View Geocache Log

Found it CarlosAgnelo found Poço do Inferno

Monday, August 8, 2011Guarda, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

Com o quartel general nas Penhas da Saúde, propus à minha cara metade e à restante família presente, para irmos dar uma volta ao Poço do Inferno. É evidente que não disse toda a verdade: Conhecedor da pouca motivação que tem para o “geocaching” lá vendi o produto de outra maneira: Que, para além da cascata, se podia usufruir de ótimas sombras, que aproveitávamos e dávamos umas voltas com os garotos que… etc., etc., etc..
“Pronto, então vamos!” – disse ela. “Uhau”! – pensei eu.

Entre o Centro de Limpeza de Neve e o Covão da Ametade algumas placas. Entre elas, uma a indicar Poço do Inferno e outra SERRA de Bº. Evidentemente que, tal como o poeta, assumi: “Não! Não vou por aí!”. A razão não tinha nada a ver com a placa da SERRA DE Bº mas com o facto de, em experiência anterior naquela via, ter passado um mau bocado, dado o estado de conservação da mesma. Mas aquela da SERRA DE Bº, é muita (pouco) "informativa", não?

Galgado praticamente todo o vale glaciar, antes de chegar a Manteigas outras placas indicavam, mais uma vez, Poço do Inferno, SERRA DE Bº e... agora fomos por ali. Pouco depois do Miradouro, à direita, mais umas placas, uma delas a indicar… SERRA DE Bº. Claro que o Poço do Inferno já não era agora na mesma direção pelo que seguimos até ao parque de estacionamento onde deixámos o “cachemobile” e armámos o carrinho de bebé (“cachemoile baby?”). Passámos em frente do local de acesso ao Poço (e à cache) mas não me descosi. E continuámos, estrada adiante, até chegarmos próximo do cruzamento de Sarnadas para voltar usufruindo daquela paisagem, frescura e silêncio apenas entrecortado pelo cantar dos passarinhos, pelos berros de um aspirante a "geocacher" (esse sim, por minha culpa já com uma grande parte da “escola” feita) e pelos sons emitidos pela ocupante do “cachemobile baby”. Deu para colhermos amoras e ainda, como quem não quer a coisa, dizer, a páginas tantas, ao aspirante, para todos ouvirem “Queres ver uma cache?” E ele, com satisfação dizendo que sim. Levei-o a ele e, por tabela, a todos os outros, a uma etapa da multi “Star Montain”, ali próximo. Claro que me interessava rever as coordenadas para atacar a cache final...

Continuámos até mesa ao lado do chafariz próximo do Poço onde a família se sentou para refrescar e dar comida à mais pequenina: Perguntei ao aspirante se ele queria ver o Poço do Inferno. Claro que sabia qual era a resposta. Mas disse-lhe alto e bom som: “Está bem mas agora deixas que eu vá ali sozinho a mais uma cache e já te venho buscar”. Fui até ao ponto de início da escalada e, sem qualquer GPSr, uma vez que já cá tinha vindo, comecei calma e paulatinamente a seleccionar os pequenos “degraus” nas pedras. Uma delas, um pouco acima da cabeça, no início da escalada, quando experimentada, começou a mexer, pelo que foi logo deixada de parte. É ali, porventura, a parte mais arriscada, em condições normais de Verão. De resto tudo foi, dentro da serenidade e racionalidade a que as escaladas devem obedecer, fácil.

Chegado à cache, sentei-me, acenando à família de cá de cima e obtendo o respetivo “feedback” em especial do aspirantezinho a “geocacher”, olhei mais à esquerda, para o pequeníssimo fio de água que vai escorrendo pela lage abaixo em vez da cascata . Sobre os “muggles” apenas um casal passou em baixo, junto aos meus familiares, olhou para mim sem aparentemente perceber o que estava a fazer...

Feito o “log”, tiradas algumas fotos pelos elementos da família, iniciei e concluí com as mesmas serenidade e racionalidade o caminho de regresso.

Foi então que, agarrada firmemente a mão do aspirante a “geocacher”, o levei até ao local onde tinha iniciado a escalada e, como havia prometido, mesmo até às bordas do Poço. Escusado será dizer que, se lhe desse “bóia” entrava, vestido ou à Pai Adão, para a água. Mas isso até poderá ficar para uma próxima.

TFTC
TNLN

Um grande rochedo e um pequeno "geocacher"!

Additional Images Additional Images

Um grande rochedo e um pequeno "geocacher"! log image Um grande rochedo e um pequeno "geocacher"!

A Queda em Junho de 2010 log image A Queda em Junho de 2010

Diferentes tipos de granito log image Diferentes tipos de granito

Uma das escarpas mais resistentes à erosão log image Uma das escarpas mais resistentes à erosão

O Miradouro e as escarpas log image O Miradouro e as escarpas

Prox. do Miradouro: Panorâmica pª Vale do Zêzere log image Prox. do Miradouro: Panorâmica pª Vale do Zêzere

infoThis is the original cache type consisting, at a bare minimum, a container and a log book. Normally you'll find a tupperware container, ammo box, or bucket filled with goodies, or smaller container ("micro cache") too small to contain items except for a log book. The coordinates listed on the traditional cache page is the exact location for the cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us