Skip to Content

View Geocache Log

Found it CarlosAgnelo found Poço do Inferno

Monday, August 8, 2011Guarda, Portugal

Com o quartel general nas Penhas da Saúde, propus à minha cara metade e à restante família presente, para irmos dar uma volta ao Poço do Inferno. É evidente que não disse toda a verdade: Conhecedor da pouca motivação que tem para o “geocaching” lá vendi o produto de outra maneira: Que, para além da cascata, se podia usufruir de ótimas sombras, que aproveitávamos e dávamos umas voltas com os garotos que… etc., etc., etc..
“Pronto, então vamos!” – disse ela. “Uhau”! – pensei eu.

Entre o Centro de Limpeza de Neve e o Covão da Ametade algumas placas. Entre elas, uma a indicar Poço do Inferno e outra SERRA de Bº. Evidentemente que, tal como o poeta, assumi: “Não! Não vou por aí!”. A razão não tinha nada a ver com a placa da SERRA DE Bº mas com o facto de, em experiência anterior naquela via, ter passado um mau bocado, dado o estado de conservação da mesma. Mas aquela da SERRA DE Bº, é muita (pouco) "informativa", não?

Galgado praticamente todo o vale glaciar, antes de chegar a Manteigas outras placas indicavam, mais uma vez, Poço do Inferno, SERRA DE Bº e... agora fomos por ali. Pouco depois do Miradouro, à direita, mais umas placas, uma delas a indicar… SERRA DE Bº. Claro que o Poço do Inferno já não era agora na mesma direção pelo que seguimos até ao parque de estacionamento onde deixámos o “cachemobile” e armámos o carrinho de bebé (“cachemoile baby?”). Passámos em frente do local de acesso ao Poço (e à cache) mas não me descosi. E continuámos, estrada adiante, até chegarmos próximo do cruzamento de Sarnadas para voltar usufruindo daquela paisagem, frescura e silêncio apenas entrecortado pelo cantar dos passarinhos, pelos berros de um aspirante a "geocacher" (esse sim, por minha culpa já com uma grande parte da “escola” feita) e pelos sons emitidos pela ocupante do “cachemobile baby”. Deu para colhermos amoras e ainda, como quem não quer a coisa, dizer, a páginas tantas, ao aspirante, para todos ouvirem “Queres ver uma cache?” E ele, com satisfação dizendo que sim. Levei-o a ele e, por tabela, a todos os outros, a uma etapa da multi “Star Montain”, ali próximo. Claro que me interessava rever as coordenadas para atacar a cache final...

Continuámos até mesa ao lado do chafariz próximo do Poço onde a família se sentou para refrescar e dar comida à mais pequenina: Perguntei ao aspirante se ele queria ver o Poço do Inferno. Claro que sabia qual era a resposta. Mas disse-lhe alto e bom som: “Está bem mas agora deixas que eu vá ali sozinho a mais uma cache e já te venho buscar”. Fui até ao ponto de início da escalada e, sem qualquer GPSr, uma vez que já cá tinha vindo, comecei calma e paulatinamente a seleccionar os pequenos “degraus” nas pedras. Uma delas, um pouco acima da cabeça, no início da escalada, quando experimentada, começou a mexer, pelo que foi logo deixada de parte. É ali, porventura, a parte mais arriscada, em condições normais de Verão. De resto tudo foi, dentro da serenidade e racionalidade a que as escaladas devem obedecer, fácil.

Chegado à cache, sentei-me, acenando à família de cá de cima e obtendo o respetivo “feedback” em especial do aspirantezinho a “geocacher”, olhei mais à esquerda, para o pequeníssimo fio de água que vai escorrendo pela lage abaixo em vez da cascata . Sobre os “muggles” apenas um casal passou em baixo, junto aos meus familiares, olhou para mim sem aparentemente perceber o que estava a fazer...

Feito o “log”, tiradas algumas fotos pelos elementos da família, iniciei e concluí com as mesmas serenidade e racionalidade o caminho de regresso.

Foi então que, agarrada firmemente a mão do aspirante a “geocacher”, o levei até ao local onde tinha iniciado a escalada e, como havia prometido, mesmo até às bordas do Poço. Escusado será dizer que, se lhe desse “bóia” entrava, vestido ou à Pai Adão, para a água. Mas isso até poderá ficar para uma próxima.

TFTC
TNLN

Um grande rochedo e um pequeno "geocacher"!

Additional Images Additional Images

Um grande rochedo e um pequeno "geocacher"! Um grande rochedo e um pequeno "geocacher"!

A Queda em Junho de 2010 A Queda em Junho de 2010

Diferentes tipos de granito Diferentes tipos de granito

Uma das escarpas mais resistentes à erosão Uma das escarpas mais resistentes à erosão

O Miradouro e as escarpas O Miradouro e as escarpas

Prox. do Miradouro: Panorâmica pª Vale do Zêzere Prox. do Miradouro: Panorâmica pª Vale do Zêzere

infoThis is the original cache type consisting, at a bare minimum, a container and a log book. Normally you'll find a tupperware container, ammo box, or bucket filled with goodies, or smaller container ("micro cache") too small to contain items except for a log book. The coordinates listed on the traditional cache page is the exact location for the cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us

Return to the Top of the Page