View Geocache Log

Write note danieloliveira posted a note for Mina do Lousal [Grândola]

Thursday, February 28, 2008Setúbal, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

(Cont.)
Esta formação aflora a N do Lousal e no bloco oriental da falha de Corona. O jazigo encontra-se associado ao Complexo Vulcano-Sedimentar (CVS) da Faixa Piritosa (Fameniano sup.-Viseano sup.) que aqui é representado por três unidades principais indicadas da base para o topo: i - xistos cinzento-escuros piritosos com lentículas de sulfuretos associadas (jazigo do Lousal), intercalações de espilitos e de metavulcanitos felsicos xistificados localmente com texturas fiamme e fácies vulcanoclásticas, xistos cinzentos com nódulos siliciosos e vulcanitos coerentes de natureza rio-dacítica; ii – xistos siliciosos com intercalações finas de chertes e de metavulcanitos ácidos finos sericíticos fortemente xistificados, diabases intrusivas associadas aos espilitos superiores; iii – espilitos, localmente com fácies de pillow-lava, intercalações esparsas de jaspes e de xistos borra-de-vinho. O enquadramento paleogeográfico do jazigo do Lousal é semelhante ao de outros depósitos de sulfuretos da FPI associados a xistos cinzento-escuros piritosos, formados em ambiente marinho redutor como Montinho (Portugal) e Tharsis e Sotiel (Espanha). Para oeste a estrutura CVS do Lousal, que se prolonga para norte até à falha de Grândola (sector mina da Caveira), encontra-se limitada por um cavalgamento principal de direcção N40ºW, contactando tectonicamente com a Fm. de Mértola (Viseano sup.). Os eixos das dobras apresentam inclinação NW, predominando na corta da mina planos de clivagem N50ºW, 85ºSW. A alteração meteórica das massas de sulfuretos Central, Miguel, Oeste e Sul é evidenciada pela presença de chapéus de ferro com possança métrica e, localmente, por uma intensa caulinitização supergénica. Na zona sul da corta observa-se uma nascente de águas ácidas, associada a uma fractura N35ºW, que reflecte a dinâmica dos aquíferos locais condicionados pelas ribeiras de Corona e Espinhaço de Cão.

Matos, J.X.; Relvas, J.M.R.S. (2006) Mina do Lousal (Faixa Piritosa Ibérica). Livro Guia Excursão C.4.1, VII Cong. Nac. Geologia, Estremoz, Un. Évora, Portugal, pp. 23-25.

infoThis is the original cache type consisting, at a bare minimum, a container and a log book. Normally you'll find a tupperware container, ammo box, or bucket filled with goodies, or smaller container ("micro cache") too small to contain items except for a log book. The coordinates listed on the traditional cache page is the exact location for the cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us