View Geocache Log

Found it joom found Valley of Darkness [Gerês]

Friday, July 29, 2011Vila Real, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

#1384 @10:22

O objectivo do dia, tentar ser o primeiro a encontrar uma cache no Parque Nacional Peneda-Gerês e ainda para mais uma com o mesmo tema de outras 2 verdadeiramente fantásticas e baseadas no livro de Joseph Conrad mas na sua adaptação cinematográfica. Bastava ser do mesmo calibre e estava ganho o dia.

Quando esta cache saiu pensei logo quais seriam as hipóteses de vir cá, ainda tentei arranjar companhia com aqueles que estão de férias mas nada. O passeio seria sozinho o que implicava cuidados redobrados.

Saí de casa ainda era noite e a caminho presenciei um nascer de dia fenomenal com o céu pintado de encarnado, ainda pensei em parar mas ou tirava fotografias ou ia às caches. Uma paragem implicava começar a andar com mais calor. Cheguei a Fafião e o sol despontava e já se sentia o calor e o que me esperava. Estacionei no largo perto do café e toca a subir pelo estradão ao ponto inicial da missão. Começava assim uma boa caminhada e uma despedida do estradão que iria reencontrar no regresso.

A chegada ao primeiro ponto decorreu sem problemas e no local comecei a procura. Encontrei um tubo, será que é isto? Pensei de início; se for é original, mas nem nos extremos nem escrito no tubo não havia nada que indicasse as coordenadas do próximo ponto. Procurei mais ao lado e lá estava uma caixa das habituais com as novas coordenadas. Inseri as novas coordenadas e vim para onde ficava e continuei viagem no caminho da ponte da Matança. O ponto fronteira para os territórios de Kurtz e também a despedida do rio, agora iria ser sempre a subir.

Antes de chegar ao segundo ponto vi uma formação rochosa, um monólito, que só por si daria para uma cache fenomenal mas como não se pode escalar no parque está fora de questão. Lembrei-me também de ler um artigo recente sobre esta área na Visão.

Com as coordenadas obtidas para o ponto final, e no segundo ponto, verifiquei que em linha recta o ponto ficava a quase 3 quilómetros e lembrei-me, por alguma razão há um atributo que diz que a caminhada necessária tem mais de 10 quilómetros. Isto promete. E pelas curvas de nível é lá em cima, bastante lá em cima e muitas curvas de nível depois.

Está na hora de subir seguindo o velho trilho marcado com algumas mariolas e por quem aqui circula. Do outro lado da margem vejo o trilho que iria fazer no regresso e que nesta hora ainda está à sombra.

Com alguns enganos e consequentes retomar de caminho mais atrás lá subi, subi, e subi tentando seguir o melhor possível o caminho. Reparei agora que o trilho que tinha transferido para o GPS não estava cá. Tinha-o apagado e não o tinha reposto. Azarito, não havia de ser por isso que não chegaria a bom porto, tinha as coordenadas e o mapa topográfico. E ainda ouvi o Bono a dizer-me nas orelhas: "And I have no compass . And I have no map", perfeito.

Ao longe cruzei-me com um dos pastores com o seu numeroso rebanho, pareceu-me um dos que andam pela zona do Arado e descem para aqui, mas a distância ainda era grande para uma melhor confirmação. Continuei a subida tentando rodear os vales escarpados formados por linhas de água que vão par ao rio e chegar o mais possível ao topo mas não subindo muito.

E estava quase, a interminável subida estava no seu final, mas não nos prepara para a visão que se obtém do ponto final. Ainda andei para cima e para baixo numa espécie de tentativa e erro para encontrar o local mas andei a dificultar. Quando andei por melhores acessos a cache apareceu naturalmente. E era o primeiro, um FTF. Ser o primeiro numa cache destas, uma cache à série que implica algum esforço para cá chegar, e não uma qualquer deitada para ali numa rotunda, vale a pena. Existem muitas variáveis e nenhuma descrição de aventuras passadas que podem ajudar na procura da cache, só quem o vive é que percebe o tema da conversa.

Continua...

This entry was edited by joom on Friday, 29 July 2011 at 22:18:05 UTC.

o vale no início

Additional Images Additional Images

o vale no início log image o vale no início

o guardião da passagem log image o guardião da passagem

o rio log image o rio

o vale até às sombrosas log image o vale até às sombrosas

o Gerês log image o Gerês

a procurar a descida log image a procurar a descida

o Noddy a espreitar, mas ficou lá log image o Noddy a espreitar, mas ficou lá

a descida log image a descida

a cabana e ainda faltam 7,7 km para Fafião log image a cabana e ainda faltam 7,7 km para Fafião

quase que se vê o ponto final log image quase que se vê o ponto final

o rio com pouca água log image o rio com pouca água

o contraste das cores das rochas log image o contraste das cores das rochas

o guardião da passagem visto da outra margem log image o guardião da passagem visto da outra margem

infoA multi-cache ("multiple") involves two or more locations, the final location being a physical container. There are many variations, but most multi-caches have a hint to find the second cache, and the second cache has hints to the third, and so on. An offset cache (where you go to a location and get hints to the actual cache) is considered a multi-cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us