View Geocache Log

Found it clcortez found Picante? Sim se faz favor [Rio Maior]

Wednesday, December 26, 2012Santarém, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

E foi no final de um dia dedicado à caminhada na Rota do Carvão na companhia de mais dois dinossauros e companhia que decidimos vir até aqui.

Depois de um almoço tardio em terras de D. Fuas Roupinho cada um foi para o seu lado, sendo que dois vinham na direcção de Lisboa. Aproveitando ter as coodenadas desta cache guardadas para a fazer já há algum tempo, seguirmos para Sul pelo meio da serra e ser junto a um vértice geodésico, lembrei-me de convidar o Manel a ir ver o pôr do sol comigo. É uma visão no mínimo carinhosa...

Assim, direito às Alcobertas, depois apanhar um caminho de terra batida de acesso às pedreiras, sempre a olhar para trás para ver quando é que o Manel me fazia sinais de luzes para avisar que se ia despenhar ou partir uma peça do carro ou algo assim, mas não, portou-se como um geocacher T5 à altura, nem uma queixinha! Chegámos ao alto, e deparámo-nos com uma verdadeira auto estrada de alcatrão de acesso às pedreiras dos Candeeiros, onde um camião passou em alta velocidade por nós. Estávamos no topo, viamos o sol a desaparecer por detrás das nuvens que surgiam naquele fim de tarde vindas do mar, mas não desmorecemos e seguimos o camião em direcção ao Pé da Serra. E foi já perto desta localidade que acabámos por parar, junto ao local que nos pareceu o mais acessível para a cache.

Deixámos o carro junto à estrada, porque o Manel apesar de cada vez ter carros que marcam mais no velocímetro (este agora marca 270km/h , se o Monho soubesse...) são cada vez mais baixinhos e não se pode arriscar a levá-lo para perto das caches...este, só mesmo para as drive-in's, não sei como o Manel não aproveita para fazer mais...
Seguimos junto ao parque de merendas que se encontra no local, e subimos até junto da torre de vigilância. Ali, tivémos que procurar um melhor acesso que nos levasse junto do vértice geodésico, onde contaríamos que estivesse a cache. Rapidamente estávamos num trilho cheio de carrascos e onde fomos literalmente engolidos por estes, desaparecendo completamente por entre a vegetação.

Um dado curioso: o Manel tinha pensado para este dia em ir fazer as Dobras Verdes, também deste owner, no entanto por os dias serem curtos e por a cache ser algo demorada e que deve ser desfrutada com tempo, acabou por desistir da ideia. O que ele queria mesmo era neste dia fazer uma cache do Tou Perdido com mato até à altura da cabeça, e foi aqui que o desejo se concretizou, mesmo quando ela já não esperava! Coincidências!...

Continuando, rapidamente chegámos ao VG. Pego nas coordenadas e eram ainda umas dezenas de metros à frente. Seguimos por um trilho mais ou menos marcado, e acabei por ir eu à frente, dado coma cache, já na encosta descendente, no que agora é uma verdadeira auto-estrada, não deixando no entanto de ser picante, claro!
Encontrada a cache por mim, foi a vez do Manel a procurar, também com sucesso, mas comigo a fazer de GPSr humano.
Logada a cache, de regresso ao VG para o subir e tirar umas fotos de fim de dia, embora com o sol já muito para lá da linha do horizonte, ainda assim proporcionou fotos engraçadas.

E posto isto, regressámos aos carros, com o Manel a cair pelo menos 3 vezes à minha frente, penso que como ele diz " para ver de mais perto as belas raízes dos carrascos que evolvem o lapiás húmido". Deve ser, deve. Eu acho que é da idade.

Despedidas feitas, e seguimos para Lisboa.

Muito obrigado pela cache, já com bastante tempo, mas que nunca se tinha proporcionado vir aqui. A paisagem é muito agradável, embora com o IC1 logo ali por baixo dos nossos olhares, e a encosta trasporta do som dos carros até lá acima, mas ao fim da tarde não deixa de valer bem a pena! E o parque eólico ali ao lado enriquece a paisagem com o sincronímos das pás às voltas. E é picante? Sim, claro...

TNLN. A cache está de boa saúde.

Cláudio Cortez

Manel em passada rápida a caminho da cacheJunto ao parque de merendas

Additional Images Additional Images

Manel em passada rápida a caminho da cache log image Manel em passada rápida a caminho da cache

Metido no meio dos carrascos log image Metido no meio dos carrascos

Antena, VG e eólica log image Antena, VG e eólica

VG e eólica sobre o horizonte log image VG e eólica sobre o horizonte

Parque eólico dos Candeeiros log image Parque eólico dos Candeeiros

Geocacher em acção log image Geocacher em acção

"Será que está aqui alguma micro no buraco?" log image "Será que está aqui alguma micro no buraco?"

Geocachers no topo log image Geocachers no topo

O horizonte como fundo log image O horizonte como fundo

Descendo log image Descendo

Perdidos no picante log image Perdidos no picante

infoThis is the original cache type consisting, at a bare minimum, a container and a log book. Normally you'll find a tupperware container, ammo box, or bucket filled with goodies, or smaller container ("micro cache") too small to contain items except for a log book. The coordinates listed on the traditional cache page is the exact location for the cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us