Skip to Content

View Geocache Log

Found it p@Che found The Grey Havens

Sunday, May 22, 2011Lisboa, Portugal

Esta era a aventura do dia, a cache de que todos falavam, a potencial vencedora para um dos anos (como se eu já não soubesse...) dos prémios GPS. Do que me tinham falado dela, seria algo semelhante à mítica "nest" da costa vicentina, mas como eu nunca lá tinha ido, para mim a "nest" é que poderá ser uma espécie de Grey Havens!

Carro parado num dos spots de estacionamento que apareciam no GPS, não sem antes tentar um caminho de terra batida... mas o carro era demasiado rasteiro para suportar aquele parto. Então é melhor mesmo seguir a pé, by the book! Claro que um pouco mais à frente até encontramos um carro por lá estacionado.

Durante o trilho tínhamos o Atlântico para apreciar, para respirar. Passamos por uma cache, mas a seta apontava lá para baixo e o objectivo não era agora esse. Chegamos até um ponto em que teríamos mesmo de descer, mas não se via o melhor acesso. Procurei várias alternativas a olho nu, mas nenhuma delas me parecia a ideal. Já com a ameaça no ar de desistir, lá se avistou um pequeno carreiro íngreme, que levaria até aquele "cavalo" que já se avistava certamente.

E chamar íngreme à coisa até é simpático, e até começar-mos a andar à mesma cota ainda foi preciso algum suor. Mais ainda será necessário quando regressar-mos, mas isso agora não interessa nada. Com mais ou menos dificuldade estávamos a 25m da cache, e o vento soprava como se não houvesse amanhã, e o último obstáculo parecia uma espécie de monstro das tormentas à espera de ser ultrapassado. Mochila pró chão, GPS no bolso, e siga por aquele desfiladeiro com a ajuda da corda por lá deixada. O entusiasmo, a adrenalina, a maluqueira, era tanta que o ponto zero ficou para trás e trepei até ao topo da cabeça do cavalo. Ups... para trás é o regresso e a cache lá apareceu com mais ou menos dificuldade. Uma pausa para aproveitar o silencio do local e para apreciar a vista fantástica a quase 360º. E Novamente estava a ultrapassar o obstáculo maior, que me parecia agora bem mais difícil, talvez pelo ponto de vista ser outro e estava de novo em porto seguro.

O almoço foi feito enquanto se media umas coisas para uma Earthcache vizinha, ainda com o coração acima dos 120bpm. Tempo de regressar lá em cima, e como a subir nem todos os santos ajudam, foi um pouco mais demorado, mas serviu para saborear melhor a aventura, a cada momento de pausa em que olhávamos novamente para trás e para o objectivo agora alcançado.

Ao chegar ao topo, ainda havia tempo para ir até à vizinha "Ursa", mas achamos que para dar valor quer a esta, quer à "Ursa", mais valia ficar para outra altura. Seguimos em direcção ao carro, agora bem mais aliviados e com um voto adicional para dar à vencedora já conhecida, mesmo que fosse no último dia!

Obrigado muito!

Additional Images Additional Images

IMG_9936 IMG_9936

IMG_9939 IMG_9939

IMG_9943 IMG_9943

IMG_9949 IMG_9949

IMG_9957 IMG_9957

IMG_9982 IMG_9982

IMG_9998 IMG_9998

IMG_9999 IMG_9999

infoThis is the original cache type consisting, at a bare minimum, a container and a log book. Normally you'll find a tupperware container, ammo box, or bucket filled with goodies, or smaller container ("micro cache") too small to contain items except for a log book. The coordinates listed on the traditional cache page is the exact location for the cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us

Return to the Top of the Page