Skip to Content

This cache has been archived.

touperdido: É melhor para todos, assim! :)

More
<

TP05 - Quercus Lusitanica [Ourém]

A cache by touperdido Send Message to Owner Message this owner
Hidden : 10/24/2006
Difficulty:
4.5 out of 5
Terrain:
3 out of 5

Size: Size: regular (regular)

Join now to view geocache location details. It's free!

Watch

How Geocaching Works

Please note Use of geocaching.com services is subject to the terms and conditions in our disclaimer.

Geocache Description:


Parque Natural da Serra D'Aire e Candeeiros

O facto de conhecer bem esta zona do PNSAC através, do serviço de voluntariado (marcação de percursos pedestres), do Curso de iniciação à Espeleologia, de gostar de estar em contacto com a natureza e de ter trabalhado durante dois anos nesta zona, fez com que tivesse muito empenho na colocação desta cache. Esta cache é a primeira fase de um projecto de divulgação deste parque, ou seja, pretendo com esta primeira cache dar a conhecer um pouco do PNSAC nomeadamente no que diz respeito á flora.

Com uma área aproximada de 35000ha, o PNSAC caracteriza-se por constituir uma peculiar transição entre as condições mediterrâneas e atlânticas e situa-se, quase na totalidade, na zona edafoclimática calcomediterrânea, sendo por isso um clima húmido (de quedas pluviométricas que mais parecem as do Norte do país), de temperaturas médias e com grande deficiência de água no Verão. Foi em 1949 que o célebre geógrafo português Fernando Martins, "inventou" e "definiu" a sua identidade: "assim tão diferenciado das regiões confinantes (...), pelas formações geológicas, pela carência (...) e escassez de pontos de água, e reforçada ainda a sua fisionomia particular pelo típico revestimento vegetal, a individualidade do Maciço Calcário Estremenho não pode oferecer dúvidas".

 

O Maciço Calcário Estremenho foi durante longos séculos uma área adversa à fixação humana em resultado da ausência de água à superfície, à agressividade dos calcários, à quase ausência de solos agrícolas, aos acentuados declives e à dificuldade de acessos, .. um território marginalizado como ilustra Orlando Ribeiro ".. a presença de grandes maciços calcários domina a paisagem da Estremadura Central e constitui um dos mais vigorosos elementos da sua originalidade... constituem um inóspito, onde as casas das aldeias e lugarejos recolhem a água das chuvas em cisternas e as culturas, durante o verão, contam apenas como orvalho e as brumas oceânicas. Durante muito tempo domínio de pastores e carvoeiros, aproveitando a argila empobrecida das depressões cársicas ao estrume das ovelhas e das cabras, protegendo os campinhos dos gados com paredes espessas como muralhas de defesa, onde se arruma a pedra removida para aproveitar a terra, foram, no princípio do século (XX), cobertos de um ponteado de oliveiras..."

 

Hoje o Maciço Calcário Estremenho é um território olhado de maneira diferente nos recursos que encerra, na riqueza que significa e nas potencialidades de desenvolvimento que oferece. Os recursos naturais são duma importância extraordinária ao nível da paisagem, da geologia, da diversidade biológica, dos recuros hídricos... e devem ser harmonizados na sua conservação económica, quer sejam actividades aparentemente compatíveis com o turismo de natureza, quer outras com impacte flagrante como a exploração de inertes ou a actividade pecuária. Estes desafios têm de ser agarrados por todos os agentes em torno do PNSAC, ... entidade a quem felizmente incube a maior responsabilidade na garantia de promoção dum desenvolvimento sustentável que honre este ex-libris que é Fernando Martins, de Orlando Ribeiro, mas também de nós todos cidadãos deste Planeta...

 

A dissolução dos calcários, provocada pela infiltração das águas das chuvas através de fendas existentes na rocha, imprime à paisagem um cunho particular, designado por modelado cársico. A presença de maior ou menor quantidade de substâncias pouco solúveis (dolomite, minerais de argila, óxidos), aliados à existência de estruturas tectónicas, à topografia e à cobertura vegetal, são factores que condicionam o processo de carcificação. Daqui resultam aspectos característicos das regiões calcárias, tais como: Dolinas que são depressões de forma grosseiramente circular e de fundo preenchido por sedimentos, que podem ou não estar associadas a um algar, Uvalas e Polje que é uma depressão de fundo plano, que pode atingir vastas extensões, caracterizado pelo seu funcionamento hifrológico, em regra associado à existência de cursos de água temporários que têm origem em "exsurgências" na sua periferia e terminam em sumidouros e afloramentos marcados por sulcos mais ou menos profundos e estreitos (campo de lapiás) e cavidades substerrâneas (grutas e algares). Um exemplo de carcificação é a Fórnea, estrutura em anfiteatro com cerca de 500 metros de diâmetro e 250 metros de altura, que corresponde à cabeceira encaixada do ribeiro da Fórnea escavado em calcários margosos e margas do Jurássico inferior a que se sobrepõem os calcários do Jurássico Médio. Os canhões cársicos são gargantas profundas, talhadas na rocha por cursos de água, cuja origem é, de uma forma geral, externa ao carso (ex: ribeira dos Amiais) e que, por mecanismo de dissolução, vão afundar o seu leito.

 

O Parque Natural da Serra D'Aire e Candeeiros, parte substancial do Sítio da Rede Natura Serras de Aire e Candeeiros, forma com outros dois Sítios da Rede Natura: Serra de Montejunto e Sicó - Alvaiázere, o conjunto montanhoso calcário biogeograficamente mais homogéneo do território português. Com um mosaico de vegetação onde predominam diversos tipos de matagais, que constituem as etapas de degradação de três diferentes situações de clímax: bosques de carvalho-cerquinho, azinhais e sobreirais, a aparente monotonia do coberto vegetal, observada de perto, revela uma riqueza surpreendente. No caso particular do PNSAC, a biodiversidade é notável. Nalguns tipos de vegetação, aqueles que ocupam grande parte da superfície deste parque, uma análise cuidada permite identificar, num metro quadrado de solo, durante um ciclo vegetativo anual, várias dezenas de espécies vegetais. É difícil que neste nível de diversidade florística se repita noutra parte do país, fora do enquadramento biogeográfico referido.

 

O inventário da flora do Parque confirma a ocorrência de quinhentas e setenta espécies de plantas vasculares e cento e setenta briófitos. Um quinto da flora vascular de Portugal Continental e metade da flora briológica, estão aqui representados. Este fenómeno excepcional de diversidade é a resposta florística a condições também muito diversificadas do meio que, mais uma vez, são quase exclusivas desta região. Da conjugação da natureza litológica sedimentar oferecida pelo calcário; com a amplitude altitudinal de cerca de 500 m; a riqueza de fenómenos geomorfológicos cársicos; e o mosaico microclimático proporcionado pela orografia; resulta uma oferta variada de condições ecológicas das quais as plantas usufruem vantajosamente. Por outro lado a ocupação humana, e as actividades exercidas de forma continuada, mas suave: dispersas homogeneamente pelo espaço e tempo, são facetas de uma diversidade cultural do passado recente, que deram também um contributo importante. A combinação das duas diversidades; a diversidade de habitats e a diversidade cultural; incrementou no PNSAC um património natural invejável: a sua diversidade florística.

 

O coberto vegetal original do Maciço Calcário seria dominado pelo carvalho-cerquinho (Quercus faginea) espalhado pelos vales e sopés das encostas mais frescas e de que restam pequenas manchas, substituído pela Azinheira (Quercus rotundifolia) à medida que se progride em altitude. O carvalho-negral que ocorre numa situação climática desfavorável e subsiste instalado sobre solos siliciosos, usufrui de uma dequada disponibilidade hídrica freática. Esta árvore. rara na região, convive aqui com o carvalho-cerquinho. Os matagais, sob a designação corrente de "matos", que albergam todo um cortejo de palntas, de altura, densidade e composição variados, são formações vegetais que caracterizam grande parte da paisagem actual. Nestes têm destaque algumas espécies de valor aromático e medicinal e outras, como o carrasco (Quercus coccifera), o alecrim (Rosmarinus officinalis) e o medronheiro (Arbutus unedo).

O grosso das disposições legais de protecção directa a espécies da flora portuguesa com incidência no Parque, resulta da transposição para o direito interno de convenções internacionais ou directivas comunitárias. De um grupo de quarenta plantas com estatuto legal de protecção, apenas duas são protegidas por legislação produzida em instâncias nacionais. O facto apontado serve para ilustrar a ausência de iniciativa endógena à protecção do nosso valioso património genético vegetal. Ocorrem no PNSAC sete espécies vegetais inscritas no Anexo B II, alínea b, do Decreto-Lei nº 140/99 de 24 de Abril. São elas: "Arabis sadina", "Euphorbia transtagana", "Iberis procumbens", "Juncus valvatus", "Narcissus calcicola", "Pseudarrhenaterum pallens" e "Silene longicilia".

 

Fotografias e textos retirados de:

Livro "25 anos do PNSAC", gentilmente oferecido pelo Paulo Lucas (Pegadas dos Dinossauros); Livro "Plantas a Proteger do PNSAC" de António Flor ; Instituto de Conservação da natureza: www.icn.pt; Região de Turismo de Turismo Leiria Fátima: www.rt-leiriafatima.pt; Site de fotografias: marco.photobook.org.uk/c480832.html

Localização

 

Para chegarem à cache vindo de Lisboa ou do Porto na A1 devem sair em Fátima ou em Torres Novas mas esta última parece-me mais complicado. Saindo em Fátima logo a seguir à portagem viram á direita, seguem sempre em frente até que chegam a uma rotunda, aí seguem a indicação: Torres Novas e Minde (é logo a primeira saída, quando entram na rotunda). Pouco depois de passarem uns semáforos encontram outra rotunda, viram á esquerda na direcção de Torres Novas. Seguem por umas grandes rectas, com a Serra de Aire do vosso lado direito até uma povoação de nome: Bairro. Passam umas bombas de gasolina e logo a seguir têm uns semaforos, aí cortam para a direita e seguem a direcção do estacionamento em N 39º 34.120 - W 8º 36.365

 

Cache

Esta é uma multi-cache com o objectivo de dar a conhecer uma pequena parte do PNSAC, nomeadamente no que toca à diversidade de vegetação. A maioria do percurso da caçada está integrado num percurso pedestre (marcas amarelas e vermelhas), sendo que só apartir da última coordenada até á cache final é que já não faz parte do percurso, por isso pode ser feito a pé ou bicicleta. Aconselho: a levar um pedaço de corda de 8m que pode ser útil e a não fazerem esta cache sozinhos porque senão o nível sobe significativamente (a altura conta!). Podem levar as crianças desde que não precisem de carrinho, pois o terreno não é direito... A cache final é um tupperware e tem os itens normais e as predinhas do costume.

 

Outros Pontos de interesse: Pegadas dos Dinossauros (fica muito perto do cache)

Cache: Monumento Natural das Pegadas dos Dinossauros

Parque de Merendas: N 39º 34.814 - W 8º 35.057

Aeroclube Pias Longas: N 39º 35.244 - W 8º 34.709

Quercus lusitanica

Additional Hints (Decrypt)

Pnpur1: Whagb n "dhrephf", ahz ohenpb qr qbvf pz; Pnpur2: Bf pneinyubf aãb qãb cvaunf!; Pnpur svany: Cregb qr Byvirven

Decryption Key

A|B|C|D|E|F|G|H|I|J|K|L|M
-------------------------
N|O|P|Q|R|S|T|U|V|W|X|Y|Z

(letter above equals below, and vice versa)



 

Find...

98 Logged Visits

Found it 74     Didn't find it 8     Write note 5     Archive 1     Temporarily Disable Listing 3     Enable Listing 2     Publish Listing 1     Needs Maintenance 1     Owner Maintenance 3     

View Logbook | View the Image Gallery of 41 images

**Warning! Spoilers may be included in the descriptions or links.

Current Time:
Last Updated:
Rendered From:Unknown
Coordinates are in the WGS84 datum

Return to the Top of the Page

Reviewer notes

Use this space to describe your geocache location, container, and how it's hidden to your reviewer. If you've made changes, tell the reviewer what changes you made. The more they know, the easier it is for them to publish your geocache. This note will not be visible to the public when your geocache is published.