View Geocache Log

Found it HDV found Pulo do Lobo

Sunday, December 30, 2007Beja, Portugal

[1/2]

Trazia o "Pulo" na orelha desde que - já não sei muito bem a que propósito, mas num daqueles usuais assomos 'engos de modéstia e desapego, qual AX - o Monstro das Bolachas ou Bolo Rei o mencionou na TV como sinónimo de "Alentejo profundo".

Esperava por isso, admito, ao arrepio das "caches", com certa antecipação do regozijo de uma profecia auto-realizada, a confirmação de um inelutavel "passeio dos tristes"; uma fava não na mas pela boca do nosso sidónio; que o confirmasse lúgubre, cinzento e sem graça.

O local é de facto concorrido mas, veio-se a ver, contudo, não só se pôde achar alguma graça como - sobretudo - inúmeras garças e cegonhas nos postes do caminho e em todas veredas daqueles 17 quilómetros; número mágico que subtraído ao ano de cuja entrada era véspera o dia produzir-se-ia - não por acaso; há nisto muito de cabalístico! – o da reconfirmação da maioritária tacanhez da nação.

O tupperware. De um puro recorte Manuel-Antunesiano, é todo em si um prodígio de equilíbrio e bate-cús – em particular para quem, mea culpa, decidiu calcar a áspide com sapato liso -; uma riqueza rócócó de se eu te puder ajudar a partir o pescoço prefiro-o mil vezes a uma qualquer palmadinha molenga e amiga no cachaço; para quê – afinal – deixar-te alcança-lo confortavelmente atrás da moita quando o podes buscar nos estratocumulos? A maior riqueza, meu amigo, deriva do esforço! Se a queres apreciar sua-a; meu grande porco! Que há muita dignidade no sujidade e no trabalho!

Depois de me admirar com a maravilha natural, de retorno, no lugar do pendura, decidi pegar no Guia de Portugal de Raúl Proenca (v. II, pp. 164-5) cortesia 50% de desconto Gulbenkian; o meu rei mago arménio! - onde encontrei o excerto que abaixo se surripia e me levantou dúvidas se não nos andaremos, afinal, todos a maravilhar com coisa pouca quando, a pouca distância, maior espanto aguarda os audazes (a verificar! podem ir começando os próximos que - ao preço a que anda o incenso, petróleo e mira - enquanto o Calouste não estender às bombas o truque que tão bem faz com os livros tão cedo não volto lá – que, e vai daí, vendo bem as coisas, não se pode ter tudo e não é incerto que seja pelo acréscimo do primeiro que anda a Fundação financiando a aparente generosidade com os segundos):

[i]“Ao Pulo do Lobo, queda de água no Guadiana de 173 m. De alto por 100 de larg., a 2 h. de Mértola por péssimo caminho.

"Para os que tiverem visto a catadupa do Niagara - escreve numa página célebre Bulhão Pato - o Puto do Lobo deve ser uma coisa insignificante. A nós produziu-nos viva impressão. O rio chega a um ponto em que se precipita de grande altura, some-se fumegando por lima garganta de rochedos, e sai depois arredondando-se num lago, que parece estagnado, lá em baixo, entre as penedias. O estrondo em que se precipita o enorme estoque de água e a serenidade sombria ao lago adormecido fazem um contraste notável. Para se formar ideia mais clara da queda do rio, Imagine-se um arco aberto no centro; a essa abertura do arco, relativamente grande, é que se dá o nome de Pulo do Lobo."[/i]

infoThis is the original cache type consisting, at a bare minimum, a container and a log book. Normally you'll find a tupperware container, ammo box, or bucket filled with goodies, or smaller container ("micro cache") too small to contain items except for a log book. The coordinates listed on the traditional cache page is the exact location for the cache.
Visit Another Listing:

Advertising with Us