View Geocache Log

Write note paragrama posted a note for CaBrElA - Rede Natura (PR2 MMN - Sítio de Cabrela)

Sunday, March 8, 2015Évora, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

Shalmai & Paragrama

[1/3]

TL;DR: Cache espectacular, vai ser preciso saltar um portão e a água da ribeira é FRIA!

A primavera chegou! Finalmente o objectivo do dia! :-)
O passeio começou perto da igreja. O cachemobile ficou estacionado à sombra, e ficámos um bocadinho na área arrumar o material para começar o percurso. Estava-se perto da hora de almoço e as ruas tinham pouca gente, apenas dois ou três indivíduos à frente de um café e umas senhoras na conversa encostadas à parede.
Logo no primeiro ponto recolhemos os dados com facilidade, e continuamos calmamente o passeio. As câmaras fotográficas estavam à mão, e foram muito usadas, por isso o ritmo também não foi demasiado elevado.
Fomos seguindo o percurso disponibilizado na listing com o GPSr e resolvemos começar pelo sentido “normal”, continuámos pela aldeia e passámos por uma carrinha a vender frutas e legumes.
“Olha, esqueci-me das maçãs... compramos?”
“Está bem!”
Após os “bom dia” da boa educação acabámos por escolher umas pêras e umas maçãs, estas altamente recomendadas pelo vendedor, um moço ainda jovem que agilmente saltitava entre caixas de fruta. 70 cêntimos mais tarde continuámos a subir a rua, parando para ver uns gatos e pouco depois enxotávamos um irritante canídeo que insistia em nos atazanar...
Neste ponto surgiu o primeiro problema: o GPSr dizia para prosseguirmos por um caminho que parecia mais a pilha de compostagem da aldeia do que um “caminho a sério”. Olhámos em volta e ao lado havia um portão baixo fechado com corrente e cadeado... ainda ponderei ter-me enganado a seguir o risco, e voltámos atrás para ver se havia carreiro por trás das casas, mas não. Entre atravessar aquilo ou fazer o caminho ao contrário "e depois logo se vê” optámos pela segunda hipótese, e assim voltámos para trás, enxotámos de novo o cão, vimos outra vez os gatos, e passámos pela camionete da fruta, agora já noutro local.
Seguimos em direcção à saída da aldeia e tentámos ir ver de perto as ermidas ou capelas ou parecido que estavam ao lado da estrada, mas não demos com caminho para lá, por isso continuámos a seguir o traço no GPSr, alcatrão fora e sem grande novidade... é que alcatrão há muito e já não espanta.
Um pouco mais à frente chegamos à terra e o passeio começa a melhorar: os poucos carros ficam para trás, começamos a ouvir mais o vento e a observar mais as ervas e os chaparros, o Alentejo estava já ali. Muito bom!
Percorremos o caminho vendo a paisagem, conversando, olhando para um ou outro contrail, observando as flores, contando as azinheiras, fazendo fotografias. Já perto do moinho apanhámos uma zona de sombra a descer, com os xistos a partirem-se na borda do caminho, e o som da água a correr naquele fio que de certeza se iria juntar à ribeira da Safira.
Quando chegámos à ribeira o nosso estômago dizia que podia comer qualquer coisinha. Por perto não havia nenhum local propicio a piquenique, por isso decidimos atravessar e procurar um pouco mais à frente. Ainda tentei atravessar calçado, mas a Shalmai alertou-me e com razão que ia ficar com os sapatos encharcados, por isso decidi que o melhor era continuar descalço. Antes disto tudo eu já me tinha entretido a tirar fotografias, e meti na cabeça que havia de fazer mais umas no meio da água, ribeira acima, onde as arvores fechavam o percurso de forma bastante bonita.
Esta ideia dissipou-se uns segundos depois de entrar na água.
Eu sou do tipo que não gosta muito de ir à praia, e que acha a água sempre fria. Parece sempre que é fresca demais, entramos aos bocadinhos mas nunca está confortável, está sempre um bocadinho fria... é aborrecido. A água da ribeira da Safira não é nada assim! Nós entramos, só com os pés e pensamos “está fresca”. Depois deixamos de pensar, e só queremos sair dali! :-)
Ainda insistimos nos momentos fotográficos, mas concordámos que não era saudável, por isso fotografias só da margem :-)

continua...

infoA multi-cache ("multiple") involves two or more locations, the final location being a physical container. There are many variations, but most multi-caches have a hint to find the second cache, and the second cache has hints to the third, and so on. An offset cache (where you go to a location and get hints to the actual cache) is considered a multi-cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us