Skip to Content

<

17 - C.S.F.S. - Convento da Arrábida

A cache by Bocage_ConVida Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 03/05/2019
Difficulty:
2 out of 5
Terrain:
1.5 out of 5

Size: Size: micro (micro)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


O Convento da Arrábida, construído no século XVI, abrange, ao longo dos seus 25 hectares, o Convento Velho, situado na parte mais elevada da serra, o Convento Novo, localizado a meia encosta, o Jardim e o Santuário do Bom Jesus. 
No alto da serra, as quatro capelas, o conjunto de guaritas de veneração dos mistérios da Paixão e algumas celas escavadas nas rochas formam aquilo a que convencionou chamar-se o Convento Velho.

O convento foi fundado em 1542 por Frei Martinho de Santa Maria, franciscano castelhano a quem D. João de Lencastre (1501-1571), primeiro duque de Aveiro, cedeu as terras da encosta da serra.


Anterior à construção, existia onde é hoje o Convento Velho, a Ermida da Memória, local de grandes romarias, junto da qual, durante dois anos, viveram, em celas escavadas nas rochas, os primeiros quatro frades arrábidos: Martinho de Santa Maria, Diogo de Lisboa, Francisco Pedraita e São Pedro de Alcântara.

D. Jorge de Lencastre, filho do 1º duque de Aveiro, continuou as obras mandando construir uma cerca para vedar a área do convento. Mais tarde, seu primo D. Álvaro, mandou edificar a hospedaria que lhe servia de alojamento e projectou as guaritas, na crista do monte, que ligam o convento ao sopé da montanha, deixando, no entanto, três por acabar. Por sua vez, D. Ana Manique de Lara, nora de D. Álvaro, mandou construir duas capelas, enquanto o filho de D. Álvaro, D. António de Lencastre, mandou edificar, em 1650, o Santuário do Bom Jesus.

Com a extinção das ordens religiosas em 1834, o convento, as celas e as capelas dispersas pela serrania sofreram várias pilhagens e enormes estragos causados pelo abandono.


Em 1863, a Casa de Palmela adquiriu o convento mas as obras só começaram nas décadas de 40 e 50 do século seguinte. Quarenta anos depois, em 1990, o seu então proprietário, Manuel de Souza Holstein Beck, vendeu o convento e a área envolvente, num total de 25 hectares, à Fundação Oriente, a única instituição, que, em seu entender, dava garantias de manter os mesmos valores com que, no século XVI, os seus antepassados o entregaram aos arrábidos.

 


 

 


Manda a tradição que na sexta-feira santa os Azeitonenses saiam das suas aldeias e se disponham a atravessar a Serra da Arrábida, logo pela manhã, bem cedo, de forma a poderem estar à hora do almoço no Portinho onde deverão saborear uma refeição na agradável companhia dos amigos caminhantes. Como tudo começou? Parece que ninguém sabe ao certo. Uns dizem que já nos remotos tempos dos seus bisavós estes subiam a serra, a pé ou montados numa mula para poderem ir assistir às cerimónias pascais levadas a cabo pelo monges arrábidos no seu convento de Santa Maria, lá na vertente sul, onde o conjunto de pequenas casinhas brancas rodeadas de verdes matagais, olham o deslumbrante mar que se confunde com o céu azul. Outros defendem que a tradição foi originada para que os moradores locais pudessem palmilhar, pelos sinuosos trilhos da serra, o mesmo caminho que os frades arrábidos percorriam quando se vinham abastecer de víveres à vila. E, há ainda aqueles que afirmam que tudo começou com a necessidade dos chefes de família irem abastecer-se do delicioso peixe fresco capturado naquelas águas pelos pescadores e comercializado no Portinho da Arrábida, neste período de abstinência de carne. Seja como for, o facto é que a tradição se manteve ao longo dos anos e, curiosamente, ao contrário do que se possa pensar, cada vez são mais aqueles que aderem a esta caminhada, nem sempre fácil de levar a cabo.


Este conjunto de caches pretende referenciar os trilhos e caminhos utlizados para o caminho até ao Portinho da Arrábida. No entanto, o percursso completo tradicional apenas poderá ser feito no dia de Sexta-feira Santa, pois existe um troço que pertence à denominada "zona de protecção total". Considerem esta cache como limite para a progressão no terreno. Como alternativa podem e devem a travessia pelo Formosinho seguindo este track. A imagem seguinte mostra a zona proíbida:

 

Additional Hints (Decrypt)

envy

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

57 Logged Visits

Found it 56     Publish Listing 1     

View Logbook | View the Image Gallery of 7 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.