Traditional Geocache

Granja dos Serrões karren field [Sintra]

Hidden : 1/23/2004
In Lisboa, Portugal
Difficulty:
2.5 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Cache motive: High value geological and biological place
Access with babies and kids: Difficult
Less than 500 ft. from car to cache Less than 500m from car to cache Wading Wander Off-trail Hiking Required Off-trail hiking allowed
Thorns Thorns Long pants suggested Long pants suggested Available year-round Available year-round
No Campfires Campfires are forbidden No offroad vehicles No Offroad Vehicles Cache In Trash Out Cache In - Trash Out!
Adapted from The Selector

 

 

 

 

English:

If you need a translation please let me know. I'll be pleased to send it to you, as soon as I manage to translate it...

Português:

A Freguesia de Pêro Pinheiro

A importância de Pêro Pinheiro ao nível local e regional surgiu e desenvolveu-se em virtude da riqueza do seu subsolo em rochas de natureza calcária (comercializadas com o nome Lioz e Abancados), de cuja exploração surgiu uma dinâmica indústria que, concentrando-se fundamentalmente na área desta freguesia, gerou nela o maior centro de transformação de rochas ornamentais neste país e um dos maiores na cena europeia. Este centro industrial tem cerca de 300 pequenas e médias empresas, que se dedicam à transformação de calcários, mármores e granitos e que são o principal pilar económico-social da região, girando à sua volta outros sectores de actividade industrial, comercial e de serviços, designadamente nas áreas da metalomecânica, ferramentas diamantadas, abrasivos, carpintaria, mobiliário, materiais de construção e cabos eléctricos.

O embrião industrial desta freguesia surge com importância aquando da construção do maior monumento histórico português edificado - o Convento de Mafra. Desde então Pêro Pinheiro, a sua freguesia e as suas gentes marcaram sempre vincada presença em grandes obras e monumentos nacionais e, ao longo dos tempos, vêm exportando para as “quatro partidas do mundo” a alma e o engenho do seu povo, através do trabalho e arte incorporados na pedra fria e inerte.

No respeitante ao património histórico construído pode-se referir, pela importância e antiguidade que têm, a Capela da Nossa Senhora da Luz (século XVI), a Capela da Nossa Senhora da Conceição (século XVII), e o Aqueduto da Granja (Arcos Pombalinos) (século XVIII) construído para abastecer o então Casal da Granja, conhecido como Granja do Marquês.


Brazão da Freguesia de Pêro Pinheiro

No plano arqueológico foram descobertas ruínas-vestígios de uma Vila Romana, no lugar Granja dos Serrões, que ali já existia antes da era de Cristo.

Esta é uma freguesia jovem que acredita no futuro e sente como seu símbolo a figura do Canteiro e duma grande Coluna ancestral. Aquele, enquanto profissional que lavra a rocha, dando-lhe as formas e os acabamentos necessários à sua utilização, actividade que gerou o crescimento e o desenvolvimento da Vila e Freguesia de Pêro Pinheiro. A Coluna, como resultado do labor das gentes, que corresponde adicionalmente a um marco histórico, pois por tradição oral é reconhecida como uma peça extraída do seu sub solo e manufacturada no local com destino ao Convento de Mafra, para onde não chegou a ser transportada por razão desconhecida

O campo de lapiás da Granja dos Serrões

A região entre Pêro Pinheiro, Granja dos Serrões , Maceira, Pedra Furada e Negrais é uma zona de elevado valor em património geológico e ambiental, em que se podem observar formações rochosas muito curiosas, esculpidas pelo tempo e pela erosão causada pelos agentes atmosféricos (lapiás).

Estes lapiás que se desenvolvem pela erosão diferencial dos calcários do Cenomaniano (Cretácico superior) originam formas muito especiais que, por vezes, com a influência antrópica, resultam em autênticos geomonumentos. Exemplos desta interacção entre a natureza e a acção humana são, a figueira que cresceu num corpo de lapiás (em Maceira) ou as pequenas casas rurais que foram construídas aproveitando as formas do lapiás (em Maceira e Negrais). Por seu lado, o campo de lapiás da Granja dos Serrões, também conhecido por “Museu da Pedra”, constitui um monumento natural sob a alçada do Parque Natural de Sintra - Cascais em que, para além das estranhas formas geológicas, se podem ainda observar testemunhos de fauna e vegetação mediterrânica, que infelizmente já não abundam no nosso território. Apesar de usufruir de um regime especial de protecção, encontra-se bastante abandonado e com inúmeras marcas de utilização indevida (muito lixo, rasgado por pistas de motas, violado por caçadores, etc).

Bibliografia:
• Fleury, E. (1917) “Notes sur l'érosion en Portugal – II – Les Lápies des Calcaries au Nord du Tage” – Com. Comis. Serv. Portugal, t. XII, Lisboa, p 127 –274
• Almeida, Moitinho de; Kulberg, M. C.; Manupella, G.; Ramalho, M. (1991) -Carta Geológica de Portugal Folha 34 A – Sintra – Instituto Geológico e Mineiro.
http://centro-geologia.fc.ul.pt/actividades/calcarios_cretacicos_de_maceira.htm
http://centro-geologia.fc.ul.pt/actividades/calcarios_cretacicos_de_negrais-pedra_furada.htm
http://www.jf-peropinheiro.pt

A cache

Deixe a viatura na berma da estrada, em N 38 51.767 W 9 18.320 (WP1 no ficheiro TrackMaker que disponibiliso AQUI).

Aconselho a leitura do painel de informações, da responsabilidade do Parque Natural de Sintra - Cascais, localizado junto a esta entrada do campo. Aqui poder-se-á aprender um pouco mais sobre o campo de lapiás e a sua flora e fauna.

Faça a aproximação ao local da cache utilizando os caminhos existentes, evitando danificar desnecessariamente a vegetação. A distância a percorrer não é longa mas, por vezes, a vegetação torna-se bastante densa. É possível passear por diversos caminhos e carreiros, por entre a vegetação, podendo encontrar-se recantos de elevada beleza.

Não há grandes cuidados a ter, exceptuando os normais numa zona protegida (não deixar lixo, não fazer fogo, não fazer estragos, etc...).

Será no entanto conveniente ter em atenção que, apesar de ser proibido, por vezes o local é utilizado por caçadores e pode existir circulação de motas nos trilhos, por entre a mata.

Trajecto aconselhado

Começar o trajecto seguindo pelo caminho que começa junto ao painel de informações do parque, em direcção a Sul. Ao contornar a mancha de vegetação mais densa, o caminho toma progressivamente direcção para Este e depois para Norte e Noroeste, até chegar ao WP2 (N 38 51.656 W 9 18.116).

Neste ponto, sair para a direita do caminho, percorrendo umas dezenas de metros por entre alguns corpos de lapiás, com vegetação baixa mas relativamente densa. Seguir até ao WP3
(N 38 51.686 W 9 18.140), cruzando o caminho, seguindo depois em direcção à localização da cache (N 38 51.677 W 9 18.179), para Sudoeste, por entre vários corpos de lapiás de grandes dimensões, desta vez com vegetação mais alta e densa. Reparar nos pormenores que as raízes da vegetação fazem ao se entrançarem, agarrando-se desesperadamente às paredes dos corpos de lapiás.

O local onde a cache se encontra tem bastante vegetação, que encobre parcialmente o céu, dificultando a captação do sinal GPS, pelo que a localização do local da cache poderá não ser muito fácil. Depois de encontrar a cache, seguir em direcção a Noroeste pelos caminhos que parecerem mais fáceis, passando por vários novos corpos de lapiás, até encontrar novamente o caminho de terra batida, no WP5 (N 38 51.710 W 9 18.201.)

Agora bastará seguir o caminho até encontrar novamente a estrada de alcatrão, WP6 (N 38 51.790 W 9 18.282), voltando então ao ponto de partida (WP1).

Este percurso tem uma distância total de aproximadamente 1,3km, dependendo das “voltinhas” que forem dadas pelo meio.

Quem o desejar, poderá fazer uma abordagem mais directa à localização da cache, percorrendo uma distância substancialmente mais curta, mas perdendo boa parte da beleza da zona.

Conteúdo original da cache

Logbook, lápis, afia-lápis, filofax, porta-chaves com chaves de parafusos e fita porta-chaves dos atletas parolímpicos.

Não esquecer!!! “Cache in, trash out”

Nota: Deu bastante trabalho, mas as silvas e as urtigas ficaram todas com os picos bem afiadinhos, para melhor receberem as visitas!!!

Esperamos que tenham um bom passeio!
PH, Beli e Tomás Bargão Henriques

Cache In Trash Out Event 1st CITO Event in Portugal, realizado na Granja dos Serrões no Dia da Árvore, 21 de Março de 2004.


Click To Rate This Cache


Quer saber mais sobre o Geocaching em Portugal?
Adere ao grupo de discussão e visita os sites Geocaching@PT,
GeoPorStats
e os mapas com a localização das caches portuguesas

Would you like to know more about Geocaching in Portugal?
Join the discussion group and visit Geocaching@PT,
GeoPorStats and the maps with the location of the portuguese caches

Additional Hints (Decrypt)

Anb inyr n cran cebphene ab zrvb qn irtrgnpnb qrafn.

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)

 

Find...

  • A cacheDescrições para quê?
  • Granja dos SerrõesVista parcial do campo, numa zona de vegetação baixa
  • Granja dos Serrões 2Um dos caminhos por entre os corpos de lapiás, numa zona de vegetação alta
  • GravuraGravura de Ernst Fleury (1917) do campo de lapiás da Granja dos Serrões
  • MaceiraCorpo de lapiás, no qual cresceu uma figueira. Actualmente encontra-se no centro de um largo e tem instalado um pequeno fontanário

358 Logged Visits

Found it 318     Didn't find it 9     Write note 31     

View Logbook | View the Image Gallery of 221 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated: on 2/13/2017 6:51:32 PM (UTC-08:00) Pacific Time (US & Canada) (2:51 AM GMT)
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum