View Geocache Log

Write note global trekkers posted a note for Montanhas Nebulosas [PNPG]

Saturday, July 5, 2014Viana do Castelo, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

(Parte 09/14)

E como pudemos constatar ao longo desta etapa da caminhada (Portela do Homem – Pitões das Júnias), ao contrário da anterior, a água é claramente aqui um factor limitante. Lembrem-se disto caros exploradores, e tragam muita água se estiverem dias de calor, pois aqui é um bem bem precioso e escasso. Se não me escapa a memória, a única que encontrámos e onde reabastecemos, foi num pequeno afluente do rio da Amoreira, a linha de água que passa no vale das Sombras.

Seriam aproximadamente 18:00h quando finalmente atingimos o pico do Sobreiro (alguns ficaram no sopé a descansar da acentuada subida) e nos deixámos ficar alguns minutos a observar a paisagem envolvente a 360º. É sem dúvida de uma grandiosidade a vista que se alcança deste ponto, somente 8m de cota abaixo relativamente à Nevosa (alt. 1545m). Alguns de nós escolheram literalmente um poiso onde se deixaram ficar nos minutos seguintes em silêncio comungando com esta solidão granítica; outros ao invés, decidiram explorar o local mais em detalhe, aproveitando para procurar outra geocache nas redondezas. Um magnífico spot sem dúvida, e um dos recantos mais isolados do Parque.

O sol ainda ia bem alto, não estivéssemos em plena na altura do solstício em que o dia vence a noite, quando finalmente inflectimos para o destino do dia: a povoação abandonada das Minas dos Carris onde passaríamos a noite. Desde o pico do Sobreiro até este local foram aproximadamente 45 minutos que de fizeram sempre bem, já que agora era sempre a descer. Primeiro foi a silhueta da lagoa de lavagem do minério a aparecer, sendo que logo depois iam sendo pouco a pouco visíveis os contornos dos velhos edifícios e habituações. Apesar de já serem 3 as vezes (com esta a quarta) que aqui vimos, nunca me canso de voltar a este local místico. Não deixa de ter um certo fascínio caminhar por entre estas ruas e casas que outrora viveram tempos áureos, cheios de vida, sons, cores, e que agora não são mais que ruinas perdidas no tempo à mercê dos elementos das natureza que todos os anos roubam mais um pouco do pouco que já resta. Seria certamente um dia-a-dia de muitos sacrifícios que estas gentes enfrentavam, perdidas nesta vastidão e solidão granítica da serra do Gerês onde os elementos naturais nestas altitudes não davam certamente tréguas. Muitas histórias devem ter estas paredes e galerias para contar…

Chegados ao Carris por volta das 18:50h, a primeira coisa com que nos deparámos foi uma visão única de uns 12-15 corços que apareceram de dentro de uma ruína e que de imediato se puseram em fuga montanha acima, onde um a um foram desaparecendo por entre os arbustos dos penedos. Inesquecível! Quanto a nós, ainda tínhamos muito tempo antes de a noite cair. Havia no entanto muito trabalho a fazer, pelo que de imediato distribuimos tarefas. Dividimos-mos em 3 equipas e cada uma partiria numa direcção diferente para a aldeia. Objectivo: procurar um abrigo com telhado para passarmos a noite. Ao fim de algum tempo de procura, eis que encontrámos um possível local de pernoita onde pelo menos ainda havia paredes e tecto. Todos os restantes elementos concordaram que este era o melhor local para ficarmos, pelo que de imediato foi eleito!
Fase seguinte: limpar o dito abrigo por dentro, livrando-o de toda a sujidade acumulada. Sim, porque pelo lixo acumulado este era claramente o local onde muitos já devem ter ficado…e onde infelizmente deixaram lixos dos mais variados tipos (garrafas, latas, plásticos, etc.). Havia pois numa primeira parte de retirar esta lixarada toda para fora e acondicioná-la nalgum tipo de saco/contentor, coisa que de imediato fizemos. Utilizámos galhos de arbustos secos quebrados para fazer as vassouras que se portaram muito bem.

infoA multi-cache ("multiple") involves two or more locations, the final location being a physical container. There are many variations, but most multi-caches have a hint to find the second cache, and the second cache has hints to the third, and so on. An offset cache (where you go to a location and get hints to the actual cache) is considered a multi-cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us