Skip to content

This cache has been archived.

Geocaching HQ Admin: Thank you for hosting this geocaching event! The date of the event has passed. We automatically archive events after 30 days (60 days for Mega- and Giga-Events). Attendees can still log archived events, log trackables, and share their experiences.

More
<

Licenciatura em Engenharia Natural [Castores]

A cache by BrázioScout Send Message to Owner Message this owner
Hidden : Sunday, 01 December 2019
Difficulty:
1 out of 5
Terrain:
2 out of 5

Size: Size: other (other)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:

01 December 2019, 09:30 - 11:30

O Projeto LIFE Biodiscoveries, desenvolvido pela Câmara Municipal do Barreiro, tem como objetivo promover o controlo de espécies invasoras na área da Reserva Natural Local do Sapal do Rio Coina e Mata da Machada, através de ações de voluntariado, aspeto que o distingue de outros projetos de controlo de invasoras.

Na Mata da Machada existe uma forte presença de várias espécies de acácias (Acacia sp.), bem como de chorão-da-praia (Carpobrotus edulis), que se estende também ao Sapal do Coina, ameaçando o equilíbrio destes habitats. Pretende-se, através da participação coletiva, incentivar o combate às invasoras, criando laços, que se prolonguem no tempo, entre os voluntários e a área protegida.

Mais informações sobre o projeto LIFE Biodiscoveries podem ser encontradas em LIFE Biodiscoveries.


Muitas das espécies que nos rodeiam foram trazidas do seu habitat natural para outros locais. São referidas como exóticas (do grego do grego exotikós, “de fora”), e enquanto algumas conseguem coabitar em harmonia com as espécies nativas, outras desenvolvem-se de forma descontrolada e tornam-se prejudiciais para a biodiversidade existente. As espécies exóticas são transversais a qualquer grupo de seres vivos (por exemplo, o lagostim-vermelho, o escaravelho-vermelho-das-palmeiras, o fungo-da-ferrugem ou a erva-da-fortuna).

O desequilíbrio provocado por plantas invasoras em alguns ecossistemas é tão grave, que pode pôr em risco outras espécies. A vantagem competitiva destas plantas está relacionada com os seguintes aspetos: (1) geralmente são plantas que produzem muitas sementes, que são viáveis por longos períodos de tempo e podem ser estimuladas pelo fogo; (2) competem mais eficientemente pelos recursos disponíveis do que as espécies nativas e (3) normalmente não contam com a presença dos seus inimigos naturais.

Relativamente aos impactes da expansão de espécies invasoras, estes revelam-se ao nível da biodiversidade como já referido, mas também têm efeitos económicos devido aos elevados custos associados ao seu controlo, efeitos na saúde pública e na disponibilidade de recursos naturais, provocando também alterações na estrutura da paisagem.

Na Mata da Machada existem duas espécies invasoras mais problemáticas: as acácias (Acacia sp.) e o chorão-da-praia (Carpobrotus edulis). O problema principal são as acácias, seja pelo facto de serem mais agressivas, sobretudo após fogo, seja pela sua coincidência ou proximidade com áreas de maior interesse florístico, e ainda pela maior dificuldade de erradicação.

Na área de intervenção do projeto podemos encontrar as seguintes espécies de acácias: Acacia dealbata (Mimosa), Acacia longifolia (Acácia-de-espigas), Acacia mearnsii (Acácia-negra), Acacia melanoxylon (Acácia-austrália), Acacia pycnantha, Acacia retinodes (Acácia-virilda), Acacia saligna.

 

Um dos objetivos concretos do Projeto LIFE Biodiscoveries é a realização de ações de recuperação dos habitats das áreas intervencionadas, com o objetivo de moldar e conduzir a regeneração natural. De forma complementar, são também necessárias intervenções de pequena escala para aumentar a velocidade de recuperação da vegetação das linhas de água, essencialmente através de plantação por estaca de espécies adaptadas a estas situações (salgueiros e freixos, sobretudo), bem como o mesmo tipo de intervenção com estacas de salgueiro no limite das áreas de sapal, nas áreas de caniçal com menores teores de sal.

Assim, uma das ferramentas ao dispor é a construção pequenos diques, feitos de madeira de acácia (reutilização de madeira proveniente de árvores que estavam confirmadamente mortas) e cordel, de modo a reter água e sedimentos que escorram encosta abaixo, permitindo a criação de uma zona mais húmida e a colonização por parte de alguma flora e fauna, como por exemplo sapos e rãs.

«Brincar aos castores» é isto mesmo... reutilizar a madeira de espécies invasoras para reabilitar aquelas que, por causa delas, com o tempo se foram perdendo.

 

O evento será realizado em colaboração com a equipa do Centro de Educação Ambiental da Mata da Machada e Sapal do Rio Coina, no âmbito do projeto LIFE Biodiscoveries. Consistirá na construção de pequenos diques em zonas previamente selecionadas. Pelo 2º ano consecutivo, vamos realizar esta atividade de engenharia natural, com uma boa dose de criatividade, habilidade manual, trabalho de equipa, e sobretudo, muita diversão. Se já participaste em 2018, vem melhorar as tuas técnicas nesta "Licenciatura em Engenharia Natural". Se não participaste no ano passado, esta é a oportunidade perfeita para contribuires de uma forma diferente para a saúde da nossa Mata Nacional da Machada, e seres "Castor por um dia".

 

Horário previsto: 09H30 às 11H30

 

Aconselha-se que tragam roupa e calçado confortáveis. Todo o restante material será fornecido pela organização. Será uma atividade de serviço aberta a todas as idades, no entanto recomenda-se bom senso no que toca à presença de crianças pequenas, tendo em conta o tipo de trabalho a efetuar.

 

 

Este evento CITO enquadra-se na CITO 2019, Season 2 (1 de setembro a 30 de novembro de 2019), e a participação no mesmo permitirá a obtenção do respetivo souvenir.

 

Additional Hints (Decrypt)

Qúivqnf: 963 565 384

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.