View Geocache Log

Write note global trekkers posted a note for Montanhas Nebulosas [PNPG]

Saturday, July 5, 2014Viana do Castelo, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

(Parte 11/14)

A primeira parte desta travessia levou-nos a atravessar todo o vale que no final do dia anterior tínhamos observado nas alturas aquando estivéramos no pico do Sobreiro. Em pleno vale não pudemos deixar de colocar a nossa atenção num belíssimo prado mais abaixo (já em terras de Espanha) e que parecia saído de um cenário dos bonecos animados da Heidi e Marco. Um local digno quiçá de passar a noite aquando de uma próxima travessia da serra. Pela frente tínhamos agora uma montanha bem alta para subir, e que logo nos fez ter um bom aquecimento para o que estava para vir. Felizmente seguimos por um trilho de pé posto quase imperceptível e que sem grandes dificuldades nos levou ao topo. Daqui pudemos observar todo o enquadramento da lagoa e povoação dos Carris situados na montanha oposta, do outro lado do vale. Era assim o último vislumbre deste místico local…

A partir daqui entrámos numa fase da caminhada menos desgastante em termos de acidentes de terreno, já que às habituais sequências de sobe vales – desce montanhas, sobrepunha-se agora um terreno mais planáltico, o que para a mesma distância, permitiu-nos fazer o percurso num menor espaço de tempo. Seguíamos agora quase sempre ao longo da linha de fronteira tão clara ao durante o percurso. Pelo caminho foram algumas as vezes que nos deparámos com formas estranhas que os elementos naturais esculpiram nestas rochas ao longo dos tempos. Nesta fase já o Sol se escondera dando lugar a enormes manchas de nuvens e nevoeiro que lambiam os penhascos e sorrateiramente silenciosas seguiam atrás no nosso encalço. Mal acabáramos de transpor um vale do lado ao outro, já a outra vertente que descêramos há minutos atrás se encontrava escondida pela cortina de nuvens. Tínhamos noção que a meteorologia neste dia não seria tão favorável como a do dia anterior, no entanto acarretámos a esperança de pelo menos não chover tal como estava inicialmente previsto. O nevoeiro no horizonte estava cada vez mais perto e agora era à nossa frente que se colocava, mesmo antes de descermos mais uma encosta. Fomos finalmente engolidos pelo dito, sem no entanto grandes preocupações já que não era tão denso quanto isso e estávamos claramente preparados para enfrentar tal adversidade. Simplesmente ora cobria-nos e ao horizonte por completo, ora levantava subitamente deixando-nos ver o que tínhamos pela frente. Desde que a chuva não começasse a cair tudo estava bem, embora nalgumas vezes perdêssemos o certamente espectacular enquadramento da sequência de vales e montes que nos cercava. A progressão era agora mais rápida já que o terreno – essencialmente com pequenos altos e baixos e com trilhos bem nítidos – a isso era propício. Fazíamos agora 2-3 km num curto espaço de tempo, quando comparados por exemplo com o sector Portela do Homem – Carris, em que os constantes e acentuados altos e baixos dificultavam bastante a progressão. O dia ia avançando e o nevoeiro, outrora fugaz e pontal, era agora mais constante e próximo de nós. Entráramos agora numa bonita zona planáltica pontilhada por algumas agulhas graníticas afastadas umas das outras. Precisamente numa dessas agulhas estava o último ponto intermédio de recolha informação desta cache. O fim estava assim relativamente próximo. Como já sabíamos que o final seria bastante exigente em termos físicos e psicológicos, e uma vez que nos encontrávamos relativamente próximos, a cerca de 1 km, decidimos fazer aqui o nosso almoço (versão picnic) agora imersos num manto de nevoeiro. Tempo também para subir, finalmente sem as mochilas atrás, até ao marco geodésico para recolha da última informação e consequente obtenção das coordenadas finais. Repostas as energias para níveis aceitáveis e redobrada a dose de optimismo, partimos então para a etapa decisiva desta jornada, ao encontro da cache final.

infoA multi-cache ("multiple") involves two or more locations, the final location being a physical container. There are many variations, but most multi-caches have a hint to find the second cache, and the second cache has hints to the third, and so on. An offset cache (where you go to a location and get hints to the actual cache) is considered a multi-cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us