View Geocache Log

Write note Pintelho posted a note for La Ruta de Los Túneles - Barca d'Alva

Saturday, April 27, 2013Guarda, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

Parte #3/3

Dali do GZ (ou de muito próximo dele ), as vistas para a ponte que desemboca num túnel dão a melhor fotografia do percurso. Sempre que a mostro, a reação é a mesma: "Parece uma paisagem de filme!". E não é, mas bem podia ser. Simplesmente capaz de nos transportar para um qualquer local de fantasia, com anões e duendes, cavaleiros e batalhas.

Seguimos, meio desapontados. Na verdade, comentámos várias vezes, como que para nos enganarmos, o importante é a caminhada. E é, não é?!

No túnel seguinte tivemos um encontro imediato com um casal de turistas que, guiados por uma desnorteada portuguesa, acreditavam estar já a meio do percurso. O meu GPSr marcava 13 Km, e eles acreditavam já ter percorrido outros tantos desde Fregeneda. Informei-os de que assim não era e de que era provável que já não chegassem com luz do dia a Barca d'Alva, mas fomos ignorados. Esperamos que nada se tenha passado com os caminheiros.

Seguimos em direção ao túnel dos morcegos, deixando para trás a paisagem de cortar a respiração do Águeda. Um dos túneis, aberto no meio, tem uma das vistas naturais mais esplendorosas da caminhada.
Mas nós, impávidos, seguimos.

O túnel dos morcegos começa como os outros todos. Não se vê o fim - é uma curva. Cheira a carvão. Como banda-sonora, água a escorrer pelas paredes do túnel. à nossa frente, um solitário e assustado morcego sobrevoa a cavidade para o seu interior.
"Então era isto? O túnel dos morcegos tem um morceguito?".
Mas eles vivem em colónias, e lentamente vou ouvindo o som da água ser substituido por uma chiadeira, que em breve se torna na banda-sonora principal. Em simultâneo, os pés deixam de pisar cascalho e começam a pisar os dejetos dos morcegos. Em simultâneo, o cheiro do carvão transforma-se no cheiro dos mesmos dejetos e, em simultâneo, o teto do túnel fica pejado de animais, assustados pela luz do nosso frontal. Ali, naqueles cem metros, não entra a luz, e mandam eles. Os arrepios de satisfação por presenciar uma realidade que sei que 99% das pessoas desconhecem fazem esquecer o DNF. Acima de tudo, a aventura já valeu a pena.

Saímos do túnel, e a GS venceu três medos: dos túneis, das alturas e dos morcegos. O sorriso estampado nos lábios dela denota o alívio. Certamente esteve, todos estes Kms, a pensar que seria incapaz de enfrentar este túnel e, no entanto, até gostou da experiência. Aposto que, também ela, já esqueceu, temporariamente, pelo menos, o DNF.
Segue-se um troço de linha, quase sem trilhos por fora dos carris e, por último, o túnel. O número 1 no topo não engana, mas... Já vejo a luz. Se calhar não é necessário passar pelo túnel com mais de 1 Km.
Então entrámos. Seguimos e, após cerca de cinco minutos no túnel, a luz não se mexia, à nossa frente. Foi então que, finalmente, percebemos que esta reta era o famigerado túnel.
E andámos, andámos, andámos, enquanto aproveitava para partilhar com a GS que andar nos túneis dos comboios sempre acompanhara o meu imaginário de criança. Fascinado, seguia, metro após metro, vendo finalmente a luz aumentar de tamanho na minha retina.
WOOOOOOOOOOW!, pensei, ao sair do túnel, vislumbrando de imediato a estação de Fregeneda.
Seguimos e abrigámo-nos, enquanto esperávamos pelo bonacheirão Sr. Amadeu, sempre prestável e já preocupado, pois com a busca pela cache acabámos por demorar muito mais que a nossa conta.

No interior dos armazéns abandonados, encharcados pela chuva que nos acompanhou nos últimos Kms, abraçámo-nos. Ambos o sabíamos: este DNF ficaria na memória, e um dia haveríamos - havemos - de voltar.

Obrigado, Cláudio, por proporcionares ao mundo uma das melhores aventuras que o Geocaching pode ter.
Obrigado, GS, por teres, primeiro, confiado em mim, segundo, abdicado de um dia para fazer este percurso, terceiro, por aturares os meus devaneios e, por fim, por te teres deixado embarcar numa caminhada... em troca de um DNF!

MUITO OBRIGADO pela inesquecível cache!

infoA multi-cache ("multiple") involves two or more locations, the final location being a physical container. There are many variations, but most multi-caches have a hint to find the second cache, and the second cache has hints to the third, and so on. An offset cache (where you go to a location and get hints to the actual cache) is considered a multi-cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us