de Francisco José, de Áustria; comendador da ordem da Rosa, do Brasil, de Isabel a Católica, de Espanha, e oficial da Legião de Honra, de França.

A concessão de exploração da Ilha do Rato começou em 10 de Agosto de 1857. Em 15 de Fevereiro de 1873 foi transferida pelo contratante, para o francês Henri Place.

 A 12 de Setembro de 1883,  foi reconhecido a Eduardo Honourous,  legitimo sucessor de Henri Place.

Mais tarde veio parar às mãos de Sousa Leal. A ilha foi ainda explorada pelo brasileiro França Neto e moradia de misantropos ingleses que hasteavam a bandeira britânica aos domingos, no seu chalé de madeira -na altura.

Foi refúgio de gente perdida nas encruzilhadas da vida; recanto de pândegos em deambulações e frescatas; porto de desembarque de candongueiros; contrabando; troca de alimentos entre a fragatagem, mercadoria vendida em praça e passada de mão em mão, com rendeiros e subrendeiros.

(Aos concessionário/proprietários; Henri Place, Eduardo Honourous Sousa leal e França Neto deverão ser encaminhados esforços para a minha próxima pesquisa.

Onde, não sei? Vou perguntar e solicitar ajuda aos netos- agora avôs- que eu conheço e que lá viveram).

 Entre 1950 e 1970 registaram-se vários fatores que contribuíram para a degradação do Estuário do Tejo, desde o grande desenvolvimento urbano à sua volta até à fixação de indústrias altamente poluentes. O desenvolvimento urbano trouxe como consequência para o Estuário o aumento excessivo da poluição orgânica, com altos valores de contaminação bacteriológica, tornando estes locais impróprios para qualquer prática balnear ou até mesmo para o desporto náutico. Em relação à instalação de vários ramos da indústria pesada, em redor do Mar da Palha, destacam-se três grandes industrias: o Complexo do Barreiro (CUF, hoje Quimigal) que libertava diversos metais pesados (mercúrio, arsénio, zinco, cobre, cádmio, ferro e chumbo), a Siderurgia Nacional e a Lisnave, que contribuíram em grande parte para a degradação da área de estuário compreendida pelos Concelhos do Seixal, Almada e Barreiro. A Lisnave é possivelmente a indústria que mais contribuiu para o desaparecimento da ostra portuguesa, uma vez que na reparação naval eram utilizadas tintas TBT nos cascos das embarcações que tinham como objetivo o impedimento da incrustação de gastrópodes no casco. O uso deste tipo de tintas é altamente tóxico para os bivalves, provocando anomalias no desenvolvimento e originando alterações hormonais. Devido a estes fatores, os bancos de ostras ficaram praticamente reduzidos a zero na década de oitenta. Como consequência da poluição, deu-se a extinção da ostra portuguesa, e consequentemente, de todas as empresas que tinham como atividade económica a exploração dos bancos de ostras e consequentemente o abandono da Ilha.

Entre  as datas- comprovadas -referidas  e  os nossos dias sabe-se que, em 2005,  O Engenheiro Ismael Duarte, compra a ilha por 100 mil euros.( a quem? Não sei!.)

 Em 2009 foi leiloada por 260 mil euros em Odivelas a um anónimo que solicitou absoluto segredo. 
A ilha hoje luta e teima em resistir à erosão provocada pelos catamarans. Será que vai vencer, o futuro nos dirá, mas o cenário não é muito animador. Desde o abate doshistórico Barcos da Transtejo que a erosão provocada pelas ondas do Catamaran é constrangedora. A ilha está a desaparecer. A casa do capataz em 5 anos desapareceu.

O que se pode fazer… Alertar?

 

 Nos dias que correm foi preciso muita coragem para despender 260 mil euros na“nossa” ilha.

Só Deus sabe o porque deste investimento e segredismo.

Também está confirmado que o terreno vendido engloba apenas a zona outrora muralhada, casa e viveiros. Ou seja, a zona sul, conhecida atualmente (na Moita) por praia do T´´Chico, foi sempre de utilidade pública, de todos!

Afinal o T’Chico Russo tinha razão quando zaragateava com o guarda da ilha que lhe apregoava que não era permitido encalhar nem queria barcos naquela praia….As coisas que o T’Chico sabia… Quem lhe disse que aquela praia era dele também? O Avô?

Ainda não tive tempo para pesquisar mais sobre o assunto. O que se sabe está disponível na internet, merecendo desta forma redobrada atenção e confirmação dos factos.

Eis o que encontrei até ao momento:

 

1858 doada por Dom Luís a um cabo;

1º concessão exploração 10 de Agosto de 1867 celebrou-se um contrato entre o Governo e o Dr. José Vicente Barbosa du Bocage;

1873 transferida a concessão para Henri  Place;

1883, reconhecidos a Eduardo Honourous, como legitimo sucessor de Henri Place;

???? Sousa Leal ;

???? França Neto;

2005  Ismael Duarte compra a ilha a (????) por 100 mil euros;

2007 Ilha à venda por 3.500€ milhões;

2009 Vendida em leilão por 260 mil euros

 

Espero ter contribuído de forma singela para o esclarecimento de alguns mistérios da “ nossa” Ilha do Rato.

Não poderia concluir sem um agradecimento ao obreiro da Marinha do Tejo, Professor Doutor Fernando Carvalho Rodrigues, pela partilha da sua sabedoria, fotos e livros e que me fez tecer estas singelas exortações.

Espero pois que sigam este exemplo e me façam chegar as vossas fotos antigas, textos e estórias desta história.

Será que vamos descobrir mais surpresas.

 

Luís Filipe.

 Janeiro 2012.

 

 

Para vossa interpretação.

"Muitos dos recursos naturais da Terra estão em vias de exaustão, a química da sua atmosfera está a deteriorar-se e as populações humanas já cresceram de forma excessivamente perigosa. Os ecossistemas naturais, as nascentes de uma ambiente saudável, estão a ser irreversivelmente degradados […] Sou suficientemente radical para levar a sério a questão ouvida cada vez com mais frequência: A humanidade é suicida?"(Edward O. Wilson, "Is Humanity Suicidal?", New York Times Magazine, 30 de Maio de 1993, p.27)

Erosão Fotos Google Earth 2002, 2007 e 2009

 

 

 

Referências Bibliográficas:

Valente Álvaro, Daqui Fala Ribatejo, Edição do Autor,1942

Manuel Lima, Bivalves e Gastrópodes das praias do Seixal, CMS, 1992.

E. Silva. História do Concelho do Seixal, CMS, 1981

- (visit link)

(visit link)

- (visit link)

- (visit link)

 

Additional Hints (Decrypt)

Bf cnegvpvcnagrf qrirz genmre Ynapur, obgnf, ebhcn pbasbegáiry r yhinf. Aãb erpbzraqnqb n crffbnf pbz qvsvphyqnqrf qr ybpbzbçãb.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

  • ILha do RatoVamos tentar deixar o mundo um pouco melhor! Confirmar inscrição em luisdamoita@gmail.com. Necessito confirmar o número de participantes. Apoio da CMMoita na recolha do Lixo e TejoConVida no transporte à Ilha. Boas Caçadas Ambientais...
  • ILha do RatoVamos tentar deixar o mundo um pouco melhor! Confirmar inscrição em luisdamoita@gmail.com. Necessito confirmar o número de participantes. Apoio da CMMoita na recolha do Lixo e TejoConVida no transporte à Ilha. Boas Caçadas Ambientais...
  • ILha Limpa 2018“Ilha Limpa 2018” Evento de recolha de resíduos/plásticos Dia 8 de dezembro de 2018 Onde : Ilha do Rato Horas: das 13:45 às 16:30 Embarque e desembarque: Cais da Moita Inscrições Limitadas em: Passeiosmaritimostejo@gmail.com Mais informações em: facebook.com/tejoconvida Apoios: Marinha do Tejo, Câmara Municipal da Moita, Junta de Freguesia da Moita, Centro Náutico Moitense. Vamos Deixar o Mundo Melhor!
  • ILha Limpa 2018
  • ILha Limpa 2018
  • ILha Limpa 2018

34 Logged Visits

Will Attend 19     Attended 14     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 186 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.