View Geocache Log

Write note Valente Cruz posted a note for eXTReMe CHaLLeNGe [UTSF]

Saturday, June 28, 2014Aveiro, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

Encontrada!

Ultra Trail Serra da Freita, ou a Crónica de um sorriso eterno

Quando, no ano passado, fiquei a conhecer esta prova, soube de imediato que teria de a experimentar. A ideia de unir, num único desafio, todos aqueles percursos, que eu já conhecia, é, no mínimo, extraordinária. Ter a coragem e a vontade de a operacionalizar é algo fantástico!

No dia anterior, como tinha de acordar muito cedo para fazer a viagem até ao Merujal, a tempo de levantar o dorsal, e sobretudo porque o frenesi e as expetativas eram muitas, acabei por não dormir nada e fui de direta para a prova.

A odisseia iniciou-se por volta das 5h30. Os primeiros quilómetros fizeram-se muito bem, num ritmo calmo, para não inviabilizar o que estava para vir. Na descida do Trilho do Carteiro as pernas experimentaram pela primeira vez a irregularidade do terreno. Como sabia que iria ter problemas com o joelho esquerdo, o pé direito ia sempre na frente, a apanhar a pancadas sucessivas.

Seguiu-se a parte dentro do Rio Paivô. Por esta altura, o nevoeiro já tinha dado lugar à chuva, e o percurso parecia uma pista de patinagem ultra-artística. Os desafios eram superados ora por progressão dentro de água, ora por escalada, ora com a ajuda de cordas estrategicamente colocadas, ora com trocas de margens nas lagoas através de troncos. Com alguma agilidade e uma boa dose de doidice, aproveitei esta parte de progressão de grupo mais lenta para ganhar algum tempo, que sabia que iria ser importante mais adiante.

Depois de um abastecimento em Covelo do Paivô, fomos pela Senda até Regoufe e daí para Drave. Foi neste percurso que apareceram as dores no joelho esquerdo. Como iniciante nestas coisas, nem imaginava que o calçado poderia variar com o tipo de passada. Iniciei os treinos há 3 meses; neste último mês, à medida que aumentava a distância, apareceu-me uma dor e apenas na última semana percebi o que estava a fazer de errado. Recordo agora um episódio quando, numa noite de um verão passado, comprei uns chinelos a um senhor marroquino e, como eu achava que os chinelos não me assentavam bem, tentei explicar-lhe que os mesmos deveriam ter um problema qualquer. Ele, em 2 segundos, diagnosticou-me: “Tu tens os pés tortos!”. E tinha razão. Ele apenas não conhecia o nome técnico: ao que parece a minha passada é supinada. Diga-se, de passagem, que o nome é mais pomposo que “pé torto”. Posto isto, entre muitas dúvidas, no dia anterior à prova lá me decidi a ir comprar umas sapatilhas novas para estrear por lá. Ressenti-me naturalmente do mau treino e na corrida até à Aldeia Mágica apareceu-me ainda mais uma dor, no mesmo joelho, que me ficou desde a travessia do PNPG aka Montanhas Nebulosas. Portanto, depois de Drave, ainda antes do meio da prova e sobretudo dos grandes desafios, o cenário não era nada bom. Foi o meu primeiro momento de desânimo e frustração.

infoA multi-cache ("multiple") involves two or more locations, the final location being a physical container. There are many variations, but most multi-caches have a hint to find the second cache, and the second cache has hints to the third, and so on. An offset cache (where you go to a location and get hints to the actual cache) is considered a multi-cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us