View Geocache Log

Found it Shidoki found The Grey Havens

Sunday, February 6, 2011Lisboa, Portugal

It looks like your log contains HTML or UBB formatting. We now use Markdown formatting because it works on both web and mobile. Would you like to convert your log?

Success! To keep these changes, hit “Submit Log Entry” at the bottom of the page.

Hmm. Some of your log formatting is not supported. You might want to remove it and use Markdown formatting.

Parte 1

Vou com toda a certeza alongar-me neste log, começando desde já por dizer que esta é simplesmente uma das melhores caches por terras lusas e a minha numero 1 por todos e mais alguns motivos.
Foi um verdadeiro turbilhão de emoções...
Para começar o gps que nos conduz nas nossas cachadas (etrex vista) não tem cartografia =S ou seja apenas nos guiamos por distâncias. Especulações e por isso vindos da Ursa pareceu-nos lógico naquela altura que, a cache se encontrava num ponta escarpada (única) bem lá no alto, mas o único "caminho" era como que assinar uma sentença com belzebu, mas mesmo assim perdemos uma hora lá bem no cume a tentar magicar uma maneira de chegar á dita ponta (inconscientes totalmente do perigo que corríamos), convenhamos também que estávamos muito bem deitados a apanhar sol defronte para uma bela vista durante o processo de "magicação"... a michiko bem que dizia"deve ser aquele trilho ali em baixo"...
Passada uma hora lembra-mo nos que na pagina dizia qqlr coisa de trilho, confirmada a dica e já postos a caminho da mesma não é que ela tinha mesmo razão?!?
Metidos no trilho, este mostrou-se sinuoso e falso tal era a quantidade de sedimentos soltos no chão, mas com calma/paciência tudo se faz até que por acaso quando me baixava para passar um obstáculo escorreguei e descobri que o caminho se fazia mais eficazmente fazendo Scu nas ervas (não estou a brincar!) poupamos tempo nos zigue zagues e ganhamos sorrisos bem como calças verdes =P (acreditem é mesmo divertido),
Chegados à base da escarpa cedo reparamos que concerteza a abordagem não seria por ali, se bem que mesmo assim dois fizeram a abordagem por ali (um risco grande tendo em conta a falta de apoios seguros) escalar rochas areniticas mal consolidadas não é de todo agradável e muito menos seguro. Durante o processo foi por pura sorte (com alguma destreza a mistura) que não levei com as pedras que escorregavam dos tropeções dos que tinham arriscado por ali subir. Os outros dois de sobra (eu e a cátia) voltamos atrás e procuramos um trilho razoável, o que é escasso em rochas nas quais mal se mete a mão ficamos com as mesmas na mão.
Mas pronto com mais tropeção menos tropeção lá chegamos perto deles e ai sim contrariamente aos meus colegas que tiveram receio de andar em rochas soltas o meu coração tentou saltar do peito para bem longe e não tive algum receio como eles anteriormente tive MUITO MEDO principalmente quando me apercebi de como se processava a passagem para "o outro lado".
O mar a rugir lá em baixo e de ambos os lados, as ondas a bater mostrando a sua força, uma escarpa praticamente a direito até lá abaixo, uma corda de não sei quando e ferros oxidados...ao somar todo isto tudo em mim parou, faltavam 5 míseros metros para o local e eu paralisei, perdi o controlo das pernas principalmente os joelhos que pareciam gelatina, todo o "eu" gelou e ponderou o que havia a perder e a ganhar, e cheguei mesmo a recuar dizendo que nunca seria capaz mas...sinceramente depois de uns minutos a meditar comigo mesmo decidi arriscar, a vida é isso mesmo um risco e só se vive uma vez. Enfrentei o touro pelos cornos mas sempre a tremer e a imaginar-me no segundo seguinte "estatelado" lá em baixo, tremi e temi como nunca em toda a minha vida, estava pronto para chorar pois nem gritar conseguia, mas passei o meu cabo das tormentas e chegado ao outro lado ainda tremia e só conseguia imagina rque tinha de voltar, acreditem foi um sufoco, tive uma descarga de adrenalina tão grande que se tornou um peso a carregar e não alegria a desfrutar, acho que o meu consolo ( e fuga da realidade de ter de voltar para trás) foram aqueles filões magníficos (não fosse eu um orgulhoso aspirante a geólogo).

infoThis is the original cache type consisting, at a bare minimum, a container and a log book. Normally you'll find a tupperware container, ammo box, or bucket filled with goodies, or smaller container ("micro cache") too small to contain items except for a log book. The coordinates listed on the traditional cache page is the exact location for the cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us