View Geocache Log

Found it joom found Torre de Babel

Friday, March 6, 2015Braga, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

#5342 @12:10

Um regresso ao PNPG na primeira incursão do ano e como confirmação de FTFs num dia com amplitude térmica de 20ºC.

E com esta terminei a minha volta do dia, às caches, e nem fui procurar mais nenhuma para não estragar o sabor que sentia. Muito dificilmente encontraria melhor, foi efectivamente a sobremesa do menu de hoje. Aquela que fecharia, com chave de ouro, este matar de saudades do PNPG.

Até podia só escrever, Gostei e opc, como registo ou mesmo com um simples smile, mas por muito que seja sintético não consigo relatar o absoluto privilégio de vir aqui acima.

Mas começamos pelo início, estranhava que uma cache destas, ainda não tivesse visitas, e depois de uma visita pelos lados da Varziela, sentindo-me bem-disposto e capaz de mais uns quilómetros nas pernas decidi, e bem, vir para aqui.

Estudei o percurso em casa, e optei por estacionar na Casa da Malhadoura, mais uma das antigas casas florestais à espera de cair de maduro. Mais tarde e no regresso à ponte do Arado é que reparei que agora há uma placa nova a restringir o trânsito.
Daqui há um caminho e depois a parte pior, a subida rápida em altitude ao ver a pouca distância das curvas de nível, sem elevador e para ganhar os quase 400 metros de desnível que me separava do ponto zero.

O local não me é desconhecido de todo e já por diversas vezes me despertou a atenção de vários lados. É como se fosse um farol que nos chama.

Depois de ultrapassadas as dificuldades iniciais, a parte mais inclinada e na qual poupei alguns quilómetros de viagem nas pernas, cheguei a um velho prado, com o seu abrigo arranjado e tratei de procurar o trilho que me levaria lá para cima: a zona mais árida e quase coberta de granito. Por vezes é como andar numa enorme laje e com estas condições com uma extraordinária aderência.

Continuei por onde me indicavam as mariolas e de repente tinha a Rocalva ali à minha frente, e à direita, a subir pois claro, o meu destino. Escolhi aquele que me pareceu o melhor acesso e em pouco tempo estava no alto. Ali, com aquele fabuloso panorama à minha frente, aquele que só quem cá vem tem o absoluto privilégio, não me canso de repetir, de admirar.

Durante a subida pensei no tipo de contentor que iria encontrar, o tão em voga “container”, e se só se fosse uma engenhoca capaz de tirar uma imperial, ou fino nestas latitudes mais setentrionais, ou um café expresso, seria capaz de suplantar o absoluto deleite de vir aqui. Qualquer recipiente é esmagado pela beleza natural. Assombroso.

Aqui sentia-me como o anjo Gabriel, em cima da estátua da Vitória em Berlim, a observar o que se passava lá em baixo no filme de Wim Wenders. A diferença era que agora eu não via vivalma nem ia procurar quem iria morrer. De qualquer das formas vi três pessoas: par de raparigas que corriam na zona da ponte do Arado e um local com que me cruzei de carro já quase no estacionamento "legal".

Aproveitei um local mais abrigado do vento para assentar arraiais, tirei as botas, e fui procurar a cache. E lá está, já cá tinham vindo, e agora não eram os habituais. O registo não tinha data, mas seguramente foi esquecimento.

Fiquei ali, seguramente mais de meia hora ali no topo do mundo a identificar alguns dos picos, e caches, que se avistavam. Era só escolher.

Depois de acabar com tudo o que trazia para comer, resolvi descer por onde vim.

Extraordinária cache e que mostra outras tantas e locais para visitar e explorar.

Venha de lá essa multi que se for como esta já está ganho o dia.

Sem trocas
Obrigado pela cache

Casa da Malhadoura

Visit Another Listing:

Advertising with Us